您所请求的文章/视频尚不存在。

The article/video you have requested doesn't exist yet.

L'articolo / video che hai richiesto non esiste ancora.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

요청한 문서 / 비디오는 아직 존재하지 않습니다.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

המאמר / הסרטון שביקשת אינו קיים עדיין.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

您所请求的文章/视频尚不存在。

The article/video you have requested doesn't exist yet.

L'articolo / video che hai richiesto non esiste ancora.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

요청한 문서 / 비디오는 아직 존재하지 않습니다.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

המאמר / הסרטון שביקשת אינו קיים עדיין.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

O Propósito da Criação (parte 3 de 3): A Tradição Hindu

Classificação:   
Tamanho da fonte:

Descrição: Uma introdução à pergunta mais intrigante da história humana, e uma discussão sobre as fontes que podem ser usadas para encontrar a resposta.  Parte 3: Um olhar nas Escrituras Hindus, e uma conclusão para o assunto.

  • Por Dr. Bilal Philips
  • Publicado em 19 Jan 2009
  • Última modificação em 19 Jan 2009
  • Impresso: 374
  • Visualizado: 16611 (média diária: 4)
  • Classificação: 3.7 de 5
  • Classificado por: 3
  • Enviado por email: 0
  • Comentado em: 0

Tudo é Deus

As escrituras hindus ensinam que existem muitos deuses, encarnações de deuses, pessoas de Deus e que tudo é Deus, Brama.  Apesar da crença de que o ego (atman) de todas as criaturas vives é de fato Brama, um opressivo sistema de castas se desenvolveu no qual os Brâmanes, a casta sacerdotal, possui supremacia espiritual pelo nascimento.  Eles são os professores dos Vedas e representam o ideal de pureza ritual e prestígio social.  Por outro lado, a casta Sudra é excluída do status religioso e seu único dever na vida é “servir humildemente” as outras três castas e suas milhares de subcastas.

De acordo com os filósofos monistas hindus, o propósito da humanidade é a realização de sua divindade e – seguindo um caminho (marga) para emancipação (moksha) no ciclo do renascimento – a reabsorção da alma humana (atman) na realidade suprema, Brama.  Para aqueles que seguem o caminho bhakti, o propósito é amar a Deus porque Deus criou a humanidade para “desfrutar uma relação - como um pai desfruta de seu filho” (Srimad Bhagwatam).  Para o hindu comum, o principal objetivo da vida terrena reside na conformidade com os deveres sociais e rituais e com as normas tradicionais de conduta para sua casta – o caminho do carma.

Embora a maior parte da religião dos textos vedas, que revolve em torno de rituais de sacrifício de fogo, tenha sido eclipsada pelas doutrinas e práticas hindus encontradas em outros textos, a autoridade e sacralidade absolutas dos Vedas permanece um dogma central de virtualmente todas as seitas e tradições hindus.   Os Vedas são compostos de quatro coletâneas e a mais antiga é o Rigveda (“Sabedoria dos Versos”).   Nesses textos, Deus é descrito nos termos mais confusos.  A religião refletida no Rigveda é um politeísmo preocupado principalmente com deidades apaziguadoras associadas com o céu e a atmosfera. As mais importantes são Indra (deus dos céus e da chuva), Baruna (guardião da ordem cósmica), Agni (o fogo sacrificial) e Surya (o Sol).  Nos textos védicos posteriores, o interesse nos deuses rigvédicos declina e o politeísmo começa a ser substituído por um panteísmo sacrifical à Prajapati (“Senhor das Criaturas”), que é Tudo.  Nos Upanishads (ensinamentos secretos referentes a equações cósmicas), Prajapati funde o conceito de Brama, a realidade suprema e substância do universo, substituindo qualquer personificação específica, transformando, portanto, a mitologia em filosofia abstrata.  Se os conteúdos dessas escrituras fossem tudo que os seres humanos tivessem para escolher para orientação, teria-se que concluir que Deus ocultou a Si próprio e o propósito da criação da humanidade.

Deus não é o autor de confusão, nem Ele deseja dificuldades para a humanidade.  Conseqüentemente, quando Ele revelou Sua comunicação final à humanidade mil e quatrocentos anos atrás, Ele Se assegurou de que fosse perfeitamente preservada para todas as gerações de seres humanos que estavam por vir.  Nessa escritura final, o Alcorão, Deus revelou Seu propósito para criar a humanidade e, através de Seu último profeta, Ele esclareceu todos os detalhes que o homem pode compreender.  É com base nessa revelação e nas explicações proféticas que devemos analisar as respostas precisas à pergunta “Por que Deus criou o homem?”...

Partes deste Artigo

Visualizar todas as partes juntas

Adicione um comentário

Outros Artigos na Mesma Categoria

Mais visualizados

DAILY
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
TOTAL
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)

Favorito del editor

Listar Artigos

Desde sua última visita
Esta lista no momento está vazia.
Todos por data
(Leia mais...)
(Leia mais...)

Mais Populares

Melhores classificados
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
Mais enviados por email
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
Mais impressos
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
Mais comentados
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)

Seus Favoritos

Sua lista de favoritos está vazia.  Você pode adicionar artigos a esta lista usando as ferramentas do artigo.

Sua História

Sua história está vazia.

View Desktop Version