您所请求的文章/视频尚不存在。

The article/video you have requested doesn't exist yet.

あなたが要求した記事/ビデオはまだ存在していません。

The article/video you have requested doesn't exist yet.

L'articolo / video che hai richiesto non esiste ancora.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

आपके द्वारा अनुरोधित लेख/वीडियो अभी तक मौजूद नहीं है।

The article/video you have requested doesn't exist yet.

Makala/video uliyoomba bado haipo.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

요청한 문서 / 비디오는 아직 존재하지 않습니다.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

המאמר / הסרטון שביקשת אינו קיים עדיין.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

您所请求的文章/视频尚不存在。

The article/video you have requested doesn't exist yet.

L'articolo / video che hai richiesto non esiste ancora.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

आपके द्वारा अनुरोधित लेख/वीडियो अभी तक मौजूद नहीं है।

The article/video you have requested doesn't exist yet.

Makala/video uliyoomba bado haipo.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

요청한 문서 / 비디오는 아직 존재하지 않습니다.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

המאמר / הסרטון שביקשת אינו קיים עדיין.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

Xintoísmo (parte 1 de 2): O que é o Xintoísmo?

Classificação:
Tamanho da fonte:

Descrição: Um olhar breve na origem do Xintoísmo, seu papel na cultura japonesa e o espírito conhecido como Kami.

  • Por Aisha Stacey (© 2016 IslamReligion.com)
  • Publicado em 05 Sep 2016
  • Última modificação em 04 Sep 2016
  • Impresso: 12
  • Visualizado: 10502 (média diária: 5)
  • Classificação: sem comentários
  • Classificado por: 0
  • Enviado por email: 0
  • Comentado em: 0

De acordo com o dicionário Princeton online, o Xintoísmo é a religião indígena antiga do Japão. Não tem um dogma formal e é caracterizado pela veneração de espíritos da natureza e dos ancestrais.[1]

O nome Xintoísmo vem dos caracteres chineses para Shen ("ser divino") e Tao ("caminho") e significa "Caminho dos espíritos."[2]

Shinto1.jpgÉ extremamente difícil estimar o número de adeptos do Xintoísmo em todo o mundo. Algumas fontes dão números na faixa de 2,8 a 3,2 milhões. Outros afirmam que 40% dos japoneses adultos seguem o Xintoísmo; se fosse esse o caso, seriam em torno de 50 milhões de adeptos. Ainda assim fontes afirmam que em torno de 86% dos japoneses adultos seguem uma combinação de Xintoísmo e Budismo, que colocaria o número de adeptos do Xintoísmo em 107 milhões.[3]

O Xintoísmo se preocupa com o ritual, ao invés do dogma e, assim, o povo japonês não o considera como uma religião e sim um aspecto da vida japonesa. É por essa razão que o Xintoísmo tem existido facilmente com o Budismo por séculos. Não existem esforços missionários no Xintoísmo, raramente é praticado fora do Japão e não há livro ou manual. O Xintoísmo e seus rituais são transmitidos de geração a geração.

Também não existe escritura sagrada no Xintoísmo, mas existem livros de mitologia e folclore japoneses, o Kojiki ou "Registro dos assuntos antigos" (712 EC) e o Nihon-gi ou "Crônicas do Japão" (720 EC).[4] De acordo com o Kojiki, acredita-se que os deuses criaram o Japão como a imagem do paraíso na terra e o governante do Japão, o imperador, é um descendente direto da deusa do sol Amaterasu. O conceito japonês de divindade do imperador é muito mal compreendido por aqueles fora do Japão. Nem o imperador, nem a maioria de seu povo jamais pensou que o imperador fosse Deus no sentido de ser um ser supremo sobrenatural. Entretanto, no passado os mitos levaram alguns japoneses a acreditarem que o Japão e seu povo são especiais e mais merecedores de proteção do que os de etnias diferentes.

O Xintoísmo começou por volta de 500 AEC e era originalmente "uma mistura amorfa de adoração à natureza, cultos da fecundidade, técnicas de adivinhação, adoração a heróis e xamanismo."[5] É politeísta, pois seus adeptos veneram objetos naturais que acreditam conter seres espirituais; incluem montanhas, rios, água, pedras e árvores. Os ancestrais também são reverenciados e adorados. A moralidade e a ética xintoístas são baseadas no que mais beneficia toda a comunidade.[6] "O Xintoísmo enfatiza prática correta, sensibilidade e atitude." Toda vida e natureza humanas são sagradas.

A essência do Xintoísmo, entretanto, é a devoção aos seres espirituais invisíveis chamados Kami. Não são Deus ou deuses, mas espíritos preocupados com o povo japonês. Se são tratados adequadamente com devoção ritual, intervirão nas vidas das pessoas com muitos benefícios, como saúde e sucesso. A maioria dos Kami não têm nome e são chamados de Kami de tal e tal lugar. Entretanto, existem três tipos de Kami que têm importância particular.  O primeiro deles são os Ujigami, os ancestrais; os humanos se tornam Kami depois da morte e são reverenciados por suas famílias como Kami ancestrais.[7] O segundo tipo são os Kami de objetos naturais e as forças da natureza, e o terceiro tipo são as almas de pessoas mortas particularmente devotas. Toda a humanidade é considerada como filhos de Kami e os crentes reverenciam os "musuhi", os poderes criativos e harmonizantes do Kami, e aspiram ter makoto, ou sinceridade.[8] Entretanto, nem todos os Kami são bons. Aparentemente, alguns podem ser muito maus.

Os textos primitivos falam brevemente sobre a "planície do paraíso" e uma "terra escura", a terra impura dos mortos, mas fazem pouca menção da vida após a morte porque o Xintoísmo é totalmente devotado à vida nesse mundo e enfatiza a bondade essencial da humanidade. Aparentemente o Kami mau entra no mundo externamente e afeta a humanidade com coisas como doenças e decadência. Quando as pessoas agem de maneira errada, permitem a poluição e o mal no mundo, obstruindo o fluxo de energia boa. Consequentemente, o propósito da maioria dos rituais xintoístas é manter afastados os maus espíritos pela purificação, orações e oferendas aos Kami.

A introdução do Budismo no Japão no século sexto EC não provocou o abandono do Xintoísmo. Ao invés disso, ambas as religiões se expandiram e figuras budistas adotaram identidades xintoístas complementares. Assim, os novos convertidos ao Budismo não eram obrigados a abandonar suas crenças tradicionais. No Japão, os locais xintoístas de adoração são chamados de santuários, enquanto que os locais budistas são chamados de templos.  Os Kami moram nos santuários e cada aldeia, cidade ou distrito tem seu próprio santuário. É raro os santuários terem estátuas, mas se existirem não são adoradas. Representam certos animais, como a raposa ou cavalo, que servem o Kami. A adoração xintoísta é altamente ritualizada e pode ocorrer nos santuários ou nas casas.

Muitos lares japoneses contêm um local reservado como santuário, chamado Kami-dana. É aqui que são feitas as oferendas de flores ou alimentos e orações. O Kami-dana é uma prateleira que geralmente contém uma réplica muito pequena do santuário local. Também pode incluir amuletos para assegurar boa sorte ou absorver azar e um espelho que conecta a prateleira ao Kami.

O Xintoísmo permeia a vida japonesa em todos os níveis. A cultura japonesa inclui arquitetura e formas antigas de arte xintoístas como o teatro Noh, caligrafia japonesa e gagaku. Também inclui música e dança antigas que se originaram nas cortes da China Tang (618 - 907). Em todo o Japão, um grande número de cerimônias de casamento é realizado no estilo xintoísta. A morte, entretanto, é considerada uma fonte de impureza e, assim, não existem cemitérios xintoístas e a maioria dos funerais são feitos no estilo budista.[9]

Na parte dois compararemos o Kami com seres espirituais do Islã, os jinns (gênios). Veremos de perto os festivais e rituais e discutiremos o fato de que os seguidores do Xintoísmo estão presos à superstição ritual, que geralmente é associada com as religiões politeístas.



Notas de rodapé:

[1] (wordnetweb.princeton.edu/perl/webwn)

[2] (http://www.bbc.co.uk/religion/religions/shinto/ataglance/glance.shtml)

[3] (http://www.religioustolerance.org/shinto.htm)

[4] (http://www.beliefnet.com/Faiths/Shinto/index.aspx)

[5] (http://www.shinreikyo.or.jp)

[6] (http://www.trincoll.edu/)

[7] (http://www.japan-guide.com/e/e2056.html)

[8] (http://www.religioustolerance.org/shinto.htm)

[9] (http://www.japan-guide.com/e/e2056.html)

 

 

Xintoísmo (parte 2 de 2): Um exemplo de politeísmo

Classificação:
Tamanho da fonte:

Descrição: Um olhar nas crenças e rituais no Xintoísmo que o marcam como uma religião de politeísmo puro.

  • Por Aisha Stacey (© 2016 IslamReligion.com)
  • Publicado em 12 Sep 2016
  • Última modificação em 12 Sep 2016
  • Impresso: 12
  • Visualizado: 8338 (média diária: 4)
  • Classificação: sem comentários
  • Classificado por: 0
  • Enviado por email: 0
  • Comentado em: 0

Shinto2.jpgA religião xintoísta pode ser descrita como muito localizada.  Os adeptos estão preocupados com a adoração, no santuário local ou em suas casas.  É uma religião muito ritualizada que enfatiza a bondade essencial da humanidade.  Embora o Xintoísmo ensine e exija padrões morais e éticos elevados, não têm mandamentos ou leis nesse sentido.  Não há Ser Supremo ou Deus e Xintoísmo não tem fundador.  Basicamente o Xintoísmo consiste em crer e adorar o Kami.  Para facilitar o entendimento, os Kami são geralmente descritos como seres divinos. Entretanto, não são como os deuses e semideuses de outras crenças. 

Os Kami não são onipotentes, não existem em outro universo ou plano espiritual e não são seres perfeitos.  Cometem erros, se comportam mal e, em certas ocasiões, são muito maus.  Os Kami têm muitas qualidades em comum com os seres humanos e é dever deles proteger os seres humanos.  Em troca os seres humanos devem cuidar dos Kami e por isso a adoração e oferendas rituais feitas ao Kami em santuários e santuários domésticos em todo o Japão.  A palavra Kami pode ser traduzida como espíritos ou seres espirituais, mas também se refere à essência da existência encontrada em tudo.

O Kami é o elemento sagrado ou místico em quase tudo.  Está em tudo e é encontrado em todos os lugares e é o que faz um objeto em si, ao invés de outra coisa.  A palavra Kami significa o que está oculto.  No Islã também temos criaturas que geralmente são descritas como espíritos e são chamadas de jinn (gênios).  A palavra árabe Jinn vem do verbo "janna" e significa ocultar ou esconder.  Explicam o fenômeno estranho que afeta e frequentemente assedia os seres humanos.  As pessoas não estão cientes da realidade dos jinns e geralmente não são capazes de explicar esses eventos ou os atribuem às almas dos mortos.

Os jinns são uma criação de Deus, sem atributos divinos.  Vivem no mundo conosco, mas separados de nós, e são capazes de ser bons ou maus.  Entretanto, no Islã a grande maioria dos jinns são maus e têm sido responsáveis por tentar e levar muitas pessoas ao grande pecado do politeísmo.  São feitas oferendas aos Kami na esperança de agradá-los e encorajá-los a proteger e intervir nas vidas da humanidade.  No Islã essa adoração aos jinns seria considerada um pecado muito grande e, possivelmente, resultaria no inferno eterno.    No Islã somos ensinados a evitarmos os jinns e aprendemos maneiras de nos protegermos de sua malícia e maldade.

O Islã também afirma categoricamente que nada é merecedor de adoração, além de Deus.  Embora a ênfase no comportamento bom e virtuoso encontrada no Xintoísmo seja louvável ela é, entretanto, desperdiçada por algo que os muçulmanos consideram totalmente inaceitável.  No Islã somente Deus dirige os assuntos da humanidade.  Não importa quantas oferendas sejam feitas perante um santuário ou altar, o destino decretado por Deus não muda.  Engajar-se nesse tipo de comportamento não tem nenhum propósito, além do de atrelar uma pessoa à superstição e medo.

Ao fazer suas oferendas os seguidores do Xintoísmo engajam em rituais de purificação.  Os agentes usados nos rituais realizados no início de qualquer cerimônia religiosa são geralmente água e sal.  Shubatsu é um ritual de purificação no qual o sal é salpicado sobre sacerdotes, devotos ou no chão, para purificá-los.  É encontrado um uso notável do sal em purificação na luta de sumô, quando os lutadores salpicam o sal ao redor do ringue para purificá-lo.  Um dos rituais de purificação mais simples é lavar o rosto e as mãos com água pura no início de uma visita ao santuário, para purificar o visitante o suficiente para se aproximar do Kami.  Rituais de pureza também incluem se banhar e ficar embaixo de cachoeiras.

Os festivais xintoístas (masuri) geralmente combinam os rituais solenes com celebrações alegres que às vezes incluem bebedeiras.  Os rituais de purificação e as oferendas são geralmente combinadas com música, dança e louvores e os sacerdotes xintoístas abençoam tudo com um o ramo da árvore sagrada sakaki, mergulhada em água sagrada.  Existe outro ritual xintoísta do tipo xamanista, geralmente em áreas rurais, no qual miko (mulheres xamãs) falam para o Kami ao entrar em um transe.  Nos santuários as cinco oferendas mais tradicionais são arroz, vinho de arroz (saquê), água, sal e ramos de árvores.  São oferecidos em quantidades pequenas e simbólicas, apresentadas em recipientes de cerâmica brancos e, dependendo da região, estação do ano e festival e produção local, também são oferecidos frutas e legumes.  É tradicional oferecer qualquer iguaria ao Kami antes de as pessoas participarem. 

Outro elemento importante dos festivais xintoístas são as procissões, nas quais o Kami do santuário local é carregado pela cidade em um palanquim.  É a única vez do ano em que as estátuas deixam o santuário.  Também existem carroças decoradas nas quais as pessoas se sentam e são puxadas pelas ruas com o acompanhamento de flauta e tambores.  Alguns festivais são calmos, mas muitos são energéticos e barulhentos.  Para muitos que estão de fora essa combinação de ritual e solenidade com vulgaridade parece muito irreverente, mas os seguidores do Xintoísmo acreditam que representa a relação que o Xintoísmo tem com o mundo real. 

Os santuários xintoístas e altares domésticos não contêm somente estátuas e ídolos, mas uma gama de talismãs para manter as pessoas seguras enquanto viajam ou provê-las com boa saúde, sucesso nos negócios, parto seguro, etc.  Talismãs especiais são comprados nos santuários xintoístas para trazer boa sorte e afastar os maus espíritos.  Incluem flechas, pequenos amuletos e placas (ema) que têm um lado branco no qual as pessoas podem escrever um desejo ou pedido.  Na maioria dos santuários xintoístas existe uma parede coberta com ema de madeira que contém os pedidos escritos para o Kami. 

Um muçulmano entende que a adoração no Xintoísmo envolve muitos elementos de shirk[1].  Dar oferendas, manter estátuas e talismãs e acreditar que criaturas, além de Deus, podem afetar nossas vidas, são todos aspectos de politeísmo.  É Deus Quem controla tudo e nada acontece sem Sua Vontade.  Na religião do Islã a crença em um Deus Único, sem parceiros ou associados é essencial. É o ponto central da religião.  É por essa razão que o Islã geralmente é chamado de monoteísmo puro.   Não é adulterado com conceitos estranhos ou superstições, como os rituais que existem no Xintoísmo.  Deus coloca uma pergunta: Não sou o melhor? Pergunta Ele. 

Quem origina a criação e logo reproduz? E quem vos dá o sustento do céu e da terra? Poderá haver outra divindade em parceria com Deus? Dize-lhes: Apresentai as vossas provas, se estiverdes certos. (Alcorão 27: 64)



Notas de rodapé:

[1]Shirk é o pecado de idolatria ou politeísmo.  É a deificação ou adoração de qualquer pessoa ou coisa além do Deus Único.

Partes deste Artigo

Visualizar todas as partes juntas

Adicione um comentário

Mais visualizados

Diariamente
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
Total
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)

Favorito del editor

(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)

Listar Artigos

Desde sua última visita
Esta lista no momento está vazia.
Todos por data
(Leia mais...)
(Leia mais...)

Mais Populares

Melhores classificados
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
Mais enviados por email
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
Mais impressos
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
Mais comentados
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)

Seus Favoritos

Sua lista de favoritos está vazia.  Você pode adicionar artigos a esta lista usando as ferramentas do artigo.

Sua História

Sua história está vazia.

View Desktop Version