您所请求的文章/视频尚不存在。

The article/video you have requested doesn't exist yet.

あなたが要求した記事/ビデオはまだ存在していません。

The article/video you have requested doesn't exist yet.

L'articolo / video che hai richiesto non esiste ancora.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

요청한 문서 / 비디오는 아직 존재하지 않습니다.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

המאמר / הסרטון שביקשת אינו קיים עדיין.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

您所请求的文章/视频尚不存在。

The article/video you have requested doesn't exist yet.

L'articolo / video che hai richiesto non esiste ancora.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

요청한 문서 / 비디오는 아직 존재하지 않습니다.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

המאמר / הסרטון שביקשת אינו קיים עדיין.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

Escravidão (parte 1 de 2): Uma Revisão

Classificação:
Tamanho da fonte:

Descrição: O artigo discute três questões: (a) escravidão na tradição judaico-cristã (b) escravidão antes da guerra civil nos EUA (c) escravidão moderna.

  • Por Imam Mufti (© 2016 IslamReligion.com)
  • Publicado em 02 May 2016
  • Última modificação em 25 Jun 2019
  • Impresso: 8
  • Visualizado: 7353 (média diária: 6)
  • Classificação: sem comentários
  • Classificado por: 0
  • Enviado por email: 0
  • Comentado em: 0

Slavery1.jpgPrimeiro, um judeu ou cristão com conhecimento sabe muito bem que a escravidão é discutida na Bíblia.  A lei judaica tem muito a dizer sobre escravos e seu tratamento.  Essa questão não está aberta ao debate.  É fato que todo rabino e pastor treinados estão cientes.

Segundo, assim como os judeus e os cristãos não discutem a escravidão em seus ensinamentos e sermões, os muçulmanos não ensinam muito sobre o assunto.  Por quê? A razão simples é que a escravidão na forma como existia nos tempos antigos não existe mais.  Falar sobre "escravidão no Islã" como se os muçulmanos a praticassem hoje é desonestidade. 

Todos os países têm leis contra a escravidão.  Entretanto, especialistas dizem que a escravidão hoje assumiu uma forma nova, que discutiremos brevemente.

Definição de escravidão da ONU

O escravo tem três características que o definem: sua pessoa é propriedade de outro ser humano, seu desejo é completamente sujeito à autoridade de seu dono e seu trabalho é obtido por coação.[1] A comunidade internacional condenou a escravidão como um das piores violações aos direitos humanos e a definição clássica de escravidão, estabelecida na Convenção sobre a Escravidão de 1926 é: "O status ou condição de uma pessoa sobre a qual qualquer ou todo o poder vinculado ao direito de propriedade é exercido."[2] Em 1956 foram acrescentadas várias definições adicionais de escravidão: servidão por débito, servidão, a prática de casamento forçado, transferência de esposas, herança de esposas e transferência de uma criança com o propósito de exploração.[3]

Raízes da escravidão na Bíblia

A Bíblia, tanto no Velho quanto no Novo Testamento, endossa a escravidão.[4] A Bíblia existia antes do Alcorão.

A Bíblia afirma que uma vez Noé acordou e constatou que um de seus filhos, Cam, tinha lhe visto nu.  Noé amaldiçoou seu filho pelo comportamento inadequado e todos os descendentes de Canaã, o filho de Cam, dizendo: "Escravo de escravos será para os seus irmãos" (Gên. 9:25).  Deve-se destacar que essa história ou algo semelhante não se encontra no Alcorão ou nos ensinamentos do profeta Muhammad, que a misericórdia e bênçãos de Deus estejam sobre ele. 

Existe uma longa tradição entre cristãos que Cam é o pai das raças negras da África, Sem é o pai dos semitas (que incluem os árabes e judeus) e Jafé é o pai dos povos brancos.  Portanto, considera-se que essa passagem da Bíblia deu supremacia às raças brancas e fez das raças negras seus servos.[5] Essa "passagem bíblica se tornou a justificativa para a escravidão dos negros por muitos séculos."[6] Não muito tempo atrás, na África do Sul, a Igreja Reformada se referia a essa "maldição" para apoiar o "direito" dos brancos de governar os negros.

A escravidão é mencionada duas vezes nos dez mandamentos encontrados na Bíblia,[7] mas nem uma vez nos dez mandamentos do Alcorão. 

O Levítico 25:44-46 (um dos livros do Torá atual, a escritura judaica) é um texto chave para a justificativa bíblica da escravidão.  Diz que Deus disse aos judeus: "E quanto aos escravos ou às escravas que chegares a possuir, das nações que estiverem ao redor de vós, delas é que os comprareis... E deixá-los-eis por herança aos vossos filhos depois de vós, para os herdarem como possessão."

Abraão, "aquele que Deus escolheu para Seu amor", e "o pai dos crentes", comprou escravos de Arão (Gên. 12:50), armou 318 escravos nascidos em sua própria casa (Gên. 14:14), incluiu-os em sua lista de propriedades (Gên. 12:16, 24:35-36) e os deixou para seu filho Isaque (Gên. 26:13-14).  A Bíblia diz que Deus abençoou Abração pela multiplicação de seus escravos (Gên. 24:35).  Na casa de Abraão os anjos disseram a Agar, sua escrava, para retornar para Sara.  Os anjos disseram a ela: "Volta para a tua senhora e humilha-te diante dela" (Gên. 16:9).

Ao comando de Deus Josué fez escravos (Josué 9:23), assim como Davi (1 Reis 8:2,6) e Salomão (1 Reis 9:20-21).

Jó, a quem a Bíblia chama de "imaculado e íntegro", foi "um grande dono de escravos." Ver Jó 1:15-17, 3:19, 7:2, 31:13, 42:8 onde Jó fala de seus escravos.[8]

Jesus aceitou a escravidão.  Os Evangelhos atuais não têm uma única palavra atribuída a Jesus que diga algo sobre a escravidão.  Jesus se encontrou com escravos (Lucas 7:2-10, 22:50, etc.) e fez as parábolas dos escravos (Mateus 13:24-30, 18:23-35, 22:1-14, Lucas 12:25-40, 14:15-24, etc.), mas nunca falou contra a escravidão.  Compare com o que o profeta árabe do Islã disse sobre escravos no próximo artigo.

Em aproximadamente setenta passagens os discípulos falaram diretamente em apoio a escravidão.  Disseram aos escravos para aceitar seus destinos e instruíram seus donos a tratá-los com bondade (1 Coríntios 7:20-21, Efésios 6:5-9, Col. 3:22-25, 1 Tim 6:1-2, Tit 2:9-10, Filemon 10-18, 1 Pedro 2:18-19).  1 Tim 6:1-3 instrui os escravos a aceitarem sua posição e a obedecerem a seus donos porque é ordenado pelo "Senhor Jesus Cristo."

A maioria dos teólogos e estudiosos cristãos até o final do século passado acreditava que a Bíblia sancionava a escravidão.  A lista inclui Agostinho, Aquino, Lutero, Calvino e outros.[9]

Em 1835 o sínodo presbiteriano de West Virginia atacou o movimento de libertação dos escravos, chamando-o de uma crença contrária "à autoridade mais clara da palavra de Deus."[10]

O Relatório da Assembleia geral (presbiteriana) da Velha Escola de 1845 concluiu que a escravidão era baseada em "algumas das declarações mais claros da Palavra de Deus".[11]

Em 1861um rabino, Dr.  M.J.  Raphall de Nova Iorque, escreveu um panfleto muito divulgado intitulado "The Bible View of Slavery" (A visão bíblica da escravidão) em defesa da escravidão.[12]

Até 1957 John Murray, do Seminário teológico de Westminster[13], ainda argumentava que a Bíblia permite a instituição da escravidão e que os sábios cristãos anteriores estavam corretos em sua compreensão da Bíblia.

Escravidão na constituição dos EUA

O Compromisso dos três-quintos encontra-se no artigo 1, seção 2, parágrafo 3 da Constituição dos EUA.  O Compromisso dos 3/5 permite que mais donos de escravos se tornem legisladores, mesmo que os 3/5 da população de escravos computada não tivesse voz ou voto na democracia.

O Compromisso de comércio de escravos foi um acordo feito durante a Convenção constitucional de 1787 que protegia os interesses dos donos de escravos e impediu o Congresso de agir sobre o comércio de escravos por vinte anos.  O Compromisso de comércio de escravos interrompeu a importação depois de 1807, encorajando a reprodução de escravos dentro dos Estados Unidos e os leilões em todo o sul.

Escravidão depois da guerra civil americana[14]

A Guerra civil americana foi travada, em parte, por causa da escravidão.  Durante a guerra o presidente Abraham Lincoln emitiu a Proclamação de emancipação, que libertou todos os escravos nos estados rebeldes.  A vitória do norte em 1865 acabou com a escravidão legalizada em todos os Estados Unidos.

A escravidão como praticada no velho sul tirou dos negros qualquer controle sobre suas próprias vidas; deviam ser escravos por toda a vida, seus filhos nasciam na escravidão, eram proibidos de receber educação formal, punidos severamente por pequenos atos de desobediência, as famílias eram separadas com os filhos sendo vendidos e as mulheres eram exploradas sexualmente.  O sistema de escravos da América com base na raça foi elaborado para tirar a humanidade do escravo em todos os níveis, com base nas ideias tiradas da domesticação de animais.  A desumanização tinha um significado especial para o sistema escravocrata da América.  Na América os escravos eram marcados pela cor de sua pele.  Nisso o sistema escravocrata da América era apoiado pela religião americana: a Bíblia informou aos cristãos que os escravos não eram humanos totalmente iguais, mas sim descendentes de Canaã, marcados por Deus para serem inferiores e servos dos demais.[15]

Escravidão hoje

A escravidão legalizada pode ter terminado, mas a instituição existe hoje sob nomes diferentes.  Os Direitos Humanos das Nações Unidas afirma: "A escravidão foi a primeira questão de direitos humanos a despertar preocupação mundial e, ainda assim, continua nos dias de hoje."[16]  O Departamento de Estado dos EUA também reconhece a "escravidão moderna."[17]

Os escravos são mais baratos hoje do que jamais foram em aproximadamente 4.000 anos.  Em 1850 um escravo custava em torno de US$ 40.000 em moeda americana de hoje.  Agora um escravo custa de US$ 30 a US$ 90.  Existem 27 milhões de escravos em estimativas conservadoras e mais do que em qualquer período na história humana.[18]

"...entre 14.000 e 17.500 pessoas são traficadas para os Estados Unidos anualmente, de acordo com o governo dos EUA, a maioria é forçada à prostituição, servidão doméstica ou trabalho agrícola.  A qualquer tempo, entre 52.000 e 87.000 estão em servidão... de acordo com as Nações Unidas, e os lucros com o tráfico humano estão entre os três maiores para o crime organizado, depois das drogas e das armas."[19]



Notas de rodapé:

[1] Definição tirada de D.B. Davies, The Problem of Slavery in Western Cultures (Cornell University Press, 1966), 31.

[2] http://www2.ohchr.org/english/law/slavery.htm

[3] http://www2.ohchr.org/english/law/slavetrade.htm

[4] Artigo sobre escravidão no Velho e Novo Testamentos no New Bible Dictionary (2ª edição, Londres: IVP, 1986), 1121-1125.  Deve ser destacado que o New Bible Dictionary  tem uma ênfase evangélica.

[5] Griffith Thomas, Genesis: A Devotional Commentary (Grand Rapids: Eerdmas, reimpressão 1953), 95-99.

[6] David Brion Davis, Inhuman Bondage: The Rise and Fall of Slavery in the New World (Oxford University Press, 2006) 5.

[7] A maioria das pessoas não está ciente de que os Dez Mandamentos bíblicos mencionam a escravidão duas vezes, ver Êxodo 20:17 e Deuteronômio 5:21, exigindo que seja dado aos escravos um dia de descanso e proibindo a cobiça do escravo do vizinho.

[8] J.H.  Hopkins, A Scriptural, Ecclesiastical, and Historical View of Slavery, from the Days of the Patriarch Abraham, to the Nineteenth Century, (New York, 1864), 76.

[9] A.  Ruppercht, ‘Attitudes on Slavery Among the Church Fathers,’ in New Dimensions in New Testament Study (Grand Rapids: Zondervan, 1974), 261-277; J.  Kahl, ‘The Church as Slave-Owner,’ in The Misery of Christianity (Londres: Penguin, 1971).

[10] H.  Shelton Smith, In His Image, But…Racism in Southern Religion, 1719-1910 (North Carolina: Duke University Press, 1971) 172.

[11] J.  Murray, Principles of Conduct (London: IVP, 1957), 260.

[12] http://www.jewish-history.com/civilwar/raphall.html

[13] (Westminster Theological Seminary), uma escola de graduação cristã presbiteriana reformada localizada na Pensilvânia com uma localização via satélite em Londres.  Ver J.  Murray, Principles of Conduct (London: IVP, 1957).

[14] Siga a linha cronológica para aprender mais sobre a história da escravidão nos EUA.

[15] "North American Slave Narratives" é um projeto da Universidade da Carolina do Norte em Chapel Hill que coleta livros e artigos documentando a história coletiva e individual de afroamericanos lutando por liberdade e direitos humanos nos séculos dezoito e dezenove e no início do século vinte. 

 

Documentos que discutem a escravidão americana podem ser encontrados em American Slavery As It Is: Testimony of a Thousand Witnesses, 1839, de Theodore Weld, republicado em Slavery In America (Illinois: Peacock, 1972) e W.  L.  Rose (ed.), A Documentary History of Slavery in North America (Oxford University Press, 1976).   Para uma discussão autorizada da história da escravidão americana veja Inhuman Bondage: The Rise and Fall of Slavery in the New World de um historiador ganhador do Prêmio Pulitzer, David Brion Davis.

[16] http://www.ohchr.org/EN/Issues/Slavery/SRSlavery/Pages/SRSlaveryIndex.aspx)

[17] http://www.state.gov/j/tip/what/)

[18] www.freetheslaves.net)

[19] "Slavery is not dead, just less recognizable (A escravidão não acabou, só está menos reconhecível)" (http://www.csmonitor.com/2004/0901/p16s01-wogi.html)

 

 

Escravidão (parte 2 de 2): Escravidão na Lei Islâmica com algumas observações históricas

Classificação:
Tamanho da fonte:

Descrição: A escravidão é ilegal em todos os países muçulmanos.  O artigo destaca as regras humanas da Sharia para lidar com os escravos quando eles existiam.  São feitas referências às fontes primárias do Islã: o Alcorão e as instruções do profeta Muhammad.  Também, são feitas algumas observações históricas interessantes.

  • Por Imam Mufti (© 2016 IslamReligion.com)
  • Publicado em 02 May 2016
  • Última modificação em 25 Jun 2019
  • Impresso: 7
  • Visualizado: 6644 (média diária: 5)
  • Classificação: sem comentários
  • Classificado por: 0
  • Enviado por email: 0
  • Comentado em: 0

1. Princípio islâmico: as pessoas nascem livres e a escravidão é temporária.

O Alcorão afirma:

"Nós vos criamos de um homem e de uma mulher, e vos fizemos como nações e tribos, de modo que vos conheçais uns aos outros.  De fato, o mais honrado entre vós aos olhos de Deus é o mais temente." (Alcorão 49:13)

O Profeta do Islã declarou:

"Todos os seres humanos são filhos de Adão e Adão foi criado da terra."[1]

Slavery2.jpgO princípio de que os seres humanos nascem livres e a escravidão é acidental é aceito por todos os sábios do Islã.  Algumas consequências importantes desse princípio são:

·       Não é permitida a escravidão voluntária.  Uma pessoa livre não pode se tornar um escravo, mesmo que queira.

·       Uma pessoa livre não pode ser escravizada.  O ponto interessante é que os teólogos muçulmanos não decidiram isso, mas sim o profeta do Islã, Muhammad, que a misericórdia e bênçãos de Deus estejam sobre ele, que declarou ser um pecado há 1.400 anos.  Ele disse: "Existem três tipos de pessoas contra as quais testemunharei no Dia do Juízo.  Dessas três, uma é a que escraviza um homem livre, o vende e consome esse dinheiro."[2]

·       Uma criança não reclamada, sem pai ou mãe conhecidos, deve ser tratada como pessoa livre, mesmo que pareça ter pais escravos.

2. Um escravo tem direito a respeito e dignidade humana.

A própria palavra "escravo" tem conotações extremamente negativas de tratamento bárbaro.  Compare com a forma como o profeta da Misericórdia falou sobre os escravos há 1.400 anos:

"Seus servos são seus irmãos! Deus os colocou sob seu cuidado. Aquele cujo irmão está sob seu cuidado deve alimentá-lo com o que se alimenta e vesti-lo da mesma forma que se veste. E não os sobrecarreguem além de suas capacidades, mas se os sobrecarregá-los (com uma carga insuportável) ajude-os (compartilhando de seu fardo extra)."[3]

"Quando um servo prepara a sua comida e passa pela dificuldade do calor e da fumaça, você deve fazer com que ele (o servo) se sente e coma junto com você e, se não o fizer, que separe uma parte para o servo."[4]

O profeta da Misericórdia proibiu bater nos escravos.  Declarou que a expiação por bater ou esbofetear um escravo era libertá-lo[5].

Além disso, não se deve tratar o escravo com palavras ofensivas.  O profeta da Misericórdia disse para não chamá-los de "meu escravo ou minha escrava." Disse: "Todos vocês são servos de Deus!" Trate-os como "Ó meu rapaz, ó minha moça!"[6]

Umar ibn al-Khattab, o segundo califa do Islã, era tão apegado a Salim, um escravo liberto, que queria nomeá-lo para ser o califa, se estivesse vivo.  Salim costumava liderar os muçulmanos em oração, o que é considerado uma honra na tradição islâmica.

3. O Islã não iniciou o sistema de escravidão.  Existia no Judaísmo, no Cristianismo e na Índia e na China antes do Islã.

Desde o início o Islã abriu as portas para a libertação de escravos e para, no fim, acabar com a escravidão.  O paradigma islâmico não ignorou as realidades do mundo, nem o endossou.  O Islã o regulou.  Como a estudiosa alemã Annemarie Schimmel destacou: "...portanto, a escravidão é teoricamente condenada a desaparecer, com a expansão do Islã."[7]

A Sharia limitou seriamente os canais por meio dos quais o número de escravos podia se multiplicar.  A única fonte de escravidão era cativos de guerra legítima e as crianças nascidas de pais escravos.  No caso de guerra os cativos não tinham que ser escravizados.  A escritura islâmica estabeleceu outras opções de lidar com eles:

·       Libertação incondicional (Alcorão 47:4)

·       Resgate (Alcorão 47:4)

Depois de limitar as fontes de novos escravos, a lei islâmica lidou com a realidade dos escravos existentes. 

4.  O Islã garantiu direitos religiosos iguais para os livres e os escravos e também na maioria das questões civis.  As leis especiais eram para facilitar o trabalho deles.

Os escravos eram iguais aos homens livres em termos de obrigações religiosas e também em relação à recompensa e punição de Deus.  O testemunho de um escravo era aceitável.  Um escravo tinha direito a bens pessoais e à propriedade.  Eram iguais em termos de pagamento de indenização pela sua morte.  Deviam ser ajudados a conquistar a liberdade legalmente se assim escolhessem, por meio de um mecanismo conhecido como mukataba e tadbeer.  Esse mecanismo está consagrado por Deus na escritura muçulmana em 24:33.

5.  O Islã fez da libertação de escravos um ato de adoração que agrada a Deus. 

Estabeleceu a libertação de escravos como expiação de pecados e para atos específicos de transgressão.  Os muçulmanos eram encorajados a libertar escravos espontaneamente, para se livrarem do tormento do Inferno.  O estado também era uma fonte de libertação de escravos, uma vez que a Lei Islâmica dita que o zakat - caridade obrigatória dada pelos muçulmanos ricos ao estado - devia ser gasto na libertação de escravos, entre outras coisas (Alcorão 9:60).

6. O Islã integrou os escravos na sociedade. 

A questão da integração dos escravos libertos na sociedade foi discutida por alguns estudiosos contemporâneos.  A solução islâmica foi integrá-los na sociedade tornando-os parte das tribos e famílias.  O sistema era conhecido como "wala." O Profeta do Islã disse: "Libertar escravos é como estabelecer relações de sangue."[8]

Algumas observações históricas

1.  Abul Ala Maududi escreve em seu trabalho "A Posição da Escravidão no Islã": "Só o profeta libertou 63 escravos.  O número de escravos libertados por Aisha foi 67, Abbas libertou 70, ‘Abd Allah ibn ‘Umar libertou mil e ‘Abd al-Rahman comprou trinta mil e os libertou."

2.  "Zaid, o liberto do profeta, era encarregado do comando de tropas e os capitães mais nobres serviram sob suas ordens sem vacilar; e seu filho Osama foi honrado com a liderança da expedição enviada por Abu Bakr contra os gregos.  Kutb ud-dîn, o primeiro rei de Délhi e o verdadeiro fundador do império muçulmano na Índia, era um escravo."[9]

3.  "Até escravos domésticos comuns eram mais bem alimentados, vestidos e protegidos do que muitos homens e mulheres livres."[10]

4.  "Toda a história do Islã prova que os escravos podiam ocupar qualquer posição e muitos ex-escravos militares, geralmente recrutados entre os turcos da Ásia central, se tornaram líderes militares e com frequência até governantes no Irã, Índia (a dinastia escrava de Délhi) e Egito medieval (os mamelucos)."[11]

5. "...a exclusividade da relação dono-escravo que tipifica os sistemas de escravidão nunca foi parte da realidade otomana.  O sistema jurídico baseado na Sharia rompeu essa exclusividade ao permitir que os escravos reclamassem de mau tratamento, o que podia levar à libertação forçada.  Embora, como vimos, os tribunais fossem relutantes em intervir nas relações dono-escravo e o estado fosse cuidadoso em não forçar os donos a libertar escravos involuntariamente, havia um mecanismo de intermediação disponível o tempo todo, capaz de interferir na relação, se necessário."[12]

6.  "Quanto aos escravos da Arábia Saudita, compartilhavam do mesmo alimento, roupas e casas com seus donos. Muitos deles se tornaram governantes de vastas regiões e foram ativos na administração do estado."[13]

7. "...abolição tardia da escravidão na Arábia Saudita.  A escravidão foi abolida na Arábia Saudita em 1962...isso porque a Arábia Saudita não existia como estado moderno antes de 1932, o que significa que levou trinta anos após sua criação para acabar com a escravidão e sem uma guerra civil."[14]



Notas de rodapé:

[1] Abu Daud, Musnad, Baihaqi

[2] Saheeh Al-Bukhari, Ibn Majah

[3] Saheeh Al-Bukhari

[4] Saheeh Muslim

[5] hadith registrado em Saheeh Muslim

[6] hadith registrado em Saheeh Muslim

[7] Annemarie Schimmel, Islam An Introduction (Albany, NY: State University of New York Press, 1992), 67

[8] Darimi

[9] Ameer Ali, The Spirit of Islam: A History of the Evolution and Ideals of Islam with a Life of the Prophet Revised ed., (Londres: Christophers, 1922), p.  264

[10] Ehud R.  Toledano, Slavery and Abolition in the Ottoman Middle East (Seattle: University of Washington Press, 1998), p.  6

[11] Annemarie Schimmel, Islam An Introduction (Albany, NY: State University of New York Press, 1992), 67

[12] Ehud R.  Toledano, Slavery and Abolition in the Ottoman Middle East (Seattle: University of Washington Press, 1998), p.  161-162

[13] Princesa Reem Al Faisal, Slavery in US and Other Places: The Vital Difference, publicado por www.arabview.com

[14] Princesa Reem Al Faisal, Slavery in US and Other Places: The Vital Difference, publicado por www.arabview.com

Partes deste Artigo

Visualizar todas as partes juntas

Adicione um comentário

Mais visualizados

DAILY
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
TOTAL
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)

Favorito del editor

Listar Artigos

Desde sua última visita
Esta lista no momento está vazia.
Todos por data
(Leia mais...)
(Leia mais...)

Mais Populares

Melhores classificados
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
Mais enviados por email
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
Mais impressos
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
Mais comentados
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)

Seus Favoritos

Sua lista de favoritos está vazia.  Você pode adicionar artigos a esta lista usando as ferramentas do artigo.

Sua História

Sua história está vazia.

View Desktop Version