Статьи / видео вы запросили еще не существует.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

あなたが要求した記事/ビデオはまだ存在していません。

The article/video you have requested doesn't exist yet.

L'articolo / video che hai richiesto non esiste ancora.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

आपके द्वारा अनुरोधित लेख/वीडियो अभी तक मौजूद नहीं है।

The article/video you have requested doesn't exist yet.

Makala/video uliyoomba bado haipo.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

요청한 문서 / 비디오는 아직 존재하지 않습니다.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

המאמר / הסרטון שביקשת אינו קיים עדיין.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

Статьи / видео вы запросили еще не существует.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

L'articolo / video che hai richiesto non esiste ancora.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

आपके द्वारा अनुरोधित लेख/वीडियो अभी तक मौजूद नहीं है।

The article/video you have requested doesn't exist yet.

Makala/video uliyoomba bado haipo.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

요청한 문서 / 비디오는 아직 존재하지 않습니다.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

המאמר / הסרטון שביקשת אינו קיים עדיין.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

O que é Budismo? (parte 2 de 2)

Classificação:   
Tamanho da fonte:

Descrição: O Conceito de Deus no Budismo.

  • Por Aisha Stacey (© 2014 IslamReligion.com)
  • Publicado em 08 Sep 2014
  • Última modificação em 08 Sep 2014
  • Impresso: 25
  • Visualizado: 10636 (média diária: 4)
  • Classificação: 3 de 5
  • Classificado por: 2
  • Enviado por email: 0
  • Comentado em: 0

Buddhism2.jpgNo Budismo,[1]  o objetivo supremo é romper o ciclo de renascimento e alcançar a iluminação ou nirvana.  Nirvana é um estado transcendental no qual não há sofrimento, desejo ou sentido de eu.   O Buda, entretanto, não deu uma definição completa de nirvana.  Vale notar que o termo Buda se refere mais comumente ao fundador do Budismo, Sidarta Gautama, mas qualquer pessoa que alcançou a iluminação plena, ou nirvana, pode ser chamada de um Buda. 

Na maioria dos grupos e tradições religiosos a crença chave é a aceitação de um Ser Supremo, em outras palavras, um Deus criador.   Em todas as tradições budistas, entretanto, a crença chave é a importância da meditação.  É considerada o caminho para a libertação - o fim do sofrimento humano.  Os budistas não acreditam em um Deus criador ou pessoal. De fato, o Budismo rejeita essa noção e considera Deus uma resposta ao medo e frustração humanos. De acordo com a ideologia budista, os humanos criaram a ideia de Deus para se consolarem em um mundo hostil e cheio de medos.

O homem primitivo vivia com medo dos animais selvagens e dos fenômenos naturais, como o raio e o trovão.  Os budistas acreditam que o conceito de Deus surgiu desse medo. Também consideram que não há evidência ou pesquisa para provar que Deus existe e, assim, Deus não é necessário para os seres humanos terem uma vida feliz e com significado.  Afinal, dizem os budistas, milhões de pessoas são e têm sido felizes sem qualquer crença em deuses ou Deus.  Por outro lado, os muçulmanos sabem com certeza que a verdadeira felicidade não é alcançável sem submissão à vontade de Deus.  Medo e frustração, diz o Islã, só podem ser conquistados por meio da confiança completa e total em Deus.

Embora o Budismo não tenha um Deus criador todo poderoso, os budistas mahayana adoram bodhisattvas.   São pessoas semelhantes a deuses que conquistaram a iluminação e podiam entrar no Nirvana, mas escolheram ficar no mundo para ajudar outras.  Algumas escolas mahayana que floresceram fora da Índia atribuem algum nível de divindade a um Buda transcendente (qualquer um que tenha alcançado a iluminação), entretanto isso não é comparável ao Deus das religiões monoteístas, como o Islã.  Em alguns textos sagrados budistas, Buda (Sidarta) refuta as reivindicações de um desses deuses e o mostra sujeito à lei cármica.

O conceito de Karma existia antes do advento do Buda (Sidarta), mas ele o definiu e explicou.  Em palavras simples, a lei do carma explica as desigualdades que existem entre as pessoas.  De acordo com o Budismo, a desigualdade é o resultado de nossas próprias ações passadas e atuais.  Nós mesmos somos responsáveis por nossa própria felicidade e miséria.  Criamos nosso próprio Paraíso ou Inferno. Somos de fato os arquitetos de nosso próprio destino.   O Budismo nos diz que nada é fixo ou permanente, que a mudança é possível e as ações têm consequências.   Um conceito que pode ser comparado à teoria cristã de colher o que se plantou ou o versículo do Alcorão que afirma:  

"Se praticardes o bem, este se reverterá em vosso próprio benefício; se praticardes o mal, será em prejuízo vosso." (Alcorão 17:7) 

Em contraste direto com a crença budista, o Islã ensina que há um Deus criador e todo-poderoso, sustentador do universo, misericordioso e perdoador.   Está sozinho, sem parceiros ou associados.

De acordo com muitos sites e livros budistas, o Budismo não tem a ver com acreditar ou não em Deus, mas com reconhecer que essa crença não é útil quando se tenta alcançar a iluminação.   O Budismo não é ateísmo. É, essencialmente, não teísmo.  Por que então, você pode se perguntar, é comum ver pessoas em toda a Ásia orando ou fazendo oferendas devocionais a representações ou iconografias do Buda? 

Quando um budista faz oferenda de flores ou alimento, está demonstrando respeito a Buda. Dá flores e incenso para o templo e alimentos para os monges.  Quando um budista se prostra perante uma imagem, reconhece que o Buda alcançou a iluminação perfeita.  Em contraste, quando um muçulmano se prostra não há imagens ou iconografia. O muçulmano toca sua testa no chão declarando sua submissão completa a Deus, Que está sozinho, sem parceiros, filhos ou intermediários. 

No século 5 aEC, depois que Sidarta supostamente alcançou a iluminação, o Buda e seus seguidores viajaram por toda a Índia propagando a mensagem.  O Budismo, em suas várias formas, logo passou a ser encontrado em toda a Índia e Sri Lanka, sudeste da Ásia, Coreia, Japão, Tibete, Nepal e Mongólia.  Até hoje, tantos anos depois, o Budismo continua a se espalhar no mundo ocidental.



Notas de rodapé:

[1] Veja as notas de rodapé do artigo 1 e (http://www.buddhist-tourism.com/buddhism/)

Partes deste Artigo

Visualizar todas as partes juntas

Adicione um comentário

Mais visualizados

Diariamente
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
Total
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)

Favorito del editor

(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)

Listar Artigos

Desde sua última visita
Esta lista no momento está vazia.
Todos por data
(Leia mais...)
(Leia mais...)

Mais Populares

Melhores classificados
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
Mais enviados por email
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
Mais impressos
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
Mais comentados
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)

Seus Favoritos

Sua lista de favoritos está vazia.  Você pode adicionar artigos a esta lista usando as ferramentas do artigo.

Sua História

Sua história está vazia.

View Desktop Version