Статьи / видео вы запросили еще не существует.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

あなたが要求した記事/ビデオはまだ存在していません。

The article/video you have requested doesn't exist yet.

L'articolo / video che hai richiesto non esiste ancora.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

요청한 문서 / 비디오는 아직 존재하지 않습니다.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

המאמר / הסרטון שביקשת אינו קיים עדיין.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

Статьи / видео вы запросили еще не существует.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

L'articolo / video che hai richiesto non esiste ancora.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

요청한 문서 / 비디오는 아직 존재하지 않습니다.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

המאמר / הסרטון שביקשת אינו קיים עדיין.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

Salvação no Islã (parte 1 de 3): O que é salvação?

Classificação:
Tamanho da fonte:

Descrição: Alcance a salvação através da adoração sincera.

  • Por Aisha Stacey (© 2014 IslamReligion.com)
  • Publicado em 07 Jul 2014
  • Última modificação em 06 Apr 2015
  • Impresso: 54
  • Visualizado: 23117 (média diária: 9)
  • Classificação: sem comentários
  • Classificado por: 0
  • Enviado por email: 0
  • Comentado em: 0

O Islã nos ensina que a salvação é alcançável através da adoração de Deus apenas.  Uma pessoa deve acreditar em Deus e seguir Seus mandamentos.  Essa é a mesma mensagem ensinada por todos os profetas, incluindo Moisés e Jesus.  Existe um único Deus merecedor de adoração.  Um Deus, sem parceiros, filhos ou filhas.  Salvação e, portanto, felicidade eterna, podem ser alcançadas pela adoração sincera.

Além disso, o Islã nos ensina que os seres humanos nascem sem pecado e são naturalmente inclinados a adorar somente a Deus (sem quaisquer intermediários).  Para reter esse estado de ausência de pecado a humanidade deve seguir os mandamentos de Deus e se empenhar em viver uma vida virtuosa.  Se alguém incorrer em pecado, tudo que é exigido é o arrependimento sincero, seguido da busca pelo perdão de Deus.  Quando uma pessoa peca se afasta da misericórdia de Deus. Entretanto, o arrependimento sincero a aproxima de Deus. 

Salvação é uma palavra poderosa que o dicionário define como o ato de preservação ou libertação da destruição, dificuldade ou mal.  Teologicamente é o resgate espiritual do pecado e suas consequências.  Mais especificamente, no Cristianismo é associado com redenção e a expiação de Jesus.  Salvação no Islã é um conceito muito diferente.  Embora ofereça libertação do fogo do inferno, também rejeita alguns dos princípios básicos do Cristianismo e afirma claramente que a salvação é alcançada somente por meio da submissão a Deus, o misericordioso.

"Que mencionam Deus, estando em pé, sentados ou deitados, e meditam na criação dos céus e da terra, dizendo: Ó Senhor nosso, não criaste isto em vão. Glorificado sejas! Preserva-nos do tormento infernal!" (Alcorão 3: 191)

De acordo com a doutrina cristã, a humanidade é considerada desviada e pecadora.  A doutrina do pecado original afirma que a humanidade já nasce contaminada pelo pecado de Adão e, portanto, separada de Deus e precisando de um redentor.  O Islã, por outro lado, rejeita totalmente o conceito cristão do pecado original e a noção de que a humanidade nasce em pecado. 

A ideia de que bebês ou crianças inocentes são pecadoras soa completamente absurda para um crente que sabe que o Islã se trata de perdão original e não de pecado original.  A humanidade, de acordo com o Islã, nasce em um estado de pureza, sem pecado, e naturalmente inclinada à adoração e louvor de Deus.  Entretanto, seres humanos também receberam o livre arbítrio e podem cometer erros e pecar. São até capazes de cometer grandes males.

Toda vez que uma pessoa peca, é a única responsável por aquele pecado.  Cada pessoa é responsável por seus próprios atos.  Consequentemente, nenhum ser humano é responsável pelos erros cometidos por Adão e Eva.  Deus diz no Alcorão:

"Nenhuma alma arca com o pecado de outra." (Alcorão 35:18)

Adão e Eva cometeram um erro, se arrependeram sinceramente e Deus em Sua infinita sabedoria os perdoou.  A humanidade não está condenada a ser punida, geração após geração.  Os pecados do pai não são transferidos para os filhos.

"E ambos comeram (os frutos) da árvore, e suas vergonhas foram-lhes manifestadas, e puseram-se a cobrir os seus corpos com folhas de plantas do Paraíso. Adão desobedeceu ao seu Senhor e foi seduzido. Mas logo o seu Senhor o elegeu, absolvendo-o e encaminhando-o." (Alcorão 20:121-122)

Acima de tudo o Islã nos ensina que Deus é perdoador e continuará perdoando, repetidamente.  Faz parte do ser humano cometer erros.  Algumas vezes os erros são feitos sem deliberação ou má intenção, mas às vezes consciente e deliberadamente pecamos e prejudicamos outras pessoas.  Portanto, como seres humanos precisamos constantemente de perdão.

A vida deste mundo está repleta de testes e tribulações, mas Deus não abandonou a humanidade a esses testes.  Deus equipou a humanidade com o intelecto e a habilidade de fazer escolhas e tomar decisões.  Deus também nos deu palavras de orientação.  Como nosso criador, Ele está bem ciente de nossa natureza e ansioso para nos guiar na senda reta que leva à bênção eterna.

O Alcorão é a revelação final de Deus e é aplicável para toda a humanidade; todas as pessoas, todos os lugares, todas as épocas.  Em todo o Alcorão Deus pede continuamente que nos voltemos para Ele em arrependimento e peçamos Seu perdão.  Esse é o caminho para a salvação.  Esse é nosso resgate da destruição.

"E quem cometer uma má ação ou se condenar e, em seguida (arrependido), implorar o perdão de Deus, sem dúvida achá-Lo-á Indulgente, Misericordiosíssimo."  (Alcorão 4:110)

"Ó meu povo! Implorai o perdão de vosso Senhor e voltai-vos a Ele, arrependidos, Que vos enviará do céu copiosa chuva e adicionará força à vossa força. Não vos afasteis, tornando-vos pecadores!" (Alcorão 11:52)

"Dize: Ó servos Meus, que se excederam contra si próprios, não desespereis da misericórdia de Deus; certamente, Ele perdoa todos os pecados, porque Ele é o Indulgente, o Misericordiosíssimo." (Alcorão 39:53)

O Alcorão não é apenas um livro de orientação, é um livro de esperança.  Nele, o amor, misericórdia e perdão de Deus são óbvios e, assim, a humanidade é lembrada de não entrar em desespero.  Não importa os pecados que uma pessoa possa ter cometido. Se ela se voltar para Deus de forma resoluta, em busca de salvação, a salvação está assegurada.

O profeta Muhammad descreveu o pecado como pontos negros que cobrem o coração.  Disse: "Em verdade se um crente peca, um ponto negro cobre seu coração.  Se se arrepende, para o pecado e busca perdão, seu coração fica limpo novamente.  Se persistir (ao invés de se arrepender), o ponto negro aumenta até cobrir seu coração..." [1]

A salvação não é necessária no Islã por causa da mancha do pecado original.  A salvação é necessária porque a humanidade é imperfeita e precisa do perdão e amor de Deus.  Para entender o conceito de salvação corretamente, devemos entender outros tópicos incorporados na salvação.  Esses tópicos são a compreensão da importância do tawhid, ou a unicidade de Deus, e saber como se arrepender sinceramente.  Discutiremos esses tópicos nos dois próximos artigos.



Notas de rodapé:

[1] Ibn Majah.

 

 

Salvação no Islã (parte 2 de 3): Adore e obedeça a Deus

Classificação:
Tamanho da fonte:

Descrição: O monoteísmo é o caminho para a salvação no Islã.

  • Por Aisha Stacey (© 2014 IslamReligion.com)
  • Publicado em 14 Jul 2014
  • Última modificação em 14 Jul 2014
  • Impresso: 44
  • Visualizado: 14290 (média diária: 5)
  • Classificação: sem comentários
  • Classificado por: 0
  • Enviado por email: 0
  • Comentado em: 0

Na parte 1 dessa série "Salvação no Islã", aprendemos que a salvação é alcançada pela adoração do Deus Único.  Adoramos somente a Ele e seguimos Seus mandamentos.  Também aprendemos que o Islã não reconhece o conceito de pecado original e que os muçulmanos acreditam que todas as pessoas nascem livres de pecado.  No artigo a seguir discutiremos o conceito cristão de expiação, ou seja, Jesus morrer pelos pecados da humanidade, e descobriremos que esse conceito é totalmente rejeitado no Islã.  Salvação no Islã é através do tawhid, o monoteísmo.

Tawhid é uma palavra árabe que significa unicidade e quando falamos sobre tawhid em relação a Deus, significa perceber e afirmar a unicidade de Deus.  É a crença de que Deus é Único, sem parceiros ou associados.  Não há nenhuma divindade merecedora de adoração exceto Allah e essa é a base do Islã.  Professar essa crença junto com a crença de que Muhammad é Seu mensageiro é o que torna uma pessoa muçulmana.  Acreditar no tawhid com certeza é o que garante a salvação.

"Dize (Ó Muhammad): Ele é Allah, o Único. Allah, o Absoluto, o Eterno. Jamais gerou ou foi gerado! E ninguém é comparável a Ele!" (Alcorão 112)

"Verdadeiramente! Sou Allah! Não existe deus a ser adorado exceto Eu, adorai-Me."  (Alcorão 20:14)

"Ele (Deus) é o Originador dos céus e da terra!  Como pode Ele ter tido um filho quando Ele não teve companheira?   Que criou tudo o que existe, e é Onisciente?  Tal é Deus, vosso Senhor! Não há mais divindade além d’Ele, Criador de tudo!  Adorai-O, pois porque é o Guardião de todas as coisas.  A visão não O alcança, mas Ele alcança todas as visões.  Ele é o Onisciente, o Sutilíssimo."  (Alcorão 6:101-103)

Os muçulmanos adoram somente a Deus, sem quaisquer intermediários. Não tem parceiros, filhos, filhas ou ajudantes.  A adoração é direcionada somente a Deus, porque Ele é o único merecedor de adoração.  Não há nada maior que Deus.

A crença cristã de que Jesus é o filho de Deus ou o próprio Deus está em oposição direta ao tawhidO conceito de uma trindade, Pai, Filho, e Espírito Santo também é firmemente rejeitado pelo Islã.  A ideia de que Jesus expiou (ou salvou nossas almas) ao morrer é um conceito completamente oposto à crença islâmica.

"Ó povo do Livro (cristãos e judeus)!  Não vos excedais nos limites de vossa religião, e não digais de Deus senão a verdade.  O Messias, Jesus, filho de Maria, era apenas o Mensageiro de Deus, e Seu Verbo que Ele colocou sobre Maria, e um Espírito vindo Dele. Crede, pois, em Deus e em Seus mensageiros.  E não digais: Trindade! Abstende-vos disso, que será melhor para vós; sabei que Deus é Uno. Glorificado seja! Longe está a hipótese de ter tido um filho.  A Ele pertence tudo que está nos céus e na terra.  E Deus é mais do que suficiente Guardião." (Alcorão 4:171)

A ideia de Jesus morrer na cruz é o centro da crença cristã.  Representa a convicção de que Jesus morreu pelos pecados da humanidade.  Em outras palavras, os pecados de uma pessoa foram "pagos" por Jesus e se é livre para fazer o que quiser, porque no final se obterá a salvação pela crença em Jesus. Isso é absolutamente rejeitado no Islã.

Não é necessário que Deus, ou mesmo um profeta de Deus, se sacrifique pelos pecados da humanidade para comprar o perdão.  O Islã recusa totalmente essa visão.  A base do Islã reside em saber com certeza que nada deve ser adorado, exceto Deus.  O perdão emana do Deus Único e Verdadeiro e, assim, quando uma pessoa busca perdão, deve se voltar para Deus em submissão com remorso verdadeiro e pedir perdão, prometendo não repetir o pecado.  Somente então os pecados serão perdoados pelo Deus Todo-Poderoso.

O Islã ensina que Jesus não veio para expiar os pecados da humanidade. Seu propósito era reafirmar a mensagem dos profetas antes dele.

Ninguém tem o direito a ser adorado exceto Deus, o Único e Verdadeiro Deus..." (Alcorão 3:62)

A crença islâmica sobre a crucificação e morte de Jesus é clara.  Ele não morreu para expiar os pecados da humanidade.  Havia uma conspiração para crucificar Jesus, mas isso não aconteceu. Ele não morreu e sim ascendeu aos céus.  Nos últimos dias que antecedem ao Dia do Juízo, Jesus retornará a esse mundo e continuará a propagar a crença na unicidade de Deus. O Alcorão nos conta que no Dia do Juízo Jesus negará ter pedido às pessoas para adorá-lo em vez de, ou junto com Deus.

"E recordar-te de quando Deus disse: Ó Jesus, filho de Maria! Foste tu quem disseste aos homens: Tomai a mim e a minha mãe por duas divindades, em vez de Deus? Respondeu: Glorificado sejas! É inconcebível que eu tenha dito o que por direito não me corresponde. Se tivesse dito, tê-lo-ias sabido, porque Tu conheces a natureza da minha mente, ao passo que ignoro o que encerra a Tua. Somente Tu és Conhecedor do incognoscível.  Não lhes disse senão o que me ordenaste – adorai a Deus, meu Senhor e vosso Senhor. E fui testemunha deles enquanto permaneci entre eles. Então, quando findaste meus dias na terra, Tu foste, sobre eles, O Observante." Alcorão 5:116-117)

Deus nos diz no Alcorão que só existe um pecado imperdoável e que é alguém morrer tendo associado parceiros a Deus sem ter se arrependido antes da morte.

"Deus jamais perdoará a quem Lhe atribuir parceiros; porém, fora disso, perdoa a quem Lhe apraz. Quem atribuir parceiros a Deus cometerá um pecado ignominioso." (Alcorão 4:48)

Em suas tradições o profeta Muhammad, que Deus o exalte, nos informou que Deus disse: "Sou autossuficiente e não preciso ter um associado. Quem fizer uma ação em nome de outro e também em Meu nome, terá aquela ação rejeitada por Mim para aquele com quem Me associaram".[1]

Entretanto, mesmo o pecado grave de associar parceiros a Deus pode ser perdoado se a pessoa verdadeiramente se volta para Deus, com sinceridade e total arrependimento.

"Somos Indulgentíssimo para com o crente, arrependido, que pratica o bem e se encaminha." (Alcorão 20:82)

"Dize aos descrentes que, no caso de se arrependerem, ser-lhes-á perdoado o passado." (Alcorão 8:38)

Todo ser humano pode alcançar a salvação adorando o Deus Único.  Ficar conectado a Deus e se arrepender dos erros e pecados é a estrada para a salvação.  No próximo artigo falaremos sobre as condições para o arrependimento.



Notas de rodapé:

[1] Saheeh Muslim

 

 

Salvação no Islã (parte 3 de 3): Arrependimento

Classificação:
Tamanho da fonte:

Descrição: O arrependimento marca a estrada para a salvação.

  • Por Aisha Stacey (© 2014 IslamReligion.com)
  • Publicado em 14 Jul 2014
  • Última modificação em 14 Jul 2014
  • Impresso: 43
  • Visualizado: 14631 (média diária: 5)
  • Classificação: sem comentários
  • Classificado por: 0
  • Enviado por email: 2
  • Comentado em: 0

A estrada para a salvação é através de certa crença de que só existe um Deus e que Ele é Perdoador e Misericordioso.  O Islã afirma sem reservas que não há o conceito de pecado original e que Deus não requer um sacrifício de sangue para perdoar a humanidade por seus pecados e transgressões.

"Dize: Ó servos Meus, que se excederam contra si próprios, não desespereis da misericórdia de Deus; certamente, Ele perdoa todos os pecados, porque Ele é o Indulgente, o Misericordiosíssimo." (Alcorão 39:53)

Cometer erros, desobedecer a Deus, esquecer e pecar faz parte da natureza imperfeita da humanidade.  Nenhum ser humano é livre de pecado, não importando o quanto pareça ser bom, e todo ser humano precisa do perdão de Deus.  O Profeta Muhammad, que Deus o exalte, estava bem ciente disso quando falava a seus companheiros.

"Por Aquele em Cuja mão está a minha alma, se não pecassem Deus criaria outro povo que cometesse pecados e pedisse perdão."[1]

"Todo filho de Adão comete erros e o melhor deles é aquele que se arrepende." [2]

Todos somos vulneráveis, todos pecamos e todos precisamos ser perdoados.  Temo uma necessidade inata de nos sentirmos próximos de Deus e Ele em Sua infinita sabedoria facilitou o caminho para o perdão.  O próprio profeta Muhammad experimentou a alegria que vem de se sentir "correto" com seu Senhor. Ele disse: "Por Deus, busco o perdão de Deus e me volto para Ele em arrependimento mais de setenta vezes ao dia." [3]

Deus, o Criador, conhece a humanidade perfeitamente. Conhece nossas imperfeições e limitações e, por isso, prescreveu e deixou a porta aberta para o arrependimento até o sol nascer do ocidente (próximo do Dia do Juízo).

"E voltai, contritos, para vosso Senhor, porque quando o tormento recair sobre vós, não sereis socorridos." (Alcorão 39:54)

"Ó vós que credes! Voltai, sinceramente arrependidos, a Deus; é possível que o vosso Senhor absolva as vossas faltas e vos introduza em jardins, abaixo dos quais correm os rios..." (Alcorão 66:8)

"Ó crentes, voltai-vos todos, arrependidos, a Deus, a fim de que vos salveis!." (Alcorão 24:31)

O arrependimento é fácil e basta se voltar para Deus e pedir Sua misericórdia e perdão.  Na hora mais sombria ou na noite mais longa, Deus espera que todos peçam e se arrependam perante Ele. 

"Deus estende Sua mão à noite para aceitar o arrependimento de quem pecou durante o dia e estende Sua mão durante o dia para aceitar o arrependimento de quem pecou durante a noite (e isso continuará) até o sol nascer do ocidente." [4]

Não existem transgressões tão pequenas ou pecados tão grandes que Deus não tenha misericórdia de quem chama por Ele.  O profeta Muhammad, que Deus o exalte, contou a história de um homem cujos pecados pareciam grandes demais para que tivesse esperança de misericórdia, mas Deus é o mais sábio e mais perdoador.  Até aqueles cujas vidas foram abaladas de forma incomparável e escurecidas pelo pecado, encontram conforto.

"Havia entre o povo anterior um homem que havia matado noventa e nove pessoas. Ele perguntou sobre a pessoa mais sábia da terra e foi direcionado para um eremita. Foi até ele, contou que havia matado noventa e nove pessoas e perguntou se podia ser perdoado. O eremita disse "Não". Então ele o matou, completando cem. Então perguntou sobre a pessoa mais sábia da terra e foi direcionado para um sábio. Contou-lhe que havia matado cem pessoas e perguntou se podia ser perdoado. O sábio disse: "Sim, o que poderia ficar entre você e seu arrependimento? Vá até a cidade tal e tal porque nela há pessoas que adoram a Deus.  Vá e adore com eles e não volte para sua cidade, porque é um mau lugar." O homem partiu, mas quando estava a caminho de lá o anjo da morte chegou e os anjos de misericórdia e os anjos da ira começaram a discutir em relação a ele. Os anjos da misericórdia disseram: "Ele se arrependeu enquanto buscava a Deus." Os anjos da ira disseram: "Ele nunca fez bem algum." Um anjo em forma humana veio até eles e pediram para que decidisse a questão. O anjo disse: "Meçam a distância entre as duas terras (sua cidade natal e a cidade para a qual ele estava indo), e a cidade da qual ele estiver mais próximo é a cidade a qual ele pertence." Mediram a distância e constataram que estava mais próximo da cidade para a qual estava indo e os anjos da misericórdia o levaram." [5]

Em outra versão das tradições do profeta Muhammad, que Deus o exalte, é dito que o homem estava mais próximo à cidade virtuosa pela distância de um palmo e, assim, foi contado como fazendo parte de seu povo.[6]

O arrependimento é essencial para uma pessoa levar uma vida pacífica. A recompensa do arrependimento é uma vida boa e próxima de Deus, cheia de contentamento e paz de espírito.  Entretanto, existem três condições para o arrependimento.  São: abrir mão do pecado, sentir arrependimento permanente por ter cometido o pecado e estar determinado a não retornar ao pecado.  Se essas três condições forem satisfeitas com sinceridade, então Deus perdoará.  Se o pecado estiver relacionado com os direitos de outra pessoa, então há uma quarta condição.  É restaurar, se humanamente possível, os direitos que foram tirados.

A misericórdia e o perdão de Deus são tão abrangentes que Ele continuará perdoando. Se uma pessoa é sincera, Deus a perdoará até o momento em que o estertor da morte alcança a garganta. 

O destacado sábio muçulmano Ibn Kathir disse: "Certamente quando a esperança em continuar vivendo diminui, o anjo da morte vem para coletar a alma. Quando a alma alcança a garganta e é gradualmente retirada, não há mais aceitação de arrependimento.".[7]

O arrependimento genuíno marca a estrada para a salvação.  A salvação é obtida por meio de adoração sincera a Deus.  Não existe nenhum verdadeiro deus exceto Ele, o mais poderoso, o mais Misericordioso, o Compassivo.[8]



Notas de rodapé:

[1] Saheeh Muslim

[2] At Tirmidhi

[3] Saheeh Al-Bukhari

[4] Saheeh Muslim

[5] Saheeh Al-Bukhari, Saheeh Muslim.

[6] Saheeh Muslim

[7] Tafsir Ibn Kathir, Capítulo 4, verso 18.

[8] Para mais informação sobre o perdão de Deus veja os artigos Aceitando o Islã partes 1 & 2.  (http://www.islamreligion.com/articles/3727/viewall/)

Partes deste Artigo

Visualizar todas as partes juntas

Adicione um comentário

Mais visualizados

Diariamente
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
Total
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)

Favorito del editor

(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)

Listar Artigos

Desde sua última visita
Esta lista no momento está vazia.
Todos por data
(Leia mais...)
(Leia mais...)

Mais Populares

Melhores classificados
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
Mais enviados por email
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
Mais impressos
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
Mais comentados
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)

Seus Favoritos

Sua lista de favoritos está vazia.  Você pode adicionar artigos a esta lista usando as ferramentas do artigo.

Sua História

Sua história está vazia.

View Desktop Version