El artículo / video que has solicitado no existe todavía.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

您所请求的文章/视频尚不存在。

The article/video you have requested doesn't exist yet.

あなたが要求した記事/ビデオはまだ存在していません。

The article/video you have requested doesn't exist yet.

L'articolo / video che hai richiesto non esiste ancora.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

요청한 문서 / 비디오는 아직 존재하지 않습니다.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

המאמר / הסרטון שביקשת אינו קיים עדיין.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

El artículo / video que has solicitado no existe todavía.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

您所请求的文章/视频尚不存在。

The article/video you have requested doesn't exist yet.

L'articolo / video che hai richiesto non esiste ancora.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

요청한 문서 / 비디오는 아직 존재하지 않습니다.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

המאמר / הסרטון שביקשת אינו קיים עדיין.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

O amor dos companheiros pelo profeta Muhammad (parte 2 de 2): Devoção sem comparação

Classificação:
Tamanho da fonte:

Descrição: Em um mundo violento um homem ficou ao lado da retidão e foi recompensado com a devoção e amor de seus seguidores.  

  • Por Aisha Stacey (© 2016 IslamReligion.com)
  • Publicado em 21 Mar 2016
  • Última modificação em 27 Mar 2016
  • Impresso: 9
  • Visualizado: 3076 (média diária: 3)
  • Classificação: sem comentários
  • Classificado por: 0
  • Enviado por email: 0
  • Comentado em: 0

LoveOfCompanions2.jpgA Arábia era uma sociedade violenta e dominada por homens.  Os fortes eram bem-sucedidos enquanto que os fracos pereciam.  As mulheres eram menos que bens e os bebês do sexo feminino eram enterrados vivos, com menos cuidado do que hoje enterramos nossos animais de estimação.  Essas eram as condições sob as quais viviam os homens, mulheres e crianças que se tornaram companheiros do profeta Muhammad.  Foi nessa sociedade sem lei que Deus interveio e deu ao mundo o homem conhecido como "uma misericórdia para a humanidade".  Esse era um homem que valorizava a vida, honestidade e generosidade.  As pessoas o admiravam por sua confiabilidade antes mesmo da revelação do Islã.  Era carismático e acessível a todos, homens, mulheres e crianças. 

"Nós te enviamos [Ó Muhammad] como uma misericórdia para todos os mundos." (Alcorão 21:107)

Muhammad era um homem altruísta que devotou os últimos 23 anos de sua vida ensinando seus companheiros e seguidores como adorar Deus e respeitar a humanidade.   Transmitiu a mensagem imbuída com conceitos de misericórdia, perdão e justiça para todos.  Era uma mensagem de muito apelo para os pobres e destituídos, dos quais havia muitos, mas também tinha muito apelo para os ricos. 

O profeta Muhammad viveu em mundo em que os fortes dominavam e os fracos pereciam, mas mesmo antes do Islã ele era um homem acolhedor e de coração gentil, cujas características e qualidades admiráveis faziam as pessoas se aproximarem dele.  Era um jovem casto e contemplativo e, ainda assim, os jovens selvagens e indisciplinados gostavam de compartilhar de sua companhia.  Era o que chamamos hoje de um bom rapaz, no qual se podia confiar.  Quando se tornou adulto o profeta Muhammad era conhecido como um bom amigo e homem de negócios honesto.  Entre as pessoas de Meca era conhecido como Al-Amin - o confiável.  Recorriam a ele em busca de julgamento e aconselhamento e, por causa de sua honestidade, geralmente lhe pediam para mediar disputas ou custodiar itens. 

As pessoas que conheciam melhor o profeta Muhammad tiveram pouca dificuldade de aceitar sua missão profética ou a mensagem impressionante com a qual buscou inspirar as pessoas.  Estavam cientes de seu caráter, particularmente sua ausência de arrogância, e sua compaixão pelos menos afortunados do que ele próprio.  Entre os primeiros seguidores do profeta Muhammad estavam muitos pobres, destituídos e solitários.  Corriam para o seu lado, ansiosos por conforto em suas palavras e atos.  Muitos sentiam como se finalmente tivessem alguém que compreendia suas necessidades físicas e se importava com o estado de suas almas.  Entretanto, infelizmente essas pessoas foram as primeiras a serem ridicularizadas e então torturadas e abusadas por suas novas crenças.  Não tinham apoio tribal e muitos sofreram terrivelmente por causa de seu apego ao profeta Muhammad e aceitação de sua mensagem do Islã.

De acordo com o biógrafo Ibn Ishaq, um escravo chamado Bilal sofreu terrivelmente por sua aceitação imediata da mensagem de Muhammad.   Foi espancado sem misericórdia, arrastado pelas ruas e vales de Meca pelo pescoço e sujeito a longos períodos sem comida ou água.   Relata-se que seu dono Umayya ibn Khalaf "na parte mais quente do dia o deitou de costas no chão do vale, colocou uma grande pedra sobre seu peito e disse ‘ficará aí até que morra ou negue Muhammad e adore al-Lat e al-’Uzza’".[1] Bilal não renunciou ao Islã e no meio de seu sofrimento pronunciou uma única palavra - Ahad (significando Deus Único).

Depois de vários anos de boicote econômico, abuso e tortura, os novos muçulmanos não tiveram escolha exceto migrar para a cidade de Yathrib (Medina).  Lá as pessoas estavam prontas para dar as boas vindas ao profeta Muhammad como seu líder secular e espiritual, mas deixar Meca, especialmente em massa, se provou problemático.  Os líderes de Meca já estavam indignados porque o profeta Muhammad ousou questionar e alterar seus estilos de vida.  Agora, partir sem punição e sem se arrepender lhes parecia ser o maior dos insultos.  Nesse período os companheiros do profeta Muhammad também demonstraram sua devoção e amor por ele.  Os muçulmanos começaram a migrar e os politeístas não pouparam esforços para prejudicá-los.

Um jovem chamado Hubaib foi enforcado no cadafalso e, para salvar sua própria vida, deveria dizer que desejava que o profeta Muhammad estivesse em seu lugar.  Ele respondeu à exigência com grande coragem dizendo: "Nunca! Não só não quero que tome meu lugar, como não quero que nem um espinho perfure seu pé." Ouviu-se um dos líderes de Meca dizer: "Nunca vi ninguém no mundo tão amado por seus amigos como Muhammad é amado pelos seus companheiros."[2]

Enquanto muitos muçulmanos partiram encobertos pela escuridão, um homem chamado Suhaib expressou abertamente seu desejo de migrar.  Os líderes de Meca começaram a insultá-lo e a dissuadi-lo, até claramente exigir que permanecesse em Meca.  Suhaib, um homem rico, lhes ofereceu toda sua fortuna em troca do direito de partir sem obstruções e isso foi, por fim, aceito.  Esses companheiros não se preocuparam em abrir mão de tudo que tinham para estar com o homem que amavam e admiravam.  Quando o profeta Muhammad ouviu sobre o dilema de Suhaib e o que ele fez para migrar, disse: "Suhaib fez uma troca bem-sucedida!"[3]

Logo os líderes de Meca cercaram sua própria cidade para impedir a migração para Medina.  Observavam de perto a casa do profeta Muhammad, sabendo que enquanto ele permanecesse em Meca nem tudo estava perdido.  Na noite em que o profeta Muhammad decidiu partir para Medina com seu amigo e confidente Abu Bakr, seu jovem primo Ali escolheu ficar em seu lugar na casa disfarçado como o profeta.   Ali dormiu na cama de Muhammad, coberto pelo manto de Muhammad.  Ali sentia que era protegido por Deus porque estava tentando proteger o mensageiro de Deus.  Os homens guardando a casa não tinham ideia de que o profeta Muhammad havia escapado de sua rede.   Entretanto, durante o dia Ali foi interrogado sobre o paradeiro dos dois fugitivos, sem dizer nada. 

Essa anedota também serve para nos lembrar de que as mulheres não eram menos devotadas ao profeta Muhammad, que Deus o exalte.  Quando não foi obtida nenhuma informação de Ali sobre o paradeiro do profeta, começaram a intimidar e abusar fisicamente de Asma, a filha de Abu Bakr, companheiro de viagem do profeta Muhammad.  Aparentemente essa jovem foi seriamente esbofeteada no rosto e cabeça.  Mas Asma não foi detida e levou alimentos para o profeta e o pai enquanto se escondiam nas cavernas fora de Meca.

Todos os companheiros do profeta Muhammad pensavam nele com amor e afeição e eram mais devotados a ele que aos seus próprios bem-estar e conforto.  Os companheiros se preocupavam com as necessidades dele e dedicaram suas vidas a ele e a mensagem do Islã.  Se suas dedicações fossem mencionadas, respondiam dizendo: "Ó profeta de Deus, você nos é mais querido que nossos próprios pais".



Notas de rodapé:

[1]Idolatria pelo povo de Meca.

[2] Ibn Sai’d

[3] Ibn Hisham.

Partes deste Artigo

Visualizar todas as partes juntas

Adicione um comentário

Outros Artigos na Mesma Categoria

Mais visualizados

DAILY
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
TOTAL
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)

Favorito del editor

Listar Artigos

Desde sua última visita
Esta lista no momento está vazia.
Todos por data
(Leia mais...)
(Leia mais...)

Mais Populares

Melhores classificados
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
Mais enviados por email
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
Mais impressos
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
Mais comentados
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)

Seus Favoritos

Sua lista de favoritos está vazia.  Você pode adicionar artigos a esta lista usando as ferramentas do artigo.

Sua História

Sua história está vazia.

View Desktop Version