您所请求的文章/视频尚不存在。

The article/video you have requested doesn't exist yet.

あなたが要求した記事/ビデオはまだ存在していません。

The article/video you have requested doesn't exist yet.

L'articolo / video che hai richiesto non esiste ancora.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

요청한 문서 / 비디오는 아직 존재하지 않습니다.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

המאמר / הסרטון שביקשת אינו קיים עדיין.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

您所请求的文章/视频尚不存在。

The article/video you have requested doesn't exist yet.

L'articolo / video che hai richiesto non esiste ancora.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

요청한 문서 / 비디오는 아직 존재하지 않습니다.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

המאמר / הסרטון שביקשת אינו קיים עדיין.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

Físicos Contemporâneos e a Existência de Deus (parte 2 de 3): Uma Série de Causas

Classificação:
Tamanho da fonte:

Descrição: Uma Avaliação Islâmica Crítica das Idéias de Alguns Físicos Contemporâneos.  Parte dois: Várias hipóteses do que poderia ser a causa de seres ou eventos.

  • Por Dr. Jaafar Sheikh Idris
  • Publicado em 09 Mar 2009
  • Última modificação em 18 Mar 2009
  • Impresso: 365
  • Visualizado: 11610 (média diária: 3)
  • Classificação: sem comentários
  • Classificado por: 0
  • Enviado por email: 0
  • Comentado em: 0

Se a matéria, tempo e espaço tiveram todos um começo, a pergunta que naturalmente nos vem à mente é: Como vieram a existir?  O Alcorão nos diz que se uma pessoa não acredita em Deus, então ela não pode explicar a existência de nada exceto através de uma das três explicações insustentáveis:

a.     Ela diz que foi criado por nada, ou seja, que simplesmente apareceu do nada.

b.    que criou a si próprio,

c.     Que foi criado por algo que também é criado.

Se dirigindo aos ateus, o Alcorão diz:

“Porventura, não foram eles criados do nada, ou são eles os criadores? Ou criaram, acaso, os céus e a terra? Qual! Não se persuadirão!” (Alcorão 52:35-36)

O Alcorão não está dizendo que os árabes aos quais se dirigiu de fato acreditavam que as coisas foram criadas do nada, ou que se auto-criaram.  Eles certamente não alegaram serem os criadores dos céus e da terra; nenhuma pessoa sã faria isso.  O Alcorão está apenas deixando claro para os ateus o absurdo de sua posição.

Depois de um cuidadoso estudo de alguns dos argumentos de muitos filósofos e cientistas ocidentais ateus, descobri que eles de fato recaem nessas três categorias insustentáveis?  Por que insustentáveis?

Foi criado do nada?

Suponha que você diga a alguém que não havia nada, nada mesmo em certa região e então, uau!, um pato apareceu lépido e fagueiro.  Por que esse alguém não acreditaria em você por mais que lhe assegurasse que esse era de fato o caso?  Não apenas ele sabe que patos não passam a existir dessa forma, como alguns podem supor, mas porque acreditar nisso viola um princípio essencial de sua racionalidade.  Assim, sua atitude seria a mesma ainda que a coisa que lhe foi dita que veio do nada fosse algo que ele nunca tivesse ouvido falar.  É porque acreditamos que nada vem do nada que continuamos buscando por causas para explicar a ocorrência de eventos no mundo natural, social ou psicológico.  É por causa desse princípio racional que a ciência foi possível.  Sem ele, não apenas nossa ciência, mas nossa própria racionalidade estaria em perigo.  Além disso, o princípio da causalidade é essencial até para a própria identidade das coisas, como foi observado pelo filósofo muçulmano Ibn Rushd (Averroes):

É auto-evidente que coisas têm identidades, e têm qualidades devido ao fato de que cada existente tem suas ações, e devido ao fato de que coisas têm diferentes identidades, nomes e definições.  Se não fosse o caso de que cada coisa individual tem uma ação peculiar, ela não teria uma natureza que é peculiar a ela; e se não tivesse uma natureza especial, não teria um nome ou definição especial. (Tahafut Attahafut, 782-3)

Criou a si próprio?

O absurdo da idéia de algo se auto-criar é ainda mais claro.  Para algo criar, já deve existir; mas para ser criado, deve ser não-existente.  A idéia de algo que se auto-cria se contradiz.

Foi criado por algo que também é criado?

Pode a causa de uma coisa temporal ser ela própria temporal?  Sim, se estamos falando sobre causas imediatas e incompletas como comer e nutrir, água e germinação, fogo e queimadura, etc. Mas essas causas são causas incompletas.  Primeiro, porque nenhuma delas é por si suficiente para produzir o efeito que lhe atribuímos; toda causa temporal do tipo depende de um hóspede de outras condições positivas e negativas para sua eficácia.  Segundo, por serem temporais precisam ser causadas, e não podem ser as causas supremas da existência de nada.  Suponha o seguinte como uma série de efeitos e causas temporais: C1, C2, C3, C4… Cn, tal que C1 é causado por C2, C2 por C3, e assim por diante.  Essas causas temporais são causas reais, e úteis, especialmente para propósitos práticos e para explicações incompletas; mas se buscarmos pela causa suprema da existência de, digamos, C1, então C2 certamente não é a causa, uma vez que ele próprio foi causado por C3.  O mesmo pode ser dito sobre C3, e assim por diante.  Então mesmo que tenhamos uma série infinita dessas causas temporais, ainda assim isso não nos dará a explicação definitiva da existência de C1.  Colocando em outras palavras: quando C1 passa a existir?  Somente depois de C2 ter passado a existir.  Quando C2 passa a existir?  Somente depois de C3 ter passado a existir e assim por diante até Cn.  Consequentemente, C1 não passará a existir até que Cn tenha passado a existir.  O mesmo problema persistirá mesmo se formos além de Cn, mesmo se formos até o infinito.  Isso significa que se C1 dependesse para sua existência dessas causas temporais, ele nunca existiria.  Não haveria uma séria de causas reais, mas apenas uma série de não-existentes, como explicou Ibn Taymiyyah[1].  O fato, entretanto, é que há existente ao nosso redor; portanto, sua causa suprema deve ser algo diferente de causas temporais; deve ser uma causa eterna e, portanto, não-causada.

Quando alguém, seja um cientista ou não-cientista, insiste em suas crenças errôneas em face de todas as evidências, não pode haver maneira de ele apoiar essas crenças exceto recorrendo a argumentos dúbios, porque nenhuma falsidade pode ser apoiada por um argumento válido.  Isso pode ser visto com todos os cientistas e filósofos ateus que acreditam na teoria do Big Bang.

Alguns alegaram de forma impassível que a matéria original do universo saiu do nada.  Dessa forma Fred Hoyle, que defendia a teoria do estado permanente, que foi por algum tempo considerada uma rival crível para a teoria do big bang, mas que, como sua rival, necessita da existência de matéria nova – costumava dizer[2]:

A questão mais óbvia a ser feito sobre a criação contínua é essa: de onde vem a matéria criada?  Não vem de lugar nenhum.  O material simplesmente aparece – é criado.  Em um momento os vários átomos que compõem o material não existem, e em um momento posterior existem.  Pode parecer uma idéia muito estranha e concordo que é, mas em ciência não importa o quão estranha uma idéia pode parecer desde que funcione – ou seja, desde que uma idéia possa ser expressa em uma forma precisa e desde que suas consequências estejam de acordo com observação. (Hoyle, 112)

Quando Hoyle disse isso, houve um rebuliço contra ele.  Foi acusado de violar um princípio fundamental da ciência, nominalmente o de que nada sai do nada, e que estava ‘abrindo as comportas da religião’ como um filósofo de ciência colocou.  Mario Bunge disse a esse respeito:

Essa teoria envolve a hipótese da criação contínua da matéria ex-nihilo (do nada).  E isso não é o que geralmente se quer dizer por respeitar o determinismo científico mesmo no seu sentido mais amplo, porque o conceito de emergência do nada é caracteristicamente teológico ou mágico mesmo se vestido em uma forma matemática. (Bunge)

Que a hipótese de criação ex-nihilo não é científica é verdade, mas a alegação de que é caracteristicamente teológica passou dos limites.  Religiões teístas não dizem que as coisas saíram do nada absoluto porque contradiz a reivindicação religiosa básica de que são criadas por Deus.  Tudo que muitas pessoas religiosas dizem é que Deus criou as coisas do nada, e existe uma grande diferença entre as duas noções.

Se a criação do nada era anteriormente considerada pelos ateus como um princípio teológico e não-científico, agora é reivindicada por alguns como tendo uma condição científica e é usada para desacreditar a religião.

Pela primeira vez uma descrição unificada de toda a criação pode estar dentro de nossa compreensão.  Nenhum problema científico é mais fundamental ou mais intimidador do que o quebra-cabeças de como o universo passou a existir.  Isso pode ter acontecido sem qualquer interferência sobrenatural?  A mecânica quântica parece prover uma saída na antiga suposição de que ‘você não pode obter algo do nada’.  Os físicos agora falam sobre ‘o universo auto-criado’: um cosmos que surge para a existência espontaneamente, da mesma forma que uma partícula subnuclear surge de lugar nenhum em certos processos de alta energia.  A questão sobre se os detalhes dessa teoria estão certos ou errados não é importante.  O que importa é que agora é possível conceber uma explicação científica de toda a criação. (Jastrow, viii)

Que tipo de explicação é essa?  Você realmente começa a explicar algo dizendo que surgiu de lugar nenhum?  Os cientistas realmente acreditam que a partícula subnuclear a que se referem surge de lugar nenhum, no sentido de que realmente vem do nada, e não tem relação alguma com qualquer coisa que a preceda?  Comentando sobre o que Davies alegou, um cientista disse: “Isso, em qualquer caso, é um evento que ocorre em espaço e tempo, dentro de um domínio banhado em matéria e radiação. ‘Nada’ de modo algum pode ser visto nessa situação...”[3]

A mesma idéia falaciosa é repetida em um livro posterior por outro cientista ateu, Taylor:

Como tal, existe uma probabilidade não-zero de, digamos, uma partícula como um elétron aparecer do vácuo.  De fato um vácuo é cheio de possibilidade, uma das quais é o aparecimento do próprio Universo.  Foi criado do nada. (Taylor, 22)

De que tipo de vácuo Taylor está falando?  Se ele estiver usando a palavra em seu sentido científico técnico, então ele pode de fato falar em ser cheio de possibilidades, ou de um elétron aparecer dele, porque esse vácuo é de fato uma região não-vazia.  Mas isso, certamente, não é o nada ao qual se refere à teoria do big bang.  Não existe, portanto, nem uma analogia entre o aparecimento de uma partícula em um vácuo e o aparecimento de um Universo do nada absoluto.



Footnotes:

[1] Taqi al-Din Ahmad Ibn Taymiyyah (1263 - 1328), um estudioso muçulmano nascido em Harran, agora Síria.

[2] Posteriormente ele mudou de idéia, não apenas sobre isso, mas sobre toda a teoria.

[3] Isso é o que meu amigo, Professor Mahjoob Obeid, o famoso físico sudanês escreveu para mim em uma comunicação pessoal.

Partes deste Artigo

Visualizar todas as partes juntas

Adicione um comentário

Outros Artigos na Mesma Categoria

Mais visualizados

DAILY
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
TOTAL
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)

Favorito del editor

Listar Artigos

Desde sua última visita
Esta lista no momento está vazia.
Todos por data
(Leia mais...)
(Leia mais...)

Mais Populares

Melhores classificados
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
Mais enviados por email
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
Mais impressos
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
Mais comentados
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)

Seus Favoritos

Sua lista de favoritos está vazia.  Você pode adicionar artigos a esta lista usando as ferramentas do artigo.

Sua História

Sua história está vazia.

View Desktop Version