Статьи / видео вы запросили еще не существует.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

您所请求的文章/视频尚不存在。

The article/video you have requested doesn't exist yet.

あなたが要求した記事/ビデオはまだ存在していません。

The article/video you have requested doesn't exist yet.

L'articolo / video che hai richiesto non esiste ancora.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

요청한 문서 / 비디오는 아직 존재하지 않습니다.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

המאמר / הסרטון שביקשת אינו קיים עדיין.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

Статьи / видео вы запросили еще не существует.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

您所请求的文章/视频尚不存在。

The article/video you have requested doesn't exist yet.

L'articolo / video che hai richiesto non esiste ancora.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

요청한 문서 / 비디오는 아직 존재하지 않습니다.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

המאמר / הסרטון שביקשת אינו קיים עדיין.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

Tratar convidados da maneira islâmica

Classificação:
Tamanho da fonte:

Descrição: Os direitos dos convidados e as responsabilidades deles em relação aos anfitriões.

  • Por Aisha Stacey (© 2017 IslamReligion.com)
  • Publicado em 04 Sep 2017
  • Última modificação em 04 Sep 2017
  • Impresso: 1
  • Visualizado: 1705 (média diária: 3)
  • Classificação: sem comentários
  • Classificado por: 0
  • Enviado por email: 0
  • Comentado em: 0

TreatingGuest.jpgNo curso de suas vidas cotidianas, talvez ouça os muçulmanos falarem sobre a maneira islâmica. A maneira islâmica de vestir, de comer e de se lavar.  Isso é porque o Islã é uma maneira holística de vida.   Não está separada em áreas física, emocional e espiritual. Ao contrário, ensina que todos os aspectos da vida se combinam para cumprir um propósito: adorar a Deus.

"E não criei a Humanidade e os Jinns exceto para Me adorarem." (Alcorão 51:56)

Todas as ações realizadas diariamente e durante o curso da vida podem ser elevadas à condição de adoração simplesmente fazendo-as como ensinado pelo profeta Muhammad, que a misericórdia e as bênçãos de Deus estejam sobre ele, e para buscar a satisfação de Deus. 

Nesse artigo olharemos para a maneira islâmica de tratar os convidados.  O profeta Muhammad nos lembrou do status elevado daquele que trata bem seus convidados quando disse: "...Deixe o crente em Deus e no Dia do Juízo honrar seu convidado." [1] Honrar, ou tratar bem o convidado, está associado com duas das crenças mais importantes no Islã, crença em Deus e crença no Dia do Juízo.  No Islã, a relação de hospitalidade é triangular e consiste do anfitrião, o convidado e Deus.  A hospitalidade é um direito, ao invés de uma dádiva, e o dever de fornecê-la é um dever com Deus.

Quando um convidado chega à sua casa, seja ele ou ela esperado ou não, se lembrar de algumas coisas simples é fácil dar ao seu convidado uma experiência agradável e colher as recompensas obtidas por agradar a Deus.  Saúde os convidados calorosamente, dê-lhes as boas vindas e coloque-os em um ambiente confortável e apropriado.  Apresse-se em prover comida e bebida para que não tenham que pedir.  O profeta Muhammad mostrava respeito pelos convidados oferecendo a eles a melhor comida no momento certo.  

O convidado também tem responsabilidades.  Uma delas é anunciar sua visita com antecedência, sempre que possível.  Outra é apressar-se para provar as refeições e orar pelo e pedir bênçãos para o anfitrião.   Depois de cuidar das necessidades iniciais de seu convidado, o muçulmano deve ter interesse em sua conversa.  Entretanto, se o convidado falar ou se engajar em atividade ilícita, o muçulmano tem todo o direito de pedir que se abstenha de fazê-lo.

É dever de o anfitrião fazer com que o convidado se sinta confortável.  Uma maneira de fazer isso é identificando suas possíveis necessidades antecipadamente.  É melhor oferecer ao convidado algo antes que ele ou ela tenha a chance de pedir, porque um convidado cortês pode hesitar em mencionar qualquer necessidade.  Por conta de sua preocupação, esse tipo de convidado pode até tentar impedir que o anfitrião ofereça algo.   O Alcorão apresenta o exemplo do profeta Abraão antecipando as necessidades do convidado e apressando-se para atendê-las. 

Tens ouvido (ó Mensageiro) a história dos honoráveis hóspedes de Abraão? Quando se apresentaram a ele e disseram: Paz!, respondeu-lhes: Paz! (E pensou): "É gente desconhecida." E voltou rapidamente para os seus, e trouxe (na volta) um bezerro cevado.  Que lhes ofereceu...Disse (ante a hesitação deles): "Não comeis?" (Alcorão 51: 24-27)

Em outra tradição o profeta Muhammad disse: "Quem acredita em Deus e no Último Dia, que honre seu vizinho; quem acredita em Deus e no Último Dia, que honre seu convidado da forma como ele tem direito." Foi dito: "Qual é o direito dele, Ó Mensageiro de Deus?" Ele disse: "[O melhor tratamento] por um dia e uma noite e hospitalidade por três dias; qualquer coisa além disso é caridade conferida a ele. E quem acreditar em Deus e no Último Dia deve dizer algo bom ou ficar em silêncio." [2] 

O Profeta Muhammad também disse: "...E não é lícito para um convidado ficar com seu anfitrião por um período longo, de modo a colocá-lo em uma situação crítica."[3] Mais uma vez, a responsabilidade do convidado é ter em mente as condições de seu anfitrião e não sobrecarregá-lo com o que ele não pode arcar.  Todos têm vários deveres e obrigações que devem ser atendidas, muitas das quais podem não ser óbvias ou visíveis para o convidado.  Ao prolongar a estada pode-se inadvertentemente colocar o anfitrião sob pressão insuportável.

Um dos grandes sábios do Islã, Abu Hamid Muhammad ibn Muhammad al-Ghazali (1058–1111 EC) escreveu um belo parágrafo em um de seus livros sobre a generosidade do profeta Muhammad com seus convidados. "Costumava honrar seus convidados; até oferecia sua vestimenta para um convidado se sentar nela, mesmo que não fosse da família.  Costumava oferecer sua própria almofada e insistia para que a aceitassem.  Ninguém que chegou a ele como convidado saiu sem achar que fosse a mais generosa de todas as pessoas.  Dava a cada um de seus companheiros que se sentava com ela a devida atenção e direcionava seus ouvidos, conversa, olhares e atenção para todos os seus companheiros.  Seus encontros eram caracterizados pela modéstia, humildade e honestidade.  Costumava chamar seus companheiros pelos seus apelidos favoritos, para honrá-los..."[4]

Os companheiros ficavam ansiosos para imitar os modos do profeta Muhammad.  Um versículo no Alcorão foi revelado destacando a hospitalidade demonstrada a um convidado pelos companheiros Abu Talha e sua esposa Umm Sulaim.  Abu Talha recebeu um viajante faminto em sua casa, muito embora tivessem muito pouco para comer.  Pediu à esposa que trouxesse qualquer provisão que tivessem e deu-a ao convidado.  Enquanto o convidado comia à vontade, eles fingiram comer sob a luz fraca das velas.  No dia seguinte o profeta Muhammad deu-lhes as boas vindas de que Deus tinha revelado um versículo sobre eles e sua generosidade.  

" ... preferem-nos, em detrimento de si mesmos.   Sabei que eles que se preservarem da avareza serão os bem-aventurados." (Alcorão 59: 9)

Um convidado desfruta de lugar especial no Islã.  Honrar o convidado está atrelado à fé de um verdadeiro crente.  Nossos predecessores virtuosos compreenderam e se empenharam para implementar essa atitude, até o mais pobre deles, às vezes causando sua própria privação.  Em todo o mundo você encontrará muçulmanos fazendo o melhor para oferecer hospitalidade ao convidado em sua casa ou comunidade.  Entreter um convidado é importante - significa respeito e preocupação de um anfitrião em relação ao seu convidado e a Deus.  A hospitalidade no Islã é um triângulo que liga Deus, o convidado e o anfitrião. 



Notas de rodapé:

[1] Saheeh Muslim

[2] Saheeh Al-Bukhari

[3] Saheeh Al-Bukhari

[4] Tirado de The Message of Islam, de Abdul-Rahman Al-Sheba. Traduzido por Ghalib Masri.

Adicione um comentário

Outros Artigos na Mesma Categoria

Mais visualizados

DAILY
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
TOTAL
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)

Favorito del editor

Listar Artigos

Desde sua última visita
Esta lista no momento está vazia.
Todos por data
(Leia mais...)
(Leia mais...)

Mais Populares

Melhores classificados
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
Mais enviados por email
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
Mais impressos
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
Mais comentados
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)

Seus Favoritos

Sua lista de favoritos está vazia.  Você pode adicionar artigos a esta lista usando as ferramentas do artigo.

Sua História

Sua história está vazia.

View Desktop Version