A religião do Islã  
 

 
 

Recomende Este Site
| More
 

As Cores Unidas do Islã (parte 2 de 3)

  
Descrição: A igualdade racial do Islã e exemplos práticos da história.  Parte 2: Exemplos da época do Profeta.
Por AbdurRahman Mahdi, www.Quran.nu, (editado por IslamReligion.com)
Publicado em 08 Mar 2010 - Última modificação em 22 Jun 2010
Visualizado: 5275 (média diária: 3) - Classificação: 1 de 5 - Classificado por: 1
Impresso: 287 - Enviado por email: 0 - Comentado em: 0

Categoria: Artigos > Atualidades > Direitos Humanos
Categoria: Artigos > Os Benefícios do Islã > Benefícios para a Sociedade

Salman, o Persa

Como a maioria de seus conterrâneos, Salman foi educado como um zoroastrino devoto.  Entretanto, após um encontro com alguns cristãos em adoração, ele aceitou o Cristianismo como “algo melhor”.  Salman então viajou extensivamente em busca de conhecimento, do serviço de um monge sábio a outro, o último deles disse: “Ó filho! Não conheço ninguém que tenha o mesmo credo que nós. Entretanto, o tempo da emergência de um Profeta está próximo. Este Profeta é da religião de Abraão.” O monge então prosseguiu descrevendo esse profeta, seu caráter e onde ele apareceria.  Salman migrou para a Arábia, a terra da profecia, e quando ouviu sobre Muhammad e o encontrou, imediatamente o reconheceu a partir das descrições de seu mestre e abraçou o Islã.  Salman se tornou renomado por seu conhecimento e foi a primeira pessoa a traduzir o Alcorão em outro idioma, o persa.   Uma vez, enquanto o Profeta estava entre seus Companheiros, o seguinte lhe foi revelado:

“Ele foi Quem escolheu, entre os iletrados, um Mensageiro da sua estirpe, para ditar-lhes os Seus versículos, consagrá-los e ensinar-lhes o Livro e a sabedoria, porque antes estavam em evidente erro. E ensinar aos outros (não-árabes) que o sucederão, porque Ele é o Poderoso, o Prudentíssimo.” (Alcorão 62:2-3)

O Mensageiro de Deus então colocou sua mão sobre Salman e disse:

“Mesmo que a Fé estivesse próxima das estrelas de Plêiades, um homem dentre esses (persas) certamente a alcançaria.” (Saheeh Muslim)

Suhaib, o Romano

Suhaib nasceu de forma privilegiada na casa luxuosa de seu pai, que era um governador dependente do imperador persa.  Enquanto era criança Suhaib foi capturado pelos invasores bizantinos e vendido como escravo em Constantinopla.

Suhaib finalmente escapou da escravidão e fugiu para Meca, um local popular de refúgio, onde logo se tornou um mercador próspero apelidado de “ar-Rumi”, o romano, devido ao seu idioma e educação bizantinos.  Quando Suhaib ouviu Muhammad pregar, foi imediatamente convencido da verdade de sua mensagem e abraçou o Islã.  Como todos os primeiros muçulmanos, Suhaib foi perseguido pelos pagãos de Meca.  Então ele negociou toda sua riqueza em troca de passagem segura para se unir ao Profeta em Medina, onde o Profeta, satisfeito ao ver Suhaib, o saudou três vezes: “Seu negócio deu frutos, Ó Suhaib! Seu negócio deu frutos!” Deus tinha informado ao Profeta da proeza de Suhaib antes de se reunirem com essa revelação:

“Entre os homens há também aquele que se sacrifica para obter a complacência de Deus, porque Deus é Compassivo para com os servos.” (Alcorão 2:207)

O Profeta amava muito Suhaib e o descreveu como tendo precedido a entrada dos romanos ao Islã.  A piedade e reputação de Suhaib entre os primeiros muçulmanos eram tão elevadas que quando o Califa Omar estava em seu leito de morte, ele selecionou Suhaib para liderá-los até que chegassem a um acordo sobre um sucessor.

Abdullah, o Hebreu

Os judeus eram outra nação que os árabes preislâmicos menosprezavam.  Muitos judeus e cristãos esperavam um novo profeta aparecer na Arábia durante o tempo do Profeta Muhammad.  Os judeus da tribo Levita, em particular, tinham se estabelecido em grandes números nos arredores da cidade de Medina.  Entretanto, quando o Profeta muito antecipado veio, não como um hebreu filho de Israel, mas como o árabe descendente de Ismael, os judeus o rejeitaram.  Exceto por uns poucos, como Hussein bin Salam.  Hussein era o rabino mais erudito e líder dos judeus medinenses, mas foi denunciado e vilificado por eles quando abraçou o Islã.  O Profeta renomeou Hussein como “Abdullah”, que significa “Servo de Deus”, e deu a ele as boas novas de que estava destinado ao Paraíso.  Abdullah se dirigiu aos homens de sua tribo dizendo:

“Ó assembléia de judeus! Tenham consciência de Deus e aceitem o que Muhammad trouxe. Por Deus! Certamente sabem que ele é Mensageiro de Deus e podem encontrar profecias sobre ele e a menção de seu nome e características em sua Torá. De minha parte declaro que ele é o Mensageiro de Deus. Tenho fé nele e acredito que ele é verdadeiro. Eu o reconheço.” Deus revelou o seguinte sobre Abdullah:

“Se (o Alcorão) emana de Deus e vós o negais, e mesmo um israelita confirma a sua autenticidade e nele crê, vós (judeus) vos ensoberbeceis!” (Alcorão 46:10)

Assim, entre os Companheiros do Profeta Muhammad podiam ser encontrados africanos, persas, romanos e israelitas, representantes de cada continente conhecido.  Como o Profeta disse:

“De fato, meus amigos e aliados não são dessa e daquela tribo. Ao invés disso, meus amigos e aliados são os piedosos, onde quer que estejam.” (Saheeh Al-Bukhari, Saheeh Muslim)

< AnteriorAs Cores Unidas do Islã (parte 1 de 3)   Próximo >As Cores Unidas do Islã (parte 3 de 3)
Partes deste Artigo
As Cores Unidas do Islã (parte 1 de 3)
As Cores Unidas do Islã (parte 2 de 3)
As Cores Unidas do Islã (parte 3 de 3)
Visualizar todas as partes juntas
Ferramentas de Artigo
PobreMelhor  Classifique este artigo Classifique
De volta ao topo De volta ao topo
Imprimir Imprimir Salve este artigo Salvar Envie este artigo por email para um amigo E-mail PDF PDF
Adicione um comentário sobre este artigo Adicione um comentário Visualizar ou ocultar comentários sobre este artigo Visualizar comentários (Sem comentários) Adicione este artigo aos seus favoritos neste site Favoritos do site Adicione este artigo aos favoritos do Explorer Favorites do Explorer
| More
Outros Artigos na Mesma Categoria
Categoria: Artigos > Atualidades > Direitos Humanos
Direitos Humanos no Islã (parte 1 de 3): Direitos para toda a Humanidade
Direitos Humanos no Islã (parte 2 de 3): Artigos 1, 2 & 3
Direitos Humanos no Islã (parte 3 de 3): Escravidão e Tortura
Categoria: Artigos > Os Benefícios do Islã > Benefícios para a Sociedade
Coesão Social no Islã (parte 1 de 3): Vínculos de Fé
Coesão Social no Islã (parte 2 de 3): Fraternidade Islâmica
Coesão Social no Islã (parte 3 de 3): Muçulmanos e Não-Muçulmanos
Paz e Segurança (parte 1 de 3): Paz com Deus
Paz e Segurança (parte 2 de 3): Sociedade
Paz e Segurança (parte 3 de 3): Consciência de Deus
O Valor do Tempo
   

Home Page Home Page

Contate-nos Contate-nos

EnglishEspañol
FrançaisDeutsch
РусскийPortuguês
中文日本語
Italian

  Ajuda Online  
Online diariamente:
De  para 
(de acordo com o horário de seu PC)

  Login  
Usuário
Senha
Lembre-se de mim
Esqueceu sua senha?
Não tem conta? Registro & Por que?

  Mais Populares  

  Listar Artigos  

  Seus Favoritos

Sua lista de favoritos está vazia.  Você pode adicionar artigos a esta lista usando as ferramentas do artigo.


  Sua História

Sua história está vazia.

Desabilitar o registro de minha história