L'articolo / video che hai richiesto non esiste ancora.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

요청한 문서 / 비디오는 아직 존재하지 않습니다.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

המאמר / הסרטון שביקשת אינו קיים עדיין.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

L'articolo / video che hai richiesto non esiste ancora.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

요청한 문서 / 비디오는 아직 존재하지 않습니다.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

המאמר / הסרטון שביקשת אינו קיים עדיין.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

A História do Alcorão (parte 3 de 4): Uma Revelação bem Preservada e Protegida

Classificação:
Tamanho da fonte:

Descrição: Como as palavras de Deus vieram a ser compiladas em livro.

  • Por Aisha Stacey (© 2012 IslamReligion.com)
  • Publicado em 18 Jun 2012
  • Última modificação em 17 Jun 2012
  • Impresso: 9468
  • Visualizado: 6927 (média diária: 4)
  • Classificação: sem comentários
  • Classificado por: 0
  • Enviado por email: 0
  • Comentado em: 0

“Nós revelamos a Mensagem e somos o Seu Preservador.” (Alcorão 15:9)

Quando Deus revelou Suas palavras de orientação para toda a humanidade - o Alcorão - Ele garantiu que o preservaria.  Uma das formas nas quais foi preservado foi que os homens, mulheres e crianças ao redor do profeta Muhammad memorizaram o Alcorão, prestando muita atenção a cada palavra.  Nos primeiros dias do Islã a ênfase era na memorização, mas logo aqueles que tinham se tornado mestres na arte de ler e escrever começaram a registrar as palavras do Alcorão em qualquer material de escrita disponível.   Escreviam em pedras planas, cascas de árvore, ossos e até em peles de animais.

À medida que as palavras de Deus eram reveladas ao profeta Muhammad, que a misericórdia e bênçãos de Deus estejam sobre ele, pelo anjo Gabriel, diz-se que ele chamava um escriba para registrar as palavras quando começavam a fluir de seus lábios.  O principal escriba era um homem chamado Zaid Ibn Thabit.  Muitos companheiros relataram que o profeta Muhammad chamava Zaid dizendo “que ele traga a tábua, o pote de tinta e a omoplata.” [1] Na vida do profeta o Alcorão existiu em pedaços de material escrito, ao invés de em forma de livro.

Uma das razões porque o Alcorão não estava em forma de livro era porque não tinha sido revelado em ordem.  Os capítulos e versículos foram revelados em um período de 23 anos, geralmente em resposta a acontecimentos na vida e momentos da primeira comunidade muçulmana.  Entretanto, a ordem dos capítulos e versículos do Alcorão era conhecida pelo profeta Muhammad.  Quando o anjo Gabriel revelava as palavras divinas de Deus, também dava instruções a quais versículos e capítulos pertenciam.

O Alcorão foi registrado sob a supervisão direta do profeta Muhammad.  Uthman, um dos companheiros mais próximos do profeta, lembrava que “quando algo lhe era revelado, o profeta Muhammad chamava alguém entre os que costumavam escrever para ele e dizia “coloque os versículos no capítulo na qual isso e isso é mencionado” e se somente um versículo fosse revelado, ele dizia “coloque esse versículo nesse capítulo.” [2]

Assim, na época da morte do profeta pedaços do Alcorão eram mantidos em confiança por muitos membros da comunidade muçulmana.  Alguns tinham apenas umas poucas páginas das quais tinham aprendido a recitar e outros, como os escribas, tinham vários capítulos. Outros ainda tinham pedaços de cascas de árvore ou couro de animal contendo apenas um versículo.

Durante a época de Abu Bakr, o homem escolhido para liderar a nação muçulmana depois da morte do profeta Muhammad, a comunidade muçulmana se viu em uma época de guerra civil.  Falsos profetas surgiram e muitas pessoas desnorteadas, incapazes de manter a fé sem o profeta Muhammad, deixaram o Islã.  Batalhas e escaramuças ocorreram e muitos dos homens que tinham memorizado o Alcorão perderam suas vidas.

Abu Bakr temia que o Alcorão se perdesse e então consultou alguns dos companheiros mais antigos sobre compilar o Alcorão em um único livro.  Pediu a Zaid ibn Thabit para supervisionar a tarefa.  A princípio Zaid não se sentiu confortável fazendo algo que o profeta Muhammad não tinha especificamente autorizado.  Entretanto, concordou em coletar pedaços do Alcorão, tanto escrito quanto memorizado e compilar um livro - o Mushaf.  Nas tradições do profeta Muhammad encontramos a própria lembrança de Zaid ibn Thabit de como aconteceu a compilação do Alcorão.[3]

“Abu Bakr me procurou quando as pessoas de al-Yamamah foram mortas [ou seja, vários companheiros do profeta que combatiam o falso profeta Mussailima]. Fui até ele e encontrei Umar ibn al-Khattab sentado com ele. Abu Bakr então me disse: “Umar veio dizer que as perdas foram pesadas, entre aqueles que sabiam o Alcorão de cor. Temo que perdas mais pesadas possam ocorrer em outros campos de batalha e uma grande parte do Alcorão seja perdida.  Portanto, sugiro que você (Abu Bakr) ordene que o Alcorão seja compilado.”

Disse a Umar: “Como pode fazer algo que o mensageiro de Deus não fez?” Umar disse: “Por Deus, é uma coisa boa.” Umar continuou me incentivando a aceitar sua proposta até que Deus abriu meu coração e comecei a compreender o bem contido na ideia.  Então Abu Bakr disse (para mim).  “Você é jovem e sábio, não temos qualquer suspeita a seu respeito e você costumava registrar a inspiração divina para o mensageiro de Deus. Então busque por fragmentos do Alcorão e compile-os em um livro.”

“Por Allah (Deus), se tivessem me ordenado a mover uma das montanhas, não teria sido mais pesado para mim do que isso (a ordem para compilar o Alcorão). Então eu disse a Abu Bakr: “Como pode fazer algo que o mensageiro de Deus não fez?”Abu Bakr respondeu: “Por Deus, é uma coisa boa.” Abu Bakr continuou me incentivando a aceitar sua ideia até que Deus abriu meu coração para o que tinha aberto os corações de Abu Bakr e Umar. Consequentemente, comecei a procurar pelo Alcorão e a coletá-lo do que estava escrito em folhas de palmeira, pedras claras e também de homens que o sabiam de cor, até que o tinha compilado por inteiro.

Zaid tinha memorizado todo o Alcorão e tinha sido o escriba mais confiável do profeta Muhammad; portanto, teria sido possível para ele escrever o Alcorão inteiro a partir de sua própria memória.  Entretanto, ele não usou somente esse método.  Foi muito cuidadoso e metódico em sua compilação do Alcorão e não registrava nenhum versículo a menos que tivesse sido confirmado por pelo menos dois dos companheiros do profeta Muhammad.

Assim, o Alcorão foi escrito e compilado em forma de livro.  Permaneceu com Abu Bakr até sua morte e então passou para Umar Ibn al Khattab.  Depois da morte de Umar, foi confiado a sua filha Hafsa.  Esse, entretanto, não é o fim da história do Alcorão.  Na época de Uthman, o terceiro líder da nação muçulmana, o livro no qual o Alcorão (as palavras de Deus) estava contido, o Mushaf, foi padronizado.  O Alcorão não foi mais escrito nos vários dialetos do árabe.  Na parte 4 descobriremos como o Mushaf conhecido como o Alcorão de Uthman passou a existir.



Footnotes:

[1] Saheeh Al-Bukhari

[2] Abu Dawood

[3] Saheeh Al-Bukhari

Partes deste Artigo

Visualizar todas as partes juntas

Adicione um comentário

Outros Artigos na Mesma Categoria

Mais visualizados

DAILY
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
TOTAL
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)

Favorito del editor

Listar Artigos

Desde sua última visita
Esta lista no momento está vazia.
Todos por data
(Leia mais...)
(Leia mais...)

Mais Populares

Melhores classificados
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
Mais enviados por email
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
Mais impressos
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
Mais comentados
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)

Seus Favoritos

Sua lista de favoritos está vazia.  Você pode adicionar artigos a esta lista usando as ferramentas do artigo.

Sua História

Sua história está vazia.

View Desktop Version