Статьи / видео вы запросили еще не существует.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

あなたが要求した記事/ビデオはまだ存在していません。

The article/video you have requested doesn't exist yet.

L'articolo / video che hai richiesto non esiste ancora.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

आपके द्वारा अनुरोधित लेख/वीडियो अभी तक मौजूद नहीं है।

The article/video you have requested doesn't exist yet.

Makala/video uliyoomba bado haipo.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

요청한 문서 / 비디오는 아직 존재하지 않습니다.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

המאמר / הסרטון שביקשת אינו קיים עדיין.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

Статьи / видео вы запросили еще не существует.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

L'articolo / video che hai richiesto non esiste ancora.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

आपके द्वारा अनुरोधित लेख/वीडियो अभी तक मौजूद नहीं है।

The article/video you have requested doesn't exist yet.

Makala/video uliyoomba bado haipo.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

요청한 문서 / 비디오는 아직 존재하지 않습니다.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

המאמר / הסרטון שביקשת אינו קיים עדיין.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

O que é Budismo? (parte 1 de 2): O caminho para a iluminação

Classificação:
Tamanho da fonte:

Descrição: Breve visão geral do Budismo.

  • Por Aisha Stacey (© 2014 IslamReligion.com)
  • Publicado em 08 Sep 2014
  • Última modificação em 08 Sep 2014
  • Impresso: 26
  • Visualizado: 11353 (média diária: 4)
  • Classificação: sem comentários
  • Classificado por: 0
  • Enviado por email: 0
  • Comentado em: 0

Definição: Uma difundida religião ou filosofia asiática fundada por Sidarta Gautama no nordeste da Índia no século 5 aEC, que ensina que a iluminação pode ser alcançada pela eliminação dos desejos terrenos e da ideia do eu.[1]

Buddhism1.jpgO Budismo é a religião de mais de 500 milhões de pessoas em todo o mundo.  A maioria dessas pessoas vive na Ásia, mas existem comunidades budistas significativas em outros continentes.  Há duas tradições budistas principais, a Theravada (a Escola dos Anciões) e a Mahayana (o Grande Veículo).  O Budismo não é estritamente uma religião e é geralmente descrito como uma filosofia de vida.  

Quem foi Buda?

De acordo com a escritura Theravada, o Buda (Sidarta Gautama) nasceu no século 5 antes da Era Comum.  Era filho do rei Śuddhodana, o governante de um pequeno reino no que hoje é o Nepal.  Logo após seu nascimento oito brâmanes foram convocados para prever o futuro da criança.  Sete brâmanes profetizaram que o jovem príncipe seria um grande governante ou renunciaria os prazeres mundanos e viveria a vida de um homem sagrado.  Um, entretanto, estava certo de que a criança seria um homem sagrado.  O rei tinha grandes ambições mundanas para seu filho e, portanto, manteve o príncipe dentro dos confins do palácio real.  Com a idade de 29 anos o príncipe escapou do confinamento e teve vários encontros com o mundo exterior.  Esses encontros se tornaram conhecidos na escritura como as quatro visões.

Quando Sidarta viu um velho, uma pessoa doente, um corpo e um asceta que havia renunciado a todos os bens terrenos, resolveu embarcar em uma busca espiritual.  Essa busca era para encontrar um fim permanente para o sofrimento que observou.  Estudou com os melhores professores religiosos, mas constatou que não conseguiam por um fim permanente ao sofrimento.  Em seguida praticou ascetismo extremo, acreditando que poderia livrar o espírito humano negando a carne.  Sidarta submeteu-se a jejum prolongado, suspensão da respiração, exposição à dor e quase se matou de forme antes de perceber que essa não era a forma de colocar um fim ao sofrimento humano.

Sidarta não abandonou sua busca, mas decidiu confiar em seus próprios sentimentos e praticar meditação.  Sentou-se sob uma figueira, conhecida como a árvore Bodhi, na cidade de Bodh Gaya, na Índia, e jurou não se levantar até alcançar a iluminação.  Depois de vários dias destruiu as limitações de sua mente, libertou-se do ciclo de sofrimento e renascimento, tornando-se assim um ser plenamente iluminado.  Foi através dessa meditação que Sidarta descobriu o que os budistas chamam de Caminho do Meio, um caminho de moderação entre os extremos da autoindulgência e a auto mortificação.[2] Logo após a iluminação Buda (o acordado), conhecido anteriormente como Sidarta, formou uma ordem monástica e passou o resto de sua vida viajando e ensinando o caminho para a iluminação.  O Buda morreu por volta dos 80 anos de idade em Kushinagar, Índia.[3]

Esse relato está de acordo com a escola Theravada de pensamento e difere um pouco de outros relatos.  A precisão histórica também foi questionada, mas de acordo com o autor Michael Carrithers, "o perfil da vida deve ser verdadeiro: nascimento, maturidade, renúncia, busca, despertar e liberação, ensino, morte".[4]

Ensinamentos budistas básicos

O Budismo tem duas divisões principais e várias subdivisões tendo por base país e cultura, entretanto, a maioria das tradições compartilha um conjunto fundamental de crenças.  Geralmente se refere à reencarnação como uma crença fundamental do Budismo, mas isso não está estritamente correto.  A crença budista é em renascimento e não em reencarnação.  O site Tolerância Religiosa a explica como a seguir: 

"Na reencarnação o indivíduo pode voltar repetidamente.  No renascimento uma pessoa não precisa necessariamente retornar a Terra como a mesma entidade.  Ele a compara com uma folha que cresce em uma árvore.  Quando a folha murcha cai, uma nova folha a substituirá.  É semelhante à antiga folha, mas não idêntica à folha original."[5]

Outras crenças fundamentais incluem as três joias, as quatro verdades nobres, o caminho óctuplo e os cinco preceitos.  As três joias são o Buda, o Darma (os ensinamentos) e a Sangha (a comunidade), e buscar refúgio neles é a base da prática budista.  As quatro verdades nobres são a universalidade do sofrimento, a origem do sofrimento, a superação do sofrimento e o caminho que leva à supressão do sofrimento.

O caminho é conhecido como o caminho óctuplo e consiste de dṛṣṭi (ditthi): ver a realidade como ela é, não apenas como parece ser, sakalpa (sankappa): intenção de renúncia, liberdade e inocuidade, vāc (vāca): falar de maneira verdadeira e não-ofensiva, karman (kammanta): agir de maneira não-ofensiva, ājīvana (ājīva): um sustento não-ofensivo, vyāyāma (vāyāma): fazer esforço para se aprimorar, smti (sati): conscientização para ver coisas pelo que elas são com consciência clara, ciente da realidade presente dentro de si mesmo, sem qualquer desejo ou aversão, samādhi (samādhi): meditação ou concentração corretas.

Os cinco preceitos definem a ética budista.  Não mate, seja gentil com todas as criaturas.  Não roube, dê ao invés de tomar.  Não minta, seja honesto e aberto.  Não use mal o sexo e não consuma álcool ou drogas recreacionais. 

Assim como as explicações hinduístas e budistas de reencarnação e renascimento diferem, o mesmo acontece com o termo nirvana.  No Hinduísmo é a união com o Ser Supremo, para ascetas em várias religiões indianas, inclusive o Jainismo, Hinduísmo e Budismo é o estado de ser livre de sofrimento e no Budismo assume seu sentido literal de "estourar" ou extinguir o fogo do ódio, ganância e ilusão.  O Nirvana também é caracterizado pelo conhecimento transcendental ou bodhi, um conceito traduzido como "iluminação".  O próprio Buda nunca deu uma definição exata de Nirvana.  Entretanto, não há Deus no Budismo. Ao invés disso, ao romper o ciclo de renascimento e alcançar a iluminação, os budistas acreditam que alcançarão o estado de Nirvana - ser eterno, o fim do sofrimento, um estado no qual não há desejos e consciências individuais chegam ao fim.

No próximo artigo aprofundaremos a discussão com o conceito de Deus no Budismo, comparando algumas das crenças básicas do Budismo com os ensinamentos islâmicos.



Notas de rodapé:

[1] Dicionário online do Google.

[2] (http://www.buddhanet.net/cbp2_f4.htm)

[3] Nidanakatha - biografia da seita Theravada no Sri Lanka.  Buddhaghoa.  século 5 EC.

[4] Carrithers,M.  (1986) The Buddha (O Buda), na publicação da Oxford University Founders of Faith, p.  10.

[5] (http://www.religioustolerance.org/buddhism1.htm)

Partes deste Artigo

Visualizar todas as partes juntas

Adicione um comentário

Mais visualizados

Diariamente
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
Total
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)

Favorito del editor

(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)

Listar Artigos

Desde sua última visita
Esta lista no momento está vazia.
Todos por data
(Leia mais...)
(Leia mais...)

Mais Populares

Melhores classificados
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
Mais enviados por email
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
Mais impressos
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
Mais comentados
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)

Seus Favoritos

Sua lista de favoritos está vazia.  Você pode adicionar artigos a esta lista usando as ferramentas do artigo.

Sua História

Sua história está vazia.

View Desktop Version