Статьи / видео вы запросили еще не существует.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

요청한 문서 / 비디오는 아직 존재하지 않습니다.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

המאמר / הסרטון שביקשת אינו קיים עדיין.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

Статьи / видео вы запросили еще не существует.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

요청한 문서 / 비디오는 아직 존재하지 않습니다.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

המאמר / הסרטון שביקשת אינו קיים עדיין.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

O Papel da Colonização no Sistema Político do Mundo Muçulmano

Classificação:   
Tamanho da fonte:

Descrição: Quando se olha para a situação atual, é impossível não notar que o mundo muçulmano está conturbado pela agitação e violência. Este artigo discutirá como a colonização e a interferência ocidental desempenharam o papel principal na formação dessa situação.

  • Por IslamReligion
  • Publicado em 01 Nov 2010
  • Última modificação em 02 Aug 2015
  • Impresso: 80
  • Visualizado: 7283 (média diária: 2)
  • Classificação: 5 de 5
  • Classificado por: 1
  • Enviado por email: 1
  • Comentado em: 0

O Alcorão e a Sunnah foram os guias do ativismo moral e político muçulmano através dos séculos.  O exemplo de como o Profeta Muhammad e seus companheiros levaram suas vidas e desenvolveram a primeira comunidade muçulmana serve como um projeto para um estado e sociedade socialmente justos e guiados islamicamente.

Mais que um profeta, o Profeta Muhammad, que a misericórdia e bênçãos de Deus estejam sobre ele, foi o fundador de um estado.  Na época do Profeta Muhammad e seus sucessores, todos os muçulmanos pertenciam a uma única comunidade cuja unidade era baseada na interconexão de religião e estado, em que fé e política eram inseparáveis.  O Islã se expandiu de onde hoje é a Arábia Saudita através do norte da África e Oriente Médio e até a Ásia e Europa.  Historicamente o Islã foi a ideologia religiosa para a fundação de vários estados muçulmanos, incluindo os grandes impérios islâmicos: Omíada (661-750), Abássida (750-1258), Otomano (1281-1924), Safávida (1501-1722 e Mugal (1526-1857). Em cada um desses impérios e outros sultanatos o Islã era a base das instituições legais, políticas, educacionais, econômicas e sociais do estado.

Por volta do século 11 o mundo islâmico estava sob ataque dos turcos e mongóis.  Eles não foram conquistados pelo Islã; ao invés disso, entraram no mundo islâmico como conquistadores e se converteram ao Islã ao longo dos séculos que se seguiram.

Durante os dois últimos séculos o mundo islâmico passou por outra transformação vinda do Ocidente.  Os europeus que chegaram nos séculos 19 e 20 para colonizar militarmente o mundo muçulmano não se converteram como os turcos e mongóis.  Pela primeira vez os muçulmanos estavam politicamente subjugados pelos impérios europeus da Rússia, Holanda, Grã-Bretanha e França.

O século 20 foi marcado por dois temas dominantes: colonialismo europeu e a luta muçulmana pela independência.  O legado do colonialismo permanece vivo hoje.  O colonialismo alterou o mapa geográfico do mundo muçulmano.  Traçou os limites e nomeou líderes para os países muçulmanos.  Depois da Segunda Guerra, os franceses estavam no oeste e norte da África, no Líbano e Síria; os ingleses na Palestina, Iraque, Golfo Árabe, subcontinente indiano, Malásia e Brunei; e os holandeses na Indonésia.  A colonização substituiu as instituições educacionais, legais e econômicas e desafiou a fé islâmica.  Oficiais das forças colonialistas e missionários cristãos se tornaram os soldados da expansão e imperialismo europeu.  O Cristianismo era visto pelos colonialistas como inerentemente superior ao Islã e sua cultura.  Essa atitude pode ser vista na declaração de Lorde Cromer, o conselheiro britânico no Cairo de 1883-1907: “... como um sistema social, o Islã tem sido um fracasso total. O Islã mantém as mulheres em uma posição de inferioridade... permite a escravidão... sua tendência geral é a intolerância em relação a outras crenças...”

O colonialismo europeu substituiu o autogoverno islâmico sob a Lei Islâmica, que era implementada desde o tempo do Profeta Muhammad, por seus lordes europeus.  Os colonialistas eram cruzados modernos – guerreiros cristãos se empenhando para erradicar o Islã.  Os franceses falavam de sua batalha da cruz contra o crescente.  A única diferença era que os europeus vieram, dessa vez, não com a cavalaria e espadas, mas com um exército de missionários cristãos e instituições missionárias como escolas, hospitais e igrejas, muitas das quais permanecem nos países islâmicos até o dia de hoje.  Os franceses tomaram a Mesquita Jami da Argélia e a transformaram na catedral de São Felipe com a bandeira francesa e uma cruz sobre o minarete, simbolizando a dominação cristã[1].

Os séculos da longa batalha do mundo muçulmano com o governo colonial ocidental foram seguidos por regimes autoritários instalados pelos poderes europeus.  A ausência de estados estáveis levou muitos a se perguntarem se existe algo sobre o Islã que é antitético à sociedade civil e ao estado de direito.  A resposta a essa pergunta reside mais na história e na política do que na religião.  Os estados islâmicos modernos têm apenas algumas décadas e foram estabelecidos por poderes europeus para servirem aos interesses do Ocidente.

No sul da Ásia os ingleses dividiram o subcontinente indiano em Índia e Paquistão, dando partes do estado majoritariamente muçulmano da Caxemira a cada um deles.  Os conflitos que resultaram dessas ações levaram à morte de milhões na guerra comunal entre hindus e muçulmanos, na guerra civil entre o leste e oeste do Paquistão que levou à criação de Bangladesh e nos conflitos na Caxemira sob governo indiano que persistem até o dia de hoje.  No Oriente Médio os franceses criaram o Líbano moderno com partes da Síria, e os ingleses estabeleceram as fronteiras para o Iraque e Kuait e criaram uma nova entidade chamada Jordânia.  Também criaram um novo país chamado Israel, expulsando os residentes não judeus e tomando terras que antes pertenciam a cristãos e muçulmanos e entregando-as a uma autoridade judaica estrangeira. Essas fronteiras arbitrárias alimentaram conflitos étnicos, regionais e religiosos incluindo a Guerra Civil libanesa entre cristãos e muçulmanos, a ocupação do Líbano pela Síria, a Guerra do Golfo, que resultou da reivindicação do território kuaitiano por Saddam Hussein, e o conflito israelo-palestino que não precisa de mais explicação.

Modelos políticos e econômicos foram emprestados do Ocidente para substituir os sistemas político e econômico islâmico depois da independência dos governos coloniais em meados do século 20, criando cidades superlotadas sem sistemas de suporte social, alto nível de desemprego, corrupção do governo e uma distância crescente entre ricos e pobres.  Ao invés de levar a uma melhor qualidade de vida, a ocidentalização levou ao rompimento dos valores tradicionais familiares, religiosos e sociais.  Muitos muçulmanos culpam os modelos ocidentais de desenvolvimento político e econômico como as fontes do declínio moral e desconforto espiritual.

Governos não eleitos, cujos líderes são reis, militares ou ex-militares, governam a maioria dos países no mundo muçulmano.  O poder do estado se apóia pesadamente em forças de segurança, na polícia e no exército, e liberdade de reunião, expressão e imprensa são severamente limitados.  Muitos estados muçulmanos operam dentro de uma cultura de autoritarismo que se opõe à sociedade civil e liberdade de imprensa.

Além de influenciar aqueles que chegam ao poder nos modernos estados-nação muçulmanos, a Europa e depois a América forjaram alianças com regimes autoritários, tolerando ou apoiando suas maneiras não democráticas em troca de, ou para assegurar, o acesso do Ocidente ao petróleo e outros recursos.

Quando as pessoas se perguntam por que o mundo muçulmano está conturbado pela agitação e violência, a resposta pode certamente ser encontrada na interferência colonial, tanto do passado quanto do presente, na região. Consequentemente, qualquer sucesso futuro depende de retornar para uma sociedade que é governada pelos princípios das pessoas que nela vivem, em que todos os seus assuntos são governados pelo Islã.



Footnotes:

[1] Algumas das primeiras políticas imperialistas dos poderes coloniais continham agendas não somente econômicas, mas também religiosas e culturais. Os franceses, por exemplo, procurou substituir a cultura islâmica pela sua própria ao impor, entre outras medidas, controles sobre os tribunais islâmicos e supressão de muitas instituições islâmicas.  Depois de transformar a Grande Mesquita da Argélia na Catedral de São Filipe, por exemplo, o arcebispo da Argélia anunciou um plano missionário para “salvar” os muçulmanos dos “vícios de sua religião original que gera preguiça, divórcio, poligamia, roubo, comunismo agrário, fanatismo e até canibalismo.” Azim A. Nanji, ed., The Muslim Almanac (Detroit: Gale Research, Inc., 1996), p. 123; Arthur Goldschmidt Jr., A Concise History of the Middle East, 3a. ed. (Boulder, Colo.:Westview Press, 1988), p. 231; John L. Esposito, The Islamic Threat: Myth or Reality?, 3a. ed. (Nova Iorque: Oxford University Press, 1999), p. 50; Fawaz A. Gerges, America and Political Islam: Clash of Cultures or Clash of Interests? (Cambridge: Cambridge University Press, 1999).

Adicione um comentário

Outros Artigos na Mesma Categoria

Mais visualizados

DAILY
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
TOTAL
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)

Favorito del editor

Listar Artigos

Desde sua última visita
Esta lista no momento está vazia.
Todos por data
(Leia mais...)
(Leia mais...)

Mais Populares

Melhores classificados
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
Mais enviados por email
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
Mais impressos
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
Mais comentados
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)

Seus Favoritos

Sua lista de favoritos está vazia.  Você pode adicionar artigos a esta lista usando as ferramentas do artigo.

Sua História

Sua história está vazia.

View Desktop Version