Статьи / видео вы запросили еще не существует.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

您所请求的文章/视频尚不存在。

The article/video you have requested doesn't exist yet.

あなたが要求した記事/ビデオはまだ存在していません。

The article/video you have requested doesn't exist yet.

L'articolo / video che hai richiesto non esiste ancora.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

요청한 문서 / 비디오는 아직 존재하지 않습니다.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

המאמר / הסרטון שביקשת אינו קיים עדיין.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

Статьи / видео вы запросили еще не существует.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

您所请求的文章/视频尚不存在。

The article/video you have requested doesn't exist yet.

L'articolo / video che hai richiesto non esiste ancora.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

요청한 문서 / 비디오는 아직 존재하지 않습니다.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

המאמר / הסרטון שביקשת אינו קיים עדיין.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

Perdão versus retaliação (parte 1 de 2): Perdoar ou não perdoar, eis a questão

Classificação:
Tamanho da fonte:

Descrição: Uma breve explicação da lei conhecida como Qisas e sua conexão com o perdão.

  • Por Aisha Stacey (© 2017 IslamReligion.com)
  • Publicado em 30 Jan 2017
  • Última modificação em 30 Jan 2017
  • Impresso: 8
  • Visualizado: 4232 (média diária: 3)
  • Classificação: sem comentários
  • Classificado por: 0
  • Enviado por email: 0
  • Comentado em: 0

http://www.islamreligion.com/articles/images/Forgiveness_vs._Retaliation_(part_1_of_2)._001.jpgO Islã é uma religião que leva em conta a natureza da humanidade. Afinal, Aquele que nos criou nos conhece bem.  Não fomos criados perfeitos e cometemos erros, esquecemos, pecamos, somos presas de nossas emoções e hormônios e nosso senso de justiça pode não ser tão finamente ajustado quanto possamos desejar ou pensar.  Assim, as doutrinas do Islã, as duas fontes principais de jurisprudência, o Alcorão e a Sunnah (às vezes chamada de tradições autênticas do profeta Muhammad), estabelecem as diretrizes sob as quais a lei é aplicada.  Ao contrário de sociedades seculares modernas, não há separação entre religião e estado.  Para a sociedade islâmica funcionar, as leis de Deus devem ser aplicadas.

O Islã repete o princípio do olho por olho do Torá ou Velho Testamento e usa a pena capital e punições corporais para muitos crimes.  Entretanto, o que é ignorado com frequência é que o Alcorão e as tradições do profeta Muhammad convidam ao perdão, ao invés de retaliação. O Islã e seus princípios legais apoiam o perdão e arranjos pacíficos entre todas as partes.  A segunda das três categorias de crimes na lei islâmica é Qisas.  Islamicamente qisas significa a lei de retaliação, mas é derivada da raiz qess, que significa rastrear o efeito ou traço de algo e também pode ser definido como rastrear as pegadas de um inimigo.

"Quando castigardes, fazei-o do mesmo modo como fostes castigados; porém, se fordes pacientes será preferível para os que forem pacientes." (Alcorão 16:126)

"Temos-lhes prescrito: vida por vida, olho por olho, nariz por nariz, orelha por orelha, dente por dente e as retaliações tais e quais; mas quem indultar um culpado, isto lhe servirá de expiação. Aqueles que não julgarem conforme o que Deus tem revelado serão iníquos." (Alcorão 5:45)

Qisas é especificamente para assassinato ou ataques graves.  Toda vez que uma pessoa causa ferimentos ou morte a outro, o ferido ou a família do morto tem o direito de retaliar.  Em crimes cobertos pelas leis de Qisas, a vítima ou a família da vítima tem três opções: insistir na punição, aceitar compensação monetária ou perdoar o criminoso. O perdão pode até evitar a pena de morte.[1]O Alcorão encoraja o perdão e a misericórdia, mesmo nas circunstâncias mais difíceis.

"Tendes, no talião, a segurança da vida, ó sensatos, para que vos refreeis." (Alcorão 2:179)

Como mencionado acima, a lei da retaliação ou qisas se refere a um conjunto particular de crimes que podem ser legalmente punidos da mesma forma e no mesmo nível. No caso de ataque grave, por exemplo, a vítima tem o direito de escolher um olho por um olho, uma orelha por uma orelha, uma perna por uma perna. A qisas também permite que a vítima ou seu representante escolha um resultado diferente. Pode aceitar compensação, também conhecida como dinheiro de sangue ou, em árabe, diya. O pagamento da diya é calculado com base em uma escala proporcional do nível de incapacidade ou ferimento causado. Por outro lado, a vítima ou seu representante podem também optar por perdoar e, apesar da legalidade de todas as três escolhas, o Alcorão deixa claro que a melhor opção é o perdão.  No Islã a reconciliação é sempre preferível à retaliação.

"...quanto àquele que indultar (possíveis ofensas dos inimigos) e se emendar, saiba que a sua recompensa pertencerá a Deus..." (Alcorão 42: 40)

Um psicólogo renomado disse uma vez que sem o perdão a vida é governada por um ciclo interminável de ressentimento e retaliação.  Independente de qual dos três resultados a vítima escolhe, o objetivo é colocar um fim ao ciclo de retribuição e retaliação e não deixar as repercussões do crime persistirem e prejudicarem a comunidade islâmica. Em outras palavras, a qisas limita as consequências.  A necessidade da vítima por justiça é satisfeita, ao mesmo tempo em que previne dano desnecessário ao perpetrador.

A combinação de diya com perdão produz um incentivo material e espiritual poderoso para abrir mão da retribuição.  Quando a vítima tem o direito de escolher, em muitos casos escolhe perdoar porque a recompensa de Deus é mais desejável do que qualquer benefício terreno ou do que a satisfação passageira de ver a imposição da punição terrena.

O profeta Muhammad escolheu o perdão de maneira consistente, ao invés da retaliação. Seu comportamento é o melhor exemplo de perdão e compaixão.  Os crimes contra ele eram geralmente vis e humilhantes e, ainda assim, ele adotava as palavras de Deus literalmente e escolhia a gentileza sobre a raiva.  Tinha o poder e os meios para retaliar e, ainda assim, quanto maior o crime contra ele, mais leniente ele se tornava.

"Conserva-te indulgente, encomenda o bem e foge dos insipientes." (Alcorão 7:199)

Nesse artigo examinamos a lei de qisas e descobrimos que o perdão é o melhor curso de ação.  Entretanto, Deus conhece a necessidade humana por justiça nesse mundo e, assim, nos proveu com um método de retaliação que é justo.  Mas em todo o Alcorão e nas tradições do profeta Muhammad nos é dito que o perdão é melhor e no próximo artigo descobriremos por que.  Você não deseja ser perdoado por Deus?

"...porém, que os tolerem e os perdoem. Não vos agradaria, por acaso, que Deus vos perdoasse? Ele é Indulgente, Misericordiosíssimo." (Alcorão 24:22)

"Ao contrário, quem perseverar e perdoar, saberá que isso é um fator determinante em todos os assuntos." (Alcorão 42:43)



Notas de rodapé:

[1] Punishment in Islam: An Eye For An Eye?" Al-Haramain Online Newsletter, Volume 4, 8ª edição, Julho de 2000.

 

 

Perdão versus retaliação (parte 2 de 2): Superar a raiva e perdoar

Classificação:
Tamanho da fonte:

Descrição: Por que o perdão pode ser melhor que a retaliação.

  • Por Aisha Stacey (© 2017 IslamReligion.com)
  • Publicado em 30 Jan 2017
  • Última modificação em 30 Jan 2017
  • Impresso: 10
  • Visualizado: 3326 (média diária: 2)
  • Classificação: sem comentários
  • Classificado por: 0
  • Enviado por email: 0
  • Comentado em: 0

ForgivenessVs.Retaliation2.jpgComo explicado na parte 1, Deus entende a natureza intrincada da humanidade.  Algumas pessoas não ficarão satisfeitas sem algum tipo de vingança ou retaliação contra aqueles que lhes fizeram uma injustiça, com todo o direito.  Entretanto, a religião do Islã nos fala de várias coisas que devem ser tidas em mente antes de retaliar.

A primeira e possivelmente mais importante razão para perdoar ao invés de retaliar é que o Alcorão e as tradições do profeta Muhammad nos encorajam a fazê-lo.  O perdão significa abrir mão do direito de retaliação pelo erro que alguém cometeu contra você.  Deus oferece recompensas inumeráveis para aqueles que perdoam.  É algo que se conta entre a boa moral e características nobres que todos os crentes devem almejar.  Até na agonia do desespero essas recompensas são extremamente valiosas e se for possível exercer a paciência e pensar antes de retaliar, pode-se constatar que, de fato, perdoar é melhor. 

"...que reprimem a cólera; que indultam o próximo. Sabei que Deus aprecia os benfeitores. " (Alcorão 3:134)

O Profeta Muhammad disse: "No Dia do Juízo um conclamador dirá: "Quem dentre vós está entre as pessoas gentis?" Algumas pessoas se levantarão.  "E então lhes é dito: "Entrem no paraíso."  Os anjos os encontram e perguntam: "Para onde?" Respondem: "Para o paraíso".  Os anjos dizem: "Antes de serem julgados?" Respondem: "Sim."  Os anjos perguntam: "Quem são vocês?" Respondem: "Somos as pessoas gentis".  Os anjos perguntam: "E qual foi sua gentileza?" Respondem: "Costumávamos ser tolerantes quando oprimidos, pacientes quando agredidos e perdoávamos quando ofendidos."  Os anjos então dizem: "Entrem no paraíso. Que excelente recompensa para os bons e virtuosos que têm boas obras.""[1]

Deus nos exorta várias vezes a pensarmos, sermos pacientes, superarmos nossa raiva e perdoarmos.  Um dos companheiros do profeta Muhammad disse uma vez que em qualquer disputa referente à retaliação, ele nunca viu o profeta ordenar nada, exceto remissão.  Quando alguém é injusto conosco ou comete o mal contra nós, somos encorajados a responder com atos bons e gentis, para que o ódio entre nós evapore.

"Jamais poderão equiparar-se a bondade e a maldade! Retribui (ó Muhammad) o mal da melhor forma possível, e eis que aquele que nutria inimizade por ti converter-se-á em íntimo amigo!" (Alcorão 41:34)

"Quando castigardes, fazei-o do mesmo modo como fostes castigados; porém, se fordes pacientes será preferível para os que forem pacientes." (Alcorão 16:126)

O Islã permite a retaliação como uma ferramenta para alcançar a justiça, acalmar a raiva, aliviar o sofrimento emocional, prevenir a opressão do criminoso e colocar um fim à força excessiva.  Ao mesmo tempo, encoraja que a pessoa prejudicada perdoe quem lhe prejudicou.   Entretanto, tendo dito isso, ao tentar decidir entre a retaliação permissível e o perdão, vale lembrar que o próprio Deus é o Mais Justo. 

"E instalaremos as balanças da justiça para o Dia da Ressurreição. Nenhuma alma será defraudada no mínimo que seja; mesmo se for do peso de um grão de mostarda, tê-lo-emos em conta. Bastamos Nós por cômputo." (Alcorão 21:47)

Outra boa razão para pensar sobre o perdão antes da retaliação ou raiva, é que existe uma conexão direta entre a forma como tratamos os outros e a forma como Deus nos trata.   O profeta Muhammad usava essa parábola para ilustrar isso.   "Havia um mercador que costumava estender o crédito para as pessoas.  Se constatasse que um de seus clientes estava em dificuldades, dizia aos assistentes: "Perdoem os débitos deles, talvez Deus venha a nos perdoar." Deus o perdoou."[2]

Deus descreve os crentes como:

"...São aqueles que se abstêm dos pecados graves e das obscenidades e que, embora zangados, sabem perdoar." (Alcorão 42:37)

A incapacidade de perdoar pode nos afetar emocional, espiritual e até fisica, de maneira profunda.  Causa estresse e má saúde.  Quando você perdoa alguém, não apenas abre mão de seu direito à retaliação, mas também abre mão de sentimentos de revanche e ressentimento.  Pesquisa recente especificamente sobre os benefícios do perdão à saúde mostra que as pessoas capazes de fazer essa mudança mental entre retaliação e perdão podem se beneficiar de formas que não previram[3].  Um estudo até alega que as pessoas que as pessoas que perdoam vivem mais.[4]

Perdoar e esquecer é um dito ouvido com frequência e embora esquecer possa parecer impossível para alguns erros que são cometidos contra nós, perdoar equivale a confiar somente em Deus.  Deus retirará o fardo de nossas mentes e corações.  Não perdoar geralmente se baseia em uma tentativa inconsciente de nos manter a salvo e em controle de nossa própria esfera de influência.  Um crente sabe, entretanto, que isso é apenas uma ilusão de segurança e controle.  É Deus Quem nos mantêm a salvo e é Ele que tem o poder para controlar todos os eventos, desde a queda de uma folha de uma árvore até a hora de nossa morte.

"Ele possui as chaves do incognoscível, coisa que ninguém, além d’Ele, possui;  Ele sabe o que há na terra e no mar;  E não cai uma folha (da árvore) sem que Ele disso tenha ciência;" (Alcorão 6:59)

Talvez um dos exemplos mais admiráveis de perdão, no lugar da retaliação, tenha acontecido quando o profeta Muhammad conquistou a cidade de Meca.  Ele e seus seguidores deixaram a cidade depois de serem abusados, torturados, expulsos de suas casas, passarem fome, serem humilhados, assassinados e mutilados.  Quando entrou em Meca humildemente, em um jumento, o profeta Muhammad tinha o poder de exercer qualquer revanche que quisesse.  Podia ter retaliado da maneira que achasse adequada e, ainda assim, escolheu o perdão.  Disse ao povo de Meca as mesmas palavras que o profeta José disse aos irmãos. 

"Hoje não sereis recriminados! Eis que Deus vos perdoará, porque é o mais clemente dos misericordiosos." (Alcorão 12:92)



Notas de rodapé:

[1] Al-Baihaqi

[2] Saheeh Al-Bukhari, Saheeh Muslim

[3] http://www.psychologytoday.com/blog/fulfillment-any-age/201301/live-longer-practicing-forgiveness

[4] Toussaint, L.  L., Owen, A.  D., & Cheadle, A.  (2012).  Forgive to live: Forgiveness, health, and longevity.  Journal Of Behavioral Medicine, 35(4), 375-386.  doi:10.1007/s10865-011-9362-4

Partes deste Artigo

Visualizar todas as partes juntas

Adicione um comentário

Mais visualizados

Diariamente
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
Total
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)

Favorito del editor

Listar Artigos

Desde sua última visita
Esta lista no momento está vazia.
Todos por data
(Leia mais...)
(Leia mais...)

Mais Populares

Melhores classificados
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
Mais enviados por email
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
Mais impressos
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
Mais comentados
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)

Seus Favoritos

Sua lista de favoritos está vazia.  Você pode adicionar artigos a esta lista usando as ferramentas do artigo.

Sua História

Sua história está vazia.

View Desktop Version