El artículo / video que has solicitado no existe todavía.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

Статьи / видео вы запросили еще не существует.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

您所请求的文章/视频尚不存在。

The article/video you have requested doesn't exist yet.

あなたが要求した記事/ビデオはまだ存在していません。

The article/video you have requested doesn't exist yet.

L'articolo / video che hai richiesto non esiste ancora.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

요청한 문서 / 비디오는 아직 존재하지 않습니다.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

המאמר / הסרטון שביקשת אינו קיים עדיין.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

El artículo / video que has solicitado no existe todavía.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

Статьи / видео вы запросили еще не существует.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

您所请求的文章/视频尚不存在。

The article/video you have requested doesn't exist yet.

L'articolo / video che hai richiesto non esiste ancora.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

요청한 문서 / 비디오는 아직 존재하지 않습니다.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

המאמר / הסרטון שביקשת אינו קיים עדיין.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

A mesquita (parte 1 de 2): Mais que um local de oração

Classificação:
Tamanho da fonte:

Descrição: Um breve olhar na história das mesquitas e sua função na história e propagação do Islã.

  • Por Aisha Stacey (© 2017 IslamReligion.com)
  • Publicado em 06 Mar 2017
  • Última modificação em 07 Jul 2019
  • Impresso: 9
  • Visualizado: 4735 (média diária: 5)
  • Classificação: sem comentários
  • Classificado por: 0
  • Enviado por email: 0
  • Comentado em: 0

Mosque01.jpgA mesquita ou edificação que os muçulmanos se referem como a masjid é uma visão familiar em muitas partes do mundo.  Não importa que país ou época, a mesquita é sempre reconhecida por sua arquitetura única e ambientação nobre.  Além disso, devido à natureza arrebatadora da globalização a maioria das pessoas sabe que a mesquita é uma casa de adoração, o local onde o muçulmano crente oferece oração.  Mas a mesquita é muito mais que isso.  Desde o começo sempre atendeu a muitas necessidades e, se Deus quiser, continuará a fazê-lo até o fim dos tempos.

Um orientalista e cristão evangélico forte, o administrador colonial escocês Sir William Muir (1819 1905 CE) foi o principal erudito sobre o Islã do Ocidente por muitos anos, apesar do fato de ser negativo e crítico do Islã.  Entretanto, em seu livro, publicado em 1852, A Vida de Maomé, descreveu o papel da mesquita na sociedade muçulmana de maneira muito brilhante.  Da descrição, até mesmo para um homem como esse, somos capazes de ver que a mesquita sempre significou mais que um local de oração.

"Embora cru em material e insignificante em dimensões, a mesquita de Muhammad é gloriosa na história do Islã.  Aqui, o profeta e seus companheiros passavam a maior parte de seu tempo; aqui, o serviço diário, com suas orações recorrentes foi estabelecido publicamente; e, aqui, a grande congregação se reunia toda sexta-feira, ouvindo com reverência e admiração as mensagens do Paraíso.  Aqui o profeta planejou suas vitórias, recebeu embaixadas de tribos conquistadas e contritas e emitiu éditos..."[1]

 Em 622 EC, imediatamente após a imigração de Meca para Medina, os muçulmanos construíram a "mesquita da profeta" e o próprio profeta participou em sua construção.   A partir daquele momento a mesquita se tornou um ponto focal de qualquer cidade islâmica.   Tornou-se um local de adoração, um local de encontro, um instituto educacional, um local de atividades sociais e de descanso.  A mesquita se torna o centro de vida ritual, social, política e cultural.  Entretanto, existe uma função que a mesquita não cumpre - é proibido engajar em negócios e transações comerciais dentro dos confins da mesquita.

Embora negócios não pudessem ser conduzidos na mesquita, pequenas cidades e aldeias com mercados e comerciantes frequentemente eram construídos ao redor da mesquita.  Isso era devido à mesquita ser o centro da vida cotidiana.  As orações eram conduzidas cinco vezes ao dia e as pessoas do local ouviam as últimas notícias por meio dos sermões e grupos que se reuniam dentro e fora da mesquita. 

Ao longo da história do Islã a mesquita desempenhou um papel de destaque na propagação do Islã e na educação dos muçulmanos.  Em todos os lugares que o Islã se estabeleceu, foram estabelecidas mesquitas e começou a educação básica.  As mesquitas ensinaram às pessoas, (homens, mulheres, meninos e meninas) não apenas a recitar o Alcorão e compreender as normas islâmicas, mas a ler, escrever, formar opiniões e debater.  A educação por meio das mesquitas segue a tradição estabelecida pelo profeta Muhammad.  A mesquita do profeta era uma escola e hostel para os pobres e viajantes.

"Dificilmente em outra cultura a vida literária desempenhou o papel que teve no Islã.  O conhecimento (ilm), que significa todo o mundo do intelecto, engajou o interesse dos muçulmanos mais que qualquer outra coisa... A vida que evoluiu nas mesquitas se difundiu para fora, para colocar sua marca em círculos influentes em todos os lugares."[2]

Em 859 EC foi estabelecida uma universidade na mesquita de Qarawiyin, na cidade de Fez, Marrocos.  É considerada por muitos a universidade mais antiga no mundo.  Havia três bibliotecas separadas contendo livros sobre assuntos como religião, ciência, intelecto e idiomas.  A mesquita conduzia aulas em vários assuntos incluindo gramática, retórica, lógica, matemática, astronomia e, muito possivelmente, história, geografia e química.[3]

As mesquitas não eram só locais perfeitos para educação, mas também alojavam o sistema judicial islâmico.  Juízes e juristas atendiam as necessidades legais diárias da comunidade e também emitiam opiniões legais e realizavam pesquisas.  Devido à pouquíssima burocracia, o sistema judicial era eficiente e a maioria dos requerentes e réus se representavam.  A interpretação legal era deixada para o juiz, que se empenhava para tomar decisões baseadas no Alcorão e na Sunnah autêntica.   Mais uma vez a mesquita al-Qarawiyin do Marrocos é um exemplo perfeito de uma mesquita como o centro da vida e conhecimento, e o mesmo acontece com a mesquita de Al-Azhar do Egito, que continua até hoje a exercer uma influência na vida cotidiana dos egípcios.

Em muitos lugares no mundo muçulmano em rápida expansão a mesquita se tornou a fonte de água.  O Islã exige que os crentes realizem lavagem ritual antes da oração e, assim, o pátio da mesquita tradicionalmente continha fontes de água.  O efeito decorativo da água se tornou central na arquitetura islâmica e lagos e fontes decorativos podem ser encontrados em todo o mundo islâmico e Andaluzia.  A mesquita sultão Ahmed em Istambul, na Turquia, e a mesquita de Córdoba na Espanha contêm exemplos esplêndidos de efeito decorativo de água.  Poços e fontes em mesquitas limpam o corpo e refrescam o ar e no passado supriram água para a comunidade local.

A mesquita é o alicerce da comunidade muçulmana.  Eram usadas raramente como locais exclusivos para oração, mas serviam como centros comunitários.   As pessoas iam para a mesquita para educação religiosa e secular, para acertar disputas e visitar a biblioteca.  Iam para a mesquita para orar e descansar em jardins e prédios seguros e silenciosos.  As mesquitas eram locais de descanso para os pobres e destituídos.  As mesquitas tradicionalmente distribuíam alimentos e roupas para os necessitados.  Ensinaram gerações incontáveis como ler e memorizar o Alcorão e outras ciências islâmicas.  A mesquita era o local de encontro e a fonte de notícias em tempos de problema e conflito.  Em resumo, a mesquita era o centro da sociedade muçulmana.

As mesquitas ainda realizam essas funções? Qual é o papel da mesquita no século 21?  Responderemos a essas perguntas e mais na parte 2.



Notas de rodapé:

[1] The life of Mahomet from original sources edição condensada.  1878, 624 pp. Londres: Smith, Elder, & Co.  P177

[2] J Pedersen: The Arabic Book, Tr.  Geoffrey French, Princeton University Press; Princeton, Nova Jersey, 1984.

[3] http://www.muslimheritage.com/article/education-islam-role-mosque

Partes deste Artigo

Visualizar todas as partes juntas

Adicione um comentário

Outros Artigos na Mesma Categoria

Mais visualizados

DAILY
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
TOTAL
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)

Favorito del editor

Listar Artigos

Desde sua última visita
Esta lista no momento está vazia.
Todos por data
(Leia mais...)
(Leia mais...)

Mais Populares

Melhores classificados
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
Mais enviados por email
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
Mais impressos
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
Mais comentados
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)

Seus Favoritos

Sua lista de favoritos está vazia.  Você pode adicionar artigos a esta lista usando as ferramentas do artigo.

Sua História

Sua história está vazia.

View Desktop Version