L'articolo / video che hai richiesto non esiste ancora.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

요청한 문서 / 비디오는 아직 존재하지 않습니다.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

המאמר / הסרטון שביקשת אינו קיים עדיין.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

L'articolo / video che hai richiesto non esiste ancora.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

요청한 문서 / 비디오는 아직 존재하지 않습니다.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

המאמר / הסרטון שביקשת אינו קיים עדיין.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

C.S. Mathos, Ex-Ateu, EUA

Classificação:
Tamanho da fonte:

Descrição: Essa é a jornada de um menino de 14 anos que abraçou o Islã através de IslamReligion.com

  • Por C.S. Mathos
  • Publicado em 09 Jul 2012
  • Última modificação em 09 Jul 2012
  • Impresso: 188
  • Visualizado: 3044 (média diária: 1)
  • Classificação: sem comentários
  • Classificado por: 0
  • Enviado por email: 0
  • Comentado em: 0

Sou C.S. Mathos.  Nasci em uma família secular em 1 de agosto de 1992, na Pensilvânia.  Minha mãe foi cristã e quando criança ia a uma igreja Quaker.  Em um acampamento da igreja foi literalmente afastada de sua religião devido a um pastor que pregava o Armagedom o tempo todo.  Ela permaneceu secular pelo resto de sua vida, realmente.  Era mais agnóstica, não realmente ateia como eu era.  Eu era surpreendentemente lógico quando criança e ponderei que era impossível que um deus existisse.  Não me preocupava com religião na época.  Tinha uma obsessão com dinossauros e queria aprender cada vez mais sobre eles.  Lembro que o T-rex pesava 7 toneladas, de um tricerátopos herbívoro que protegia sua cria formando um círculo e combatendo os predadores e de um veloceraptor, capaz de correr a 120 km/hora. 

Obviamente era ridicularizado quando meu amor pela paleontologia não se abatia.  Diminuiu (de certa forma) quando me interessei por dragões e similares.  Os insultos não me afetavam muito porque estava sempre em uma "concha emocional", mantendo na minha cabeça as coisas que realmente queria dizer.  Quando falava era honesto, de fala suave e não tinha muito a dizer, porque não confiava nas pessoas e gostava mais da minha imaginação do que do mundo real.  Mesmo quando os ataques de 9 de setembro aconteceram, não falei muito e não reagi.  Não me assustei nem um pouco; pensei que a palavra "muçulmano" fosse um termo para um grupo étnico e só me preocupei com a guerra do Iraque quando pessoas inocentes foram estupradas naquele escândalo da prisão de Abu Ghraib.  Mesmo então superei e fiquei incomodado quando apareceu repetidamente no noticiário.  Quando saí da minha concha (na 5ª série), brigava com as pessoas sobre religião e política.  Acreditava que havia hipocrisias no Cristianismo, que era a única religião que lembrava naquela época.

Quando cheguei aos 13 anos recebia insultos e os levava a sério.   Estava deprimido, minhas notas eram apenas aceitáveis e naquela época não estava interessado em nada.  Decidi que precisava de uma religião.  Não procurei por uma. Apenas acreditava que havia um Deus e, por causa de minha amargura, O culpava por meus problemas.  Passei a prestar muito mais atenção em política, esqueci a religião e comecei a ler livros sobre Hitler e a 2ª Guerra.   Estava muito interessado na 2ª Guerra, no Nazismo e, cada vez mais, em Comunismo.  Toda a minha vida disseram-me que o comunismo era uma ideologia fracassada, mas queria aprender o outro lado do argumento: o lado dos comunistas.  Peguei o Manifesto Comunista, li artigos Wiki, pesquisei materiais do Partido Comunista e me juntei ao movimento Marxista.  Vi-me de fato lutando por algo; uma sociedade verdadeiramente livre e justa, igualitária e unida.

Ocupei-me com o movimento e associei-me a um grupo.  Não dou o nome.  Contava às pessoas que era um comunista somente quando perguntavam.  Não imaginam o quanto alguém pode ser ridicularizado por ser comunista.  Não quero falar sobre isso.  É muito deprimente.  Cai no choro na mesa do jantar por causa dos tormentos provocados por meus colegas de classe.  Só precisava de uma religião.  Tentei o Cristianismo, mas saí rapidamente.  Muitas contradições, sectarismo e hipocrisia.

Procurei muito, em todo lugar, do Cristianismo à mitologia grega.  Decidi finalmente pesquisar o Islã, levando em conta os preconceitos da guerra e a possibilidade de que podia de fato ser morto por alguém por ser seguidor dessa religião.  Desisti de tudo o mais e disse a mim mesmo: "A última coisa que deve pensar é o Islã.  Apenas pegue um Alcorão e leia-o.  Pode ser o que está procurando." Comprei o Alcorão de um website e o recebi pelo correio 5 dias depois.  Era verde escuro, tão escuro que pensei que fosse preto, com uma bela encadernação em couro e impressões douradas.  Comecei a lê-lo e logo vi que não tinha nada a ver com o que era retratado na TV.  Vi que havia somente um Deus e não ninguém mais para adorar além Dele.  Vi isso e quis ingressar na religião. 

Pesquisei na internet sobre como orar e encontrei o site www.islamreligion.com. Vi "Como se converter ao Islã e se tornar muçulmano" no menu.  Decidi que aprender a orar era para depois e que precisava da conversão.  Precisava submeter-me a Deus.  AGORA.  Encontrei a Shahada e a escrevi.  Então fiz a Shahada e tornei-me muçulmano.  Assim que o fiz, a dor em meu coração foi aliviada e senti-me verdadeiramente feliz.  Deus tem sido bom para mim e tento orar para Ele 5 vezes ao dia.  Entretanto, devido às circunstâncias dos preconceitos da guerra, intolerância e sectarismo das outras pessoas, tenho que praticar minha religião em segredo.  Oro a Deus de manhã, ao meio-dia, por do sol, à noite e entre 11 da noite e meia-noite.  Quando posso dirigir, vou à mesquita mais próxima todas as sextas.  Minha mãe não sabe que sou muçulmano.  Contarei a ela quando estiver pronto ou for adulto e morar em outro lugar ou estiver na universidade.  Oro para que Deus me mantenha afastado da descrença e me ajude a tornar-me o melhor muçulmano que puder, enquanto pratico em segredo.  Se minha mãe estiver lendo isso, tente entender minha religião antes de fazer julgamentos.  Deixe-me praticar minha religião em paz, sem suas ironias e piadas, que são dolorosas.  Estou praticando o Islã por uma semana, acho.  Perdi a noção do tempo.

Aos não muçulmanos que estão lendo isso, sugiro que leiam o Alcorão e se tornem muçulmanos.  Que a paz e as bênçãos de Deus estejam sobre vocês.

Adicione um comentário

Outros Artigos na Mesma Categoria

Mais visualizados

DAILY
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
TOTAL
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)

Favorito del editor

Listar Artigos

Desde sua última visita
Esta lista no momento está vazia.
Todos por data
(Leia mais...)
(Leia mais...)

Mais Populares

Melhores classificados
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
Mais enviados por email
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
Mais impressos
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
Mais comentados
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)

Seus Favoritos

Sua lista de favoritos está vazia.  Você pode adicionar artigos a esta lista usando as ferramentas do artigo.

Sua História

Sua história está vazia.

View Desktop Version