Der Artikel / Video anzubieten existiert noch nicht.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

Статьи / видео вы запросили еще не существует.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

あなたが要求した記事/ビデオはまだ存在していません。

The article/video you have requested doesn't exist yet.

L'articolo / video che hai richiesto non esiste ancora.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

요청한 문서 / 비디오는 아직 존재하지 않습니다.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

המאמר / הסרטון שביקשת אינו קיים עדיין.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

Der Artikel / Video anzubieten existiert noch nicht.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

Статьи / видео вы запросили еще не существует.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

L'articolo / video che hai richiesto non esiste ancora.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

요청한 문서 / 비디오는 아직 존재하지 않습니다.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

המאמר / הסרטון שביקשת אינו קיים עדיין.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

Jacian Fares, soldado americano

Classificação:
Tamanho da fonte:

Descrição: Agora meu Deus tem um nome.

  • Por Jacian Fares
  • Publicado em 13 Oct 2014
  • Última modificação em 13 Oct 2014
  • Impresso: 12
  • Visualizado: 2795 (média diária: 2)
  • Classificação: sem comentários
  • Classificado por: 0
  • Enviado por email: 0
  • Comentado em: 0

Meu nome é Jacian Fares. Venho da família Al-Fares, de Hebron. Meu pai nasceu no Líbano e minha mãe é espanhola. Fui a primeira geração nascida nos EUA (Dearborn, Michigan).

Meu pai não se importava com religião, embora meus avós fossem muçulmanos devotos. Imagino que a escolha e o caminho dele na vida os tenham entristecido. Desnecessário dizer que meus irmãos e eu nascemos sem uma religião específica. Fomos criados para sermos crianças americanas.

Sob circunstâncias estranhas, fui o único dos três a ir morar no Líbano por seis anos, durante a adolescência. Devo chamar esse período de "meu primeiro encontro com a cultura do Oriente Médio."

Minha segunda fase do encontro veio quando fazia parte dos fuzileiros navais dos EUA. Liderei a invasão ao Iraque - não uma guerra com a qual concordasse, mas era um soldado fazendo o seu trabalho.

Em Fallujah e outras áreas da província de Al-Anbar, passei a conhecer os habitantes locais. Havia testemunhado outros árabes durante o Ramadã ao longo dos anos. Tinha assistido o quanto eram devotados a sua religião.

Infelizmente recebi um tiro no Iraque e perdi um rim - mas é como Allah quer. Sempre tinha acreditado que tudo acontece por uma razão.

Quando voltei para casa estava deprimido e me sentindo como se não tivesse nada para seguir em frente na vida. Estava acostumado a ter rotina e agora ela havia sido tirada de mim. Meu relacionamento na época foi por água abaixo. Estava sozinho. Meus avós mencionaram o Islã, assim como minha tia. Durante o mês de agosto de 2008 li o Alcorão. E simplesmente fez sentido. Fazia sentido para mim, mais do que a Bíblia ou o Torá. Era muito direto ao ponto. A vida do muçulmano tem rotina. Precisava dessa mudança em minha vida, para encontrar meu verdadeiro eu.

"Em verdade, este Alcorão encaminha à senda mais reta e anuncia aos crentes benfeitores que obterão uma grande recompensa." (Alcorão 17:9)

Finalmente tinha uma rotina. Tinha razões para viver e melhorar muito a minha vida.

Posso dizer que fiz muitos amigos no ano que passou, todos de países diferentes no Oriente Médio: Egito, Palestina, Jordânia e Qatar. E esses amigos ajudaram no desenvolvimento de quem sou agora. E por isso sou eternamente grato.

Esse ano testemunhei meu segundo Ramadã. Infelizmente não pude jejuar porque sou diabético juvenil. Mas doei alimentos, dinheiro e tempo para as pessoas necessitadas por todos os trinta dias. E esse ano é especial, porque meu aniversário cai no Eid al-Fitr.

E embora esteja parado aqui nos EUA, sozinho, não estou sozinho. As pessoas nas comunidades muçulmanas me tratam como outro membro da família.

E tenho que dizer que essa vida que vivemos, o Din (modo islâmico de vida) que vivemos, nos une. Ele nos une e nos faz irmãos e irmãs todos os dias de nossas vidas - mesmo sem festas.

Então prometo que sempre tratarei a todos como meus irmãos e irmãs e ajudarei os necessitados, mesmo em épocas sem propósito especial. Farei isso todos os dias de minha vida.

"Adorai a Deus e não Lhe atribuais parceiros. Tratai com benevolência vossos pais e parentes, os órfãos, os necessitados, o vizinho próximo, o vizinho estranho, o companheiro, o viajante e os vossos servos. Deus não estima arrogante e jactancioso algum." (Alcorão 4:36)

Amo o Ramadã e o que ele representa. Lembra-nos o que é ser um bom muçulmano. Mas proponho que façamos todos os dias de nossas vidas como o Ramadã e compartilhemos com os nossos semelhantes.

Como muçulmanos podemos fazer desse mundo um lugar melhor, independente de como a mídia tenta nos projetar e de como pessoas ignorantes acreditam que somos, podemos honestamente fazer desse mundo um lugar melhor.

"Conserva-te indulgente, encomenda o bem e foge dos insipientes." (Al-Aaraf 7:199)

Não devemos nunca tentar impor Deus a ninguém, mas devemos informar corretamente os interessados. Foi assim que fizeram comigo. Percorri um longo caminho com o apoio e ajuda de meus irmãos e irmãs, meus amigos e família no Islã.

Escolhi o Islã porque é parte de quem eu sou. Voltei para o que minha família acreditava. Agora vivo como eles vivem. Tudo isso porque me sugeriram que lesse o Alcorão. Estou feliz e orgulhoso de mim mesmo por tê-lo feito. O Alcorão me levou a encontrar meu verdadeiro eu. Agora meu Deus tem um nome: Allah.

Sugiro aos não crentes que mantenham a mente aberta e olhem para o que o Alcorão tem a dizer. Há muito para ver, se o ler com olhos abertos. O Alcorão é simplesmente uma ferramenta e guia que devemos usar para viver um caminho correto. Promove paz, amor e uma forte confiança em Allah.

"E o que te fará entender o que é vencer as vicissitudes? É libertar um cativo, ou alimentar, num dia de privação, um parente órfão ou um indigente necessitado. É, ademais, contar-se entre os fiéis, que recomendam mutuamente a perseverança e se encomendam à misericórdia." (Al-Balad 12-17)

Adicione um comentário

Outros Artigos na Mesma Categoria

Mais visualizados

DAILY
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
TOTAL
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)

Favorito del editor

Listar Artigos

Desde sua última visita
Esta lista no momento está vazia.
Todos por data
(Leia mais...)
(Leia mais...)

Mais Populares

Melhores classificados
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
Mais enviados por email
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
Mais impressos
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
Mais comentados
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)

Seus Favoritos

Sua lista de favoritos está vazia.  Você pode adicionar artigos a esta lista usando as ferramentas do artigo.

Sua História

Sua história está vazia.

View Desktop Version