Статьи / видео вы запросили еще не существует.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

あなたが要求した記事/ビデオはまだ存在していません。

The article/video you have requested doesn't exist yet.

L'articolo / video che hai richiesto non esiste ancora.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

요청한 문서 / 비디오는 아직 존재하지 않습니다.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

המאמר / הסרטון שביקשת אינו קיים עדיין.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

Статьи / видео вы запросили еще не существует.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

L'articolo / video che hai richiesto non esiste ancora.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

요청한 문서 / 비디오는 아직 존재하지 않습니다.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

המאמר / הסרטון שביקשת אינו קיים עדיין.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

Salvação no Islã (parte 2 de 3): Adore e obedeça a Deus

Classificação:
Tamanho da fonte:

Descrição: O monoteísmo é o caminho para a salvação no Islã.

  • Por Aisha Stacey (© 2014 IslamReligion.com)
  • Publicado em 14 Jul 2014
  • Última modificação em 14 Jul 2014
  • Impresso: 40
  • Visualizado: 10227 (média diária: 5)
  • Classificação: sem comentários
  • Classificado por: 0
  • Enviado por email: 0
  • Comentado em: 0

Na parte 1 dessa série "Salvação no Islã", aprendemos que a salvação é alcançada pela adoração do Deus Único.  Adoramos somente a Ele e seguimos Seus mandamentos.  Também aprendemos que o Islã não reconhece o conceito de pecado original e que os muçulmanos acreditam que todas as pessoas nascem livres de pecado.  No artigo a seguir discutiremos o conceito cristão de expiação, ou seja, Jesus morrer pelos pecados da humanidade, e descobriremos que esse conceito é totalmente rejeitado no Islã.  Salvação no Islã é através do tawhid, o monoteísmo.

Tawhid é uma palavra árabe que significa unicidade e quando falamos sobre tawhid em relação a Deus, significa perceber e afirmar a unicidade de Deus.  É a crença de que Deus é Único, sem parceiros ou associados.  Não há nenhuma divindade merecedora de adoração exceto Allah e essa é a base do Islã.  Professar essa crença junto com a crença de que Muhammad é Seu mensageiro é o que torna uma pessoa muçulmana.  Acreditar no tawhid com certeza é o que garante a salvação.

"Dize (Ó Muhammad): Ele é Allah, o Único. Allah, o Absoluto, o Eterno. Jamais gerou ou foi gerado! E ninguém é comparável a Ele!" (Alcorão 112)

"Verdadeiramente! Sou Allah! Não existe deus a ser adorado exceto Eu, adorai-Me."  (Alcorão 20:14)

"Ele (Deus) é o Originador dos céus e da terra!  Como pode Ele ter tido um filho quando Ele não teve companheira?   Que criou tudo o que existe, e é Onisciente?  Tal é Deus, vosso Senhor! Não há mais divindade além d’Ele, Criador de tudo!  Adorai-O, pois porque é o Guardião de todas as coisas.  A visão não O alcança, mas Ele alcança todas as visões.  Ele é o Onisciente, o Sutilíssimo."  (Alcorão 6:101-103)

Os muçulmanos adoram somente a Deus, sem quaisquer intermediários. Não tem parceiros, filhos, filhas ou ajudantes.  A adoração é direcionada somente a Deus, porque Ele é o único merecedor de adoração.  Não há nada maior que Deus.

A crença cristã de que Jesus é o filho de Deus ou o próprio Deus está em oposição direta ao tawhidO conceito de uma trindade, Pai, Filho, e Espírito Santo também é firmemente rejeitado pelo Islã.  A ideia de que Jesus expiou (ou salvou nossas almas) ao morrer é um conceito completamente oposto à crença islâmica.

"Ó povo do Livro (cristãos e judeus)!  Não vos excedais nos limites de vossa religião, e não digais de Deus senão a verdade.  O Messias, Jesus, filho de Maria, era apenas o Mensageiro de Deus, e Seu Verbo que Ele colocou sobre Maria, e um Espírito vindo Dele. Crede, pois, em Deus e em Seus mensageiros.  E não digais: Trindade! Abstende-vos disso, que será melhor para vós; sabei que Deus é Uno. Glorificado seja! Longe está a hipótese de ter tido um filho.  A Ele pertence tudo que está nos céus e na terra.  E Deus é mais do que suficiente Guardião." (Alcorão 4:171)

A ideia de Jesus morrer na cruz é o centro da crença cristã.  Representa a convicção de que Jesus morreu pelos pecados da humanidade.  Em outras palavras, os pecados de uma pessoa foram "pagos" por Jesus e se é livre para fazer o que quiser, porque no final se obterá a salvação pela crença em Jesus. Isso é absolutamente rejeitado no Islã.

Não é necessário que Deus, ou mesmo um profeta de Deus, se sacrifique pelos pecados da humanidade para comprar o perdão.  O Islã recusa totalmente essa visão.  A base do Islã reside em saber com certeza que nada deve ser adorado, exceto Deus.  O perdão emana do Deus Único e Verdadeiro e, assim, quando uma pessoa busca perdão, deve se voltar para Deus em submissão com remorso verdadeiro e pedir perdão, prometendo não repetir o pecado.  Somente então os pecados serão perdoados pelo Deus Todo-Poderoso.

O Islã ensina que Jesus não veio para expiar os pecados da humanidade. Seu propósito era reafirmar a mensagem dos profetas antes dele.

Ninguém tem o direito a ser adorado exceto Deus, o Único e Verdadeiro Deus..." (Alcorão 3:62)

A crença islâmica sobre a crucificação e morte de Jesus é clara.  Ele não morreu para expiar os pecados da humanidade.  Havia uma conspiração para crucificar Jesus, mas isso não aconteceu. Ele não morreu e sim ascendeu aos céus.  Nos últimos dias que antecedem ao Dia do Juízo, Jesus retornará a esse mundo e continuará a propagar a crença na unicidade de Deus. O Alcorão nos conta que no Dia do Juízo Jesus negará ter pedido às pessoas para adorá-lo em vez de, ou junto com Deus.

"E recordar-te de quando Deus disse: Ó Jesus, filho de Maria! Foste tu quem disseste aos homens: Tomai a mim e a minha mãe por duas divindades, em vez de Deus? Respondeu: Glorificado sejas! É inconcebível que eu tenha dito o que por direito não me corresponde. Se tivesse dito, tê-lo-ias sabido, porque Tu conheces a natureza da minha mente, ao passo que ignoro o que encerra a Tua. Somente Tu és Conhecedor do incognoscível.  Não lhes disse senão o que me ordenaste – adorai a Deus, meu Senhor e vosso Senhor. E fui testemunha deles enquanto permaneci entre eles. Então, quando findaste meus dias na terra, Tu foste, sobre eles, O Observante." Alcorão 5:116-117)

Deus nos diz no Alcorão que só existe um pecado imperdoável e que é alguém morrer tendo associado parceiros a Deus sem ter se arrependido antes da morte.

"Deus jamais perdoará a quem Lhe atribuir parceiros; porém, fora disso, perdoa a quem Lhe apraz. Quem atribuir parceiros a Deus cometerá um pecado ignominioso." (Alcorão 4:48)

Em suas tradições o profeta Muhammad, que Deus o exalte, nos informou que Deus disse: "Sou autossuficiente e não preciso ter um associado. Quem fizer uma ação em nome de outro e também em Meu nome, terá aquela ação rejeitada por Mim para aquele com quem Me associaram".[1]

Entretanto, mesmo o pecado grave de associar parceiros a Deus pode ser perdoado se a pessoa verdadeiramente se volta para Deus, com sinceridade e total arrependimento.

"Somos Indulgentíssimo para com o crente, arrependido, que pratica o bem e se encaminha." (Alcorão 20:82)

"Dize aos descrentes que, no caso de se arrependerem, ser-lhes-á perdoado o passado." (Alcorão 8:38)

Todo ser humano pode alcançar a salvação adorando o Deus Único.  Ficar conectado a Deus e se arrepender dos erros e pecados é a estrada para a salvação.  No próximo artigo falaremos sobre as condições para o arrependimento.



Notas de rodapé:

[1] Saheeh Muslim

Partes deste Artigo

Visualizar todas as partes juntas

Adicione um comentário

Outros Artigos na Mesma Categoria

Mais visualizados

DAILY
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
TOTAL
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)

Favorito del editor

Listar Artigos

Desde sua última visita
Esta lista no momento está vazia.
Todos por data
(Leia mais...)
(Leia mais...)

Mais Populares

Melhores classificados
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
Mais enviados por email
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
Mais impressos
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
Mais comentados
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)

Seus Favoritos

Sua lista de favoritos está vazia.  Você pode adicionar artigos a esta lista usando as ferramentas do artigo.

Sua História

Sua história está vazia.

View Desktop Version