El artículo / video que has solicitado no existe todavía.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

L'article / vidéo que vous avez demandée ne existe pas encore.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

Статьи / видео вы запросили еще не существует.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

您所请求的文章/视频尚不存在。

The article/video you have requested doesn't exist yet.

あなたが要求した記事/ビデオはまだ存在していません。

The article/video you have requested doesn't exist yet.

L'articolo / video che hai richiesto non esiste ancora.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

आपके द्वारा अनुरोधित लेख/वीडियो अभी तक मौजूद नहीं है।

The article/video you have requested doesn't exist yet.

Makala/video uliyoomba bado haipo.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

요청한 문서 / 비디오는 아직 존재하지 않습니다.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

המאמר / הסרטון שביקשת אינו קיים עדיין.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

El artículo / video que has solicitado no existe todavía.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

L'article / vidéo que vous avez demandée ne existe pas encore.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

Статьи / видео вы запросили еще не существует.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

您所请求的文章/视频尚不存在。

The article/video you have requested doesn't exist yet.

L'articolo / video che hai richiesto non esiste ancora.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

आपके द्वारा अनुरोधित लेख/वीडियो अभी तक मौजूद नहीं है।

The article/video you have requested doesn't exist yet.

Makala/video uliyoomba bado haipo.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

요청한 문서 / 비디오는 아직 존재하지 않습니다.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

המאמר / הסרטון שביקשת אינו קיים עדיין.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

Zoroastrismo (parte 1 de 2): Adoradores do fogo ou monoteístas?

Classificação:
Tamanho da fonte:

Descrição: Quem é Zoroastro e no que seus seguidores acreditam?

  • Por Aisha Stacey (© 2015 IslamReligion.com)
  • Publicado em 05 Oct 2015
  • Última modificação em 05 Oct 2015
  • Impresso: 11
  • Visualizado: 11448 (média diária: 5)
  • Classificação: sem comentários
  • Classificado por: 0
  • Enviado por email: 0
  • Comentado em: 0

Zoroastrianism-1.jpgO Zoroastrismo é definido pelo dicionário online Merriam Webster[1] como uma religião persa fundada no século seis AEC pelo profeta Zoroastro, promulgada no Avesta e caracterizada pela adoração de um deus supremo, Ahura Mazda, que requer boas ações para ajudar em sua batalha cósmica contra o espírito mal Ahriman.  Essa é uma definição muito limitada que na verdade nos diz muito pouco sobre o Zoroastrismo ou Zoroastro (também conhecido como Zaratustra).  Façamos uma viagem à religião do Zoroastrismo, descobrindo do que se trata e como se compara à religião do Islã.

Aproximadamente do século 6 AEC até o século 7 EC o Zoroastrismo foi a religião do Império Persa. Entretanto, hoje em dia acredita-se que o número de adeptos seja inferior a 200.000.  A maioria dos zoroastrianos vive na cidade de Mumbai, na Índia, ou próximo a ela, depois de uma migração em massa no século 10 EC.  Acredita-se que o número de zoroastrianos no atual Irã (anteriormente parte do império Persa) seja inferior a 18.000, a maioria vivendo em Teerã, Yazd e Kernan.

O número de zoroastrianos (parsis) na Índia está declinando em aproximadamente 10% por década.  O site canadense Religious Tolerance acredita que seja devido a mobilidade e adaptabilidade zoroastrianas.  "Eles se assimilam e se casam com pessoas de outras culturas, virtualmente desaparecendo em suas culturas adotadas."[2]

Acredita-se que o Zoroastrismo é conceitualmente e historicamente associado com outras religiões indianas predominantes, como o Hinduísmo, o Jainismo, o Budismo e o Sikhismo.  Em aproximadamente 225 EC o Império sassânida Persa unificou o Zoroastrismo e estabeleceu regras sobre o que era ou não era a religião.  Um alto sacerdote recebeu autoridade só superada pela do próprio imperador e o Zoroastrismo se tornou a religião do estado.  Nessa época conversões eram feitas para combater o zelo missionário cristão na área.[3]

Quem foi Zoroastro?

Zoroastro também é conhecido como Zaratustra, da palavra grega que significa luz.  Os acadêmicos diferem em relação ao seu nascimento.  As estimativas variam de 6350 AEC a 600 AEC e também há discordância significativa em relação ao seu local de nascimento.  As sugestões são tão diversas quanto Irã oriental, Azerbaijão (ao sul do mar Cáspio), Balkh (a capital da Báctria, no atual Afeganistão), Corásmia e Sogdiana no Tajiquistão ou próximo ao mar Aral no Cazaquistão.

Zoroastro nasceu dentro dos limites das fronteiras do Império Persa e seu nome de família era Spitama.  Pregava uma mensagem de batalha cósmica entre Ahura Mazda, o deus da Luz e Ahriman, o príncipe do mal.  Zoroastro ensinava que o fim do mundo viria quando as forças da luz triunfassem e que as almas salvas rejubilariam em sua vitória.[4]

No que os zoroastrianos acreditam?

Zoroastro pregava que só existe um Deus.  Ele é, de acordo com os ensinamentos de Zoroastro, o criador do céu e da terra.  É a fonte de alternância de luz e escuridão, o legislador soberano, originador da ordem moral e juiz de todo o mundo. 

O dualismo do Zoroastrismo é cósmico e moral.  Há a batalha espiritual contínua entre bem e mal, Ahura Mazda versus Arihman, e a batalha moral da mente entre os virtuosos e os pecadores.  O Zoroastrismo vê o mundo como tendo sido criado por Ahura Mazda, mas destinado a evoluir de acordo com a lei ou plano divino, conhecido como Asha.  Asha é o princípio de retidão ou "exatidão" pelo qual todas as coisas são exatamente como devem ser.

Em sua oração mais básica, repetida todos os dias, os zoroastrianos afirmam essa lei de Asha.  Por meio da lei de Asha, os zoroastrianos são guiados por três princípios fundamentais: Humata - bons pensamentos, a intenção ou resolução moral de seguir Asha, a ordem correta das coisas.  Hukhata - boas palavras, a comunicação daquela intenção.  Havarashta - boas ações, a concretização em ações daquela intenção.

Os zoroastrianos acreditam em uma vida após a morte, acreditam que a alma humana é julgada por Deus (Ahura Mazda), e que os que escolherem o bem nessa vida terrena irão para a existência melhor, enquanto aqueles que escolheram o mal vão para a existência pior - paraíso ou inferno. 

O fogo de fato desempenha um papel simbólico central nas cerimônias religiosas.  É o símbolo de Ahura Mazda, junto com o sol, estrelas e luz e também é uma representação física de uma mente iluminada.  Os zoroastrianos fazem sua adoração em lugares conhecidos como templos do fogo e é lá que uma flama eterna é mantida com óleos de sândalo e franquincenso.

As escrituras zoroastrianas são chamadas de Avesta e são escritas em uma língua antiga, o avestão, que é próximo ao sânscrito dos hinos vedas antigos dos hindus. 

Até agora pudemos ver que o Zoroastrismo contém uma mistura de crenças, de um lado abraçando algo do monoteísmo do Islã e o dualismo do Cristianismo e que o conceito zoroastriano de paraíso e inferno contém elementos morais em comum com o Judaísmo, o Cristianismo e o Islã.  Na parte 2 discutiremos se os zoroastrianos são ou não os magianos mencionados no Alcorão. Por conta de seu uso simbólico do sol e estrelas, teriam eles algum elo com os sabeus ou a religião dos ancestrais do profeta Abraão?  Também examinaremos mais de perto se os conceitos islâmicos são ou não inerentes no Zoroastrismo.



Notas de rodapé:

[1] www.merriam-webster.com/dictionary/zoroastrianism

[2] (http://www.religioustolerance.org/zoroastr3.htm)

[3] (www.theosophical.org/publications/quest-magazine/1231)

[4] (http://www.hyperhistory.com/online_n2/people_n2/persons1_n2/zoroaster.html)

 

 

Zoroastrismo (parte 2 de 2): Monoteísmo - a religião original

Classificação:
Tamanho da fonte:

Descrição: Os masdeístas praticavam uma forma primitiva de monoteísmo.  Os masdeístas são zoroastrianos.

  • Por Aisha Stacey (© 2015 IslamReligion.com)
  • Publicado em 05 Oct 2015
  • Última modificação em 05 Oct 2015
  • Impresso: 11
  • Visualizado: 9199 (média diária: 4)
  • Classificação: sem comentários
  • Classificado por: 0
  • Enviado por email: 0
  • Comentado em: 0

Zoroastrianism-2.jpgComo muçulmanos acreditamos que todas as pessoas nascem com a inclinação natural para adorar a Deus; Um Deus, não uma pletora de deuses e semideuses.  Portanto, faz todo sentido que no mundo antigo, incluindo no Império Persa, existissem pessoas que adoravam o Deus Único. O Islã completa e purifica esse monoteísmo.

Diz-se que Zoroastro era virtuoso, nobre e compassivo.  Pregava que uma vida moral pavimentava o caminho para bênção eterna.  Encorajava seus seguidores a amar os virtuosos e ter compaixão pelos angustiados.

Como o Islã, o Zoroastrismo não discrimina entre homens e mulheres e ambos os sexos são tratados igualmente nos textos religiosos. Não há tratamento preferencial em relação aos filhos homens e os filhos devem honrar pai e mãe igualmente.   

O que exatamente o Alcorão tem a dizer sobre essas religiões monoteístas que pré-datam o Islã que conhecemos hoje? Quem são as pessoas mencionadas junto com judeus e cristãos?

"Quanto aos crentes, judeus, sabeus, cristão, masdeístas ou idólatras, certamente Deus os julgará a todos no Dia da Ressurreição, porque Deus é Testemunha de todas as coisas." (Alcorão 22:17)

Zoroastro tinha uma grande reputação como sábio e médico. Estabeleceu muitos templos do fogo e suprimiu a adoração de demônios e o uso de mágica, bruxaria e feitiçaria.[1] Os zoroastrianos eram de fato pessoas mencionadas no Alcorão como masdeístas.

Embora os antigos gregos vissem Zoroastro como o fundador da religião dos persas, embelezaram a história dele a um ponto de criarem uma existência nova e moderna para Zoroastro.  Foi colocado em um passado antigo impossível, algo como 6 ou 7 milênios antes da Era Comum e invariavelmente era descrito como um rei ou um sábio.  Zoroastro começou a ser retratado não apenas como feiticeiro e astrólogo, mas também como inventor de mágica.  O amor grego pela sabedoria exótica e a evolução da palavra mago, de sábio a praticante de mágica, foram combinadas para definir Zoroastro de forma incorreta como um mágico e os zoroastrianos como mágicos.

A origem da palavra magi em fontes persas não é clara, mas seu uso nas escrituras zoroastrianas parece se referir a um membro de uma tribo ou grupo, possivelmente levando à palavra masdeísta como denotando os zoroastrianos.  Na literatura cristã os três homens que viajam do Oriente para encontrar o Jesus recém-nascido são referidos como magi ou homens sábios. 

A origem e significado da palavra sabeu (mencionada no Alcorão com a palavra masdeísta) também é envolvida em mistério. Entretanto, podemos estar certos que masdeístas e sabeus eram dois grupos religiosos distintos e diferentes.

Os sabeus originais não adoravam os anjos ou as estrelas, mas diz-se que seguiam os ensinamentos do profeta Abraão. Em resumo, suas crenças e monoteísmo eram semelhantes aos dos judeus, mas vieram antes dos judeus possivelmente desde o tempo do profeta Noé.  Os sabeus são algumas vezes chamados de o povo do profeta Abraão, assim como os judeus são chamados de o povo do profeta Moisés[2].   Todos os quatro grupos religiosos mencionados no Alcorão, judeus, sabeus, cristãos e masdeístas, praticavam formas de monoteísmo, algumas vezes adulteradas e, portanto, nem sempre o monoteísmo puro do Islã.

Assim, em conclusão, descobrimos que os zoroastrianos nunca foram adoradores do fogo, mágicos, feiticeiros ou astrólogos.   Em uma época o Zoroastrismo dominou uma área que ia do que é hoje Roma e Grécia até Índia e Rússia.[3] Seus números caíram quando o Império Persa foi conquistado no século 7 EC. 

Os zoroastrianos não pregam sua religião. De fato, muitos zoroastrianos modernos afirmam que a conversão à religião deles é impossível.   Embora existam sacerdotes, não há hierarquia e intermediários entre as pessoas e Deus.  A doutrina básica do Zoroastrismo gira em torno de bons pensamentos, boas palavras e boas ações.[4]



Notas de rodapé:

[1] http://www.dlshq.org/saints/zoroaster.htm

[2] Ibnul Qayyim in Ahkaam Ahl al-Dhimmah, 1/92-98

[3] (http://select.nytimes.com/search/restricted/article?res=F40E16FB3D550C758CDDA00894DE404482)

[4] http://www.nytimes.com/2006/09/06/world/americas/06iht-faith.2713551.html?pagewanted=all

Partes deste Artigo

Visualizar todas as partes juntas

Adicione um comentário

Mais visualizados

Diariamente
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
Total
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)

Favorito del editor

(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)

Listar Artigos

Desde sua última visita
Esta lista no momento está vazia.
Todos por data
(Leia mais...)
(Leia mais...)

Mais Populares

Melhores classificados
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
Mais enviados por email
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
Mais impressos
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
Mais comentados
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)

Seus Favoritos

Sua lista de favoritos está vazia.  Você pode adicionar artigos a esta lista usando as ferramentas do artigo.

Sua História

Sua história está vazia.

View Desktop Version