L'articolo / video che hai richiesto non esiste ancora.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

요청한 문서 / 비디오는 아직 존재하지 않습니다.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

המאמר / הסרטון שביקשת אינו קיים עדיין.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

L'articolo / video che hai richiesto non esiste ancora.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

요청한 문서 / 비디오는 아직 존재하지 않습니다.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

המאמר / הסרטון שביקשת אינו קיים עדיין.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

Profecias Bíblicas sobre Muhammad (parte 1 de 4): Testemunho dos Eruditos

Classificação:   
Tamanho da fonte:

Descrição: A evidência bíblica de que Muhammad não é um falso profeta.  Parte 1: As dificuldades enfrentadas na discussão de profecias bíblicas, e os relatos de alguns eruditos que atestaram que Muhammad foi mencionado na Bíblia.

  • Por IslamReligion.com
  • Publicado em 04 Jan 2009
  • Última modificação em 29 Oct 2017
  • Impresso: 761
  • Visualizado: 39840 (média diária: 10)
  • Classificação: 3 de 5
  • Classificado por: 8
  • Enviado por email: 3
  • Comentado em: 1

Assuntos Preliminares

A Bíblia é a escritura sagrada do Judaísmo e Cristianismo.  A Bíblia cristã consiste do Velho e do Novo Testamento, com as versões Católica Romana e Ortodoxa do Velho Testamento ligeiramente maiores por causa de sua aceitação de certos livros não aceitos como escritura pelos Protestantes.  A Bíblia judaica inclui apenas os livros conhecidos pelos cristãos como o Velho Testamento.  Além disso, a organização dos cânones judaicos e cristãos difere consideravelmente.[1]  O Profeta Muhammad foi profetizado tanto no Velho quanto no Novo Testamento.

Acredita-se que Jesus e os Apóstolos falavam aramaico.  O aramaico continuou em amplo uso até por volta de 650 A.D, quando foi suplantado pelo árabe.[2]  A Bíblia atual não é, entretanto, baseada nos manuscritos aramaicos, mas nas versões grega e latina.

Citar as profecias bíblicas não significa que os muçulmanos aceitam a Bíblia atual em sua totalidade como revelação de Deus.  Sobre a crença islâmica nas escrituras anteriores, por favor, clique aqui.

 Não é uma pré-condição de aceitação que um profeta seja profetizado por um profeta anterior.   Moisés foi um profeta para o Faraó mesmo não tendo sido profetizado por ninguém antes dele.  Abraão foi um profeta de Deus para Nimrod, e ninguém profetizou a sua vinda.  Noé, Lot, e outros foram verdadeiros profetas de Deus, e não foram profetizados.  A evidência da verdade de um profeta não está limitada a antigas profecias, mas inclui a mensagem trazida por ele, milagres e mais.

Discutir profecias é uma questão delicada.  Requer examinar minuciosamente versões e traduções bíblicas, manuscritos descobertos recentemente, pesquisar e investigar palavras em hebraico, grego e aramaico.   A tarefa se torna especialmente difícil quando: “antes do advento da imprensa (século 15), todas as cópias da Bíblia mostram variações textuais.”[3]  Não é um assunto fácil para leigos.  Por essa razão, o melhor testemunho vem de especialistas antigos e modernos na área, que reconheceram as profecias.

Nós temos registros de judeus e cristãos primitivos, monges e rabinos, que testemunharam que Muhammad foi o cumprimento de profecias bíblicas específicas.  Abaixo estão alguns exemplos dessas pessoas.

O Profeta Esperado

Judeus e cristãos da Arábia pré-islâmica esperavam por um profeta.  Antes do aparecimento de Muhammad, a Arábia era o lar de judeus, cristãos e árabes pagãos que, na ocasião, estavam em guerra uns com os outros.  Os judeus e cristãos diziam: “Chegou o momento de um profeta iletrado surgir que reviverá a religião de Abraão.  Nós nos uniremos às suas fileiras e travaremos uma violenta luta contra vocês.”  Quando Muhammad efetivamente apareceu, alguns deles acreditaram nele, e alguns se recusaram.  Foi por isso que Deus revelou:

“E quando lhes chegou um Livro [Alcorão] de Deus confirmando o que estava com eles – embora eles costumassem orar por vitória contra os descrentes - mas quando chegou o que eles reconheceram, descreram; então, que a maldição de Deus esteja com os descrentes.” (Alcorão 2:89)

A primeira testemunha foi Buhaira, um monge cristão, que reconheceu a missão profética de Muhammad quando ele ainda era jovem e disse a seu tio:

“...um grande destino está diante de seu sobrinho, então o leve para casa rapidamente.”[4]

 

 

A segunda testemunha foi Waraqah bin Nawfal, um erudito cristão que morreu logo depois do encontro solitário com Muhammad.  Waraqah atestou que Muhammad era o Profeta de seu tempo e recebeu revelação exatamente como Moisés e Jesus.[5]

Os judeus de Medina esperavam ansiosamente pela chegada de um profeta.  A terceira e a quarta testemunhas foram seus dois famosos rabinos, Abdullah bin Salam e Mukhayriq.[6]

A sexta e a sétima testemunhas também foram rabinos iemenitas, Wahb ibn Munabbih e Ka’b al-Ahbar (morto em 656 E.C).  Ka’b encontrou longas passagens de louvor e a descrição do Profeta profetizado por Moisés na Bíblia.[7]

O Alcorão afirma:

“Não lhes é um sinal que os sábios dos Filhos de Israel o conheçam [como verdadeiro]?” (Alcorão 26:197)



Footnotes:

[1] “Bible.” (“Bíblia”)  Enciclopédia Britânica de Encyclopædia Britannica Premium Service. (http://www.britannica.com/eb/article-9079096)

[2] “Aramaic language.” (“Língua Aramaica”)  Enciclopédia Britânica de Encyclopædia Britannica Premium Service. (http://www.britannica.com/eb/article-9009190)

[3] “biblical literature.” (“literatura bíblica”)  Enciclopédia Britânica de Encyclopædia Britannica Premium Service. (http://www.britannica.com/eb/article-73396)

[4] ‘Muhammad: His Life Based on the Earliest Sources’ (Muhammad: Sua Vida Baseada nas Fontes Mais Antigas’) de Martin Lings, p. 29. ‘Sirat Rasul Allah’ (‘Biografia do Mensageiro de Allah’) de Ibn Ishaq, traduzido por A. Guillame, p. 79-81. ‘The Quran And The Gospels: A Comparative Study,’ (‘O Alcorão e os Evangelhos: Um Estudo Comparativo’) p. 46 do Dr. Muhammad Abu Laylah da Universidade de Azhar.

[5] ‘Muhammad: His Life Based on the Earliest Sources’ (Muhammad: Sua Vida Baseada nas Fontes Mais Antigas’) de Martin Lings, p. 35.

[6] ‘The Quran And The Gospels: A Comparative Study,’ (‘O Alcorão e os Evangelhos: Um Estudo Comparativo’) p. 47 do Dr. Muhammad Abu Laylah da Universidade de Azhar.

[7] ‘The Quran And The Gospels: A Comparative Study,’ (‘O Alcorão e os Evangelhos: Um Estudo Comparativo’) p. 47-48 do Dr. Muhammad Abu Laylah da Universidade de Azhar.

Partes deste Artigo

Visualizar todas as partes juntas
Comentários de Usuário Visualizar comentários

Adicione um comentário

Outros Artigos na Mesma Categoria

Mais visualizados

DAILY
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
TOTAL
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)

Favorito del editor

Listar Artigos

Desde sua última visita
Esta lista no momento está vazia.
Todos por data
(Leia mais...)
(Leia mais...)

Mais Populares

Melhores classificados
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
Mais enviados por email
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
Mais impressos
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
Mais comentados
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)

Seus Favoritos

Sua lista de favoritos está vazia.  Você pode adicionar artigos a esta lista usando as ferramentas do artigo.

Sua História

Sua história está vazia.

View Desktop Version