L'articolo / video che hai richiesto non esiste ancora.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

요청한 문서 / 비디오는 아직 존재하지 않습니다.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

המאמר / הסרטון שביקשת אינו קיים עדיין.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

L'articolo / video che hai richiesto non esiste ancora.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

요청한 문서 / 비디오는 아직 존재하지 않습니다.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

המאמר / הסרטון שביקשת אינו קיים עדיין.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

Adoração no Islã (parte 3 de 3): A Abrangência da Adoração

Classificação:   
Tamanho da fonte:

Descrição: A vida inteira de um muçulmano transformada em adoração, e um retorno ao estado original de harmonia com todos, o Criador e as criaturas.

  • Por IslamReligion.com
  • Publicado em 09 Mar 2009
  • Última modificação em 18 Mar 2009
  • Impresso: 350
  • Visualizado: 10887 (média diária: 3)
  • Classificação: 5 de 5
  • Classificado por: 1
  • Enviado por email: 0
  • Comentado em: 0

Como mencionado anteriormente, a definição de adoração no Islã é abrangente, incluindo tudo que a pessoa compreende, pensa, pretende, sente, diz e faz.  Também se refere a tudo que Deus requer, externo, interno ou interativo.  Isso tanto inclui rituais quanto crenças, trabalho, atividades sociais e comportamento pessoal.

Existe uma distinção entre o que é bom, o que é mal e o que é neutro.  Uma coisa boa é aquela que está de acordo com os propósitos e natureza feitos por Deus.  Leva à harmonia e é, portanto, uma recompensa em si porque remove o conflito e o sofrimento.  Disso se conclui que qualquer coisa que esteja de acordo com essa definição deve ser uma forma de adoração.

O entendimento islâmico de adoração permite que toda a vida de uma pessoa seja um ato de adoração, desde que o objetivo dessa vida seja agradar a Deus, o que é alcançado fazendo o bem e evitando o mal.  Uma pessoa pode transformar atividades diárias em atos de adoração purificando sua intenção e sinceramente buscando a satisfação de Deus através dessas atividades.  O Mensageiro de Deus, que Deus exalte sua menção, disse:

“Ajudar uma pessoa ou seus pertences em sua montaria é um ato de caridade.  Uma palavra boa é caridade.  Cada passo dado no caminho para realizar as orações é caridade.  Remover um obstáculo da estrada é caridade.” (Saheeh Al-Bukhari)

Ganhar o sustento pode ser uma forma de adoração. Os Companheiros viram um homem e ficaram atônitos com seu trabalho duro e indústria.  Eles lamentaram: “Se ele estivesse fazendo todo esse trabalho em nome de Deus...”

O Mensageiro de Deus disse:

“Se ele estiver trabalhando para sustentar seus filhos pequenos, então isso é em nome de Deus.  “Se ele estiver trabalhando para sustentar seus pais idosos, então isso é em nome de Deus.  Se ele estiver trabalhando para se ocupar e manter seus desejos sob controle, então isso é em nome de Deus.  Se, por outro lado, ele estiver fazendo isso apenas para se exibir e ganhar fama, então ele está trabalhando em nome de Satanás.” (al-Mundhiri, as-Suyuti)

Mesmo os atos mais naturais podem se tornar atos de adoração se forem acompanhados pela intenção adequada: O Mensageiro de Deus disse:

“Quando um de vocês se aproxima de sua esposa, isso é um ato de caridade.” (Saheeh Muslim)

O mesmo pode ser dito sobre comer, dormir e trabalhar, e atributos de bom caráter, como sinceridade, honestidade, generosidade, coragem e humildade, podem se tornar adoração através de intenção sincera e obediência deliberada a Deus.

Para que esses atos mundanos sejam contados como atos de adoração merecedores de recompensa divina, as seguintes condições devem ser atendidas:

A.    A ação deve ser acompanhada pela intenção apropriada.  O Mensageiro de Deus disse:

“As ações valem pelas intenções, e uma pessoa só recebe aquilo que pretendeu.” (Saheeh Al-Bukhari)

B.    A ação deve ser lícita em si mesma.  Se a ação for algo proibido, quem a executa merece punição.  O Mensageiro de Deus disse:

“Deus é puro e bom, e Ele aceita somente o que é puro e bom.” (Saheeh Muslim)

C.    Os ditames da Lei Islâmica devem ser completamente observados.  Engodo, opressão e iniqüidade devem ser evitados.  O Mensageiro de Deus disse:

“Aquele que engana não é um de nós.” (Saheeh Muslim)

D.    A atividade não deve impedir a pessoa de cumprir suas obrigações religiosas.  Deus diz:

“Ó vós que credes! Que vossas riquezas e vossos filhos não vos distraiam da lembrança de Deus.” (Alcorão 63:9)

Como vemos aqui, o conceito de adoração no Islã não está restrito ao mero monasticismo, meditação ou reconhecimento da realidade na qual Deus nos criou, nem é baseada em mero ritualismo e execução de certos atos sem significados aparentes.  Ao contrário, o Islã combinou o interior e o exterior e definiu o que é virtude e estabeleceu para ela uma recompensa.  É através dessa abrangência do conceito de adoração que os humanos podem cumprir o propósito para o qual foram criados.  Deus diz:

“E Eu não criei os jinns e os humanos, exceto para Me adorarem.” (Alcorão 51:56)

É exigido dos humanos que não vivam de acordo com seus desejos subjetivos, automatismo, condicionamento mental ou de acordo com o que ditam as autoridades sociais, políticas ou acadêmicas, mas de acordo com seu propósito cósmico inerente em nós: a adoração de Deus.

“Então ergue tua face para a religião, a natureza estabelecida por Deus com a qual Ele criou a humanidade.  Não há alteração na criação de Deus, essa é a religião reta, mas a maioria dos homens não sabe.” (Alcorão 30:30)

Quando alguém vive sua vida cumprindo os aspectos que Deus ordenou, deixando as coisas que Deus proibiu, e ajustando cada uma de suas ações à Vontade de Deus, sua vida, de manhã até a noite, do momento do nascimento até a morte, estará voltada para a adoração pela qual será recompensado.  Esse foi o estado dos Profetas, como Deus diz:

“De fato, minha oração, meu sacrifício, minha vida e minha morte são de Deus, o Senhor dos mundos.” (Alcorão 6:162)

Quando alguém alcança esse estado, entra em harmonia com o resto da criação e volta ao estado natural do ser, assim como todas as outras criações de Deus estão inconscientemente em constante adoração de Deus, como Ele disse:

“Não viste que diante de Deus se prostra quem está nos céus e na terra, o sol, a lua, as estrelas,  as montanhas, as árvores, os animais e muitos entre a humanidade...” (Alcorão 22:18)

Partes deste Artigo

Visualizar todas as partes juntas

Adicione um comentário

Outros Artigos na Mesma Categoria

Mais visualizados

DAILY
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
TOTAL
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)

Favorito del editor

Listar Artigos

Desde sua última visita
Esta lista no momento está vazia.
Todos por data
(Leia mais...)
(Leia mais...)

Mais Populares

Melhores classificados
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
Mais enviados por email
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
Mais impressos
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
Mais comentados
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)

Seus Favoritos

Sua lista de favoritos está vazia.  Você pode adicionar artigos a esta lista usando as ferramentas do artigo.

Sua História

Sua história está vazia.

View Desktop Version