A religião do Islã  
 

 
 

Recomende Este Site
| More
 

Cientistas e Religião (parte 2 de 2): Cientistas Religiosos

  
Descrição: A suposta discordância entre religião e ciência é uma crença relativamente nova, surgida principalmente a partir de teorias ateístas, mas muitos cientistas no passado e no presente vêem harmonia e coerência não explicadas pela ciência.  Parte 2: As afirmações de cientistas do passado e do presente que não viam conflito entre religião e ciência.
Por A.O.
Publicado em 16 Aug 2010 - Última modificação em 28 Aug 2010
Visualizado: 3663 (média diária: 2) - Classificação: 1 de 5 - Classificado por: 1
Impresso: 208 - Enviado por email: 0 - Comentado em: 0

Categoria: Artigos > Evidência de que o Islã é a Verdade > A Existência de Deus

Isso nos mostra que ciência e religião não são fontes conflitantes de informação, mas que, ao contrário, a ciência é um método que verifica as verdades absolutas fornecidas pela religião.  O confronto entre religião e ciência só é verdadeiro para algumas religiões que incorporam alguns elementos supersticiosos ao lado de fontes divinas.  Entretanto, isso certamente está fora de questão para o Islã, que se apóia somente na revelação pura de Deus.  Além disso, o Islã advoga particularmente a investigação científica e anuncia que investigar o universo é um método para explorar a criação de Deus.  O seguinte versículo do Alcorão aborda essa questão:

“Porém, não reparam, acaso, no céu que está acima deles? Como o construímos e o adornamos, sem abertura aparente? E dilatamos a terra, fixando nela (firmes) montanhas, produzindo aí toda a formosa espécie, em pares, Para a observação e recordação de todo o servo contrito. E enviamos do céu a água bendita, mediante a qual produzimos jardins e cereais para a colheita. E também as frondosas tamareiras, cujos cachos estão carregados de frutos em simetria.” (Alcorão 50:6-10)

Como está implícito nos versículos acima, o Alcorão sempre encoraja as pessoas a pensar, raciocinar e explorar tudo no mundo em que vivem.  Isso porque a ciência apóia a religião, salva o indivíduo da ignorância, e faz com que ele pense de forma mais consciente; amplia o pensamento e ajuda a captar os sinais de Deus que estão evidentes no universo.  O proeminente físico alemão Max Planck disse:

Qualquer um seriamente engajado no trabalho científico de qualquer tipo percebe que na entrada dos portões do templo da ciência estão escritas as palavras: Tu deves ter fé.  É uma qualidade que o cientista não pode dispensar. (J. De Vries, Essential of Physical Science, Wm. B. Eerdmans Pub. Co., Grand Rapids, SD 1958, p. 15.)

Todas as questões que tratamos até agora simplesmente denotam que a existência do universo e de todas as coisas vivas não podem ser explicadas através de coincidências.  Muitos cientistas que deixaram sua marca no mundo da ciência confirmaram e continuam a confirmar essa grande realidade.  Quanto mais as pessoas aprendem sobre o universo, maior é a admiração pela sua ordenação perfeita.  Cada detalhe recém-descoberto apóia a criação de forma inquestionável.

A grande maioria dos físicos modernos aceitam o fato da criação quando entramos no século 21.  David Darling também mantém que nem tempo, nem espaço, nem matéria, nem energia, nem mesmo ou ponto ou cavidade minúsculo existiam no início. Um movimento rápido e insignificante e um tremor e flutuação moderados ocorreram.   Darling conclui dizendo que quando a tampa dessa caixa cósmica foi aberta, os milagres da criação emergiram.

Além disso, já é sabido que quase todos os fundadores dos diversos ramos científicos acreditavam em Deus e Seus livros divinos.  Os maiores físicos na história, Newton, Faraday, Kelvin e Maxwell são uns poucos exemplos desses cientistas.

Na época de Isaac Newton, o grande físico, os cientistas acreditavam que os movimentos dos corpos celestiais e planetas podiam ser explicados pelas diferentes leis.  Entretanto, Newton acreditava que o criador da terra e do espaço era o mesmo e consequentemente tinham que ser explicados pelas mesmas leis.  Ele disse:

“Esse sistema mais belo do sol, planetas e cometas só podiam ter se originado do desígnio e domínio de um Ser inteligente e poderoso. Esse Ser governa todas as coisas, não como a alma do mundo, mas como Senhor sobre tudo e por conta de Seu domínio. Ele é chamado de Senhor Deus, Governante Universal.” (“Principia”)

Como é evidente, milhares de cientistas que tem pesquisado nos campos da física, matemática e astronomia desde a Idade Média concordam com a idéia de que o universo foi criado por um único Criador e sempre foca no mesmo ponto.  O fundador da astronomia física, Johannes Kepler, afirmou sua forte crença em Deus em um de seus livros no qual escreveu:

“Uma vez que nós astrônomos somos sacerdotes de Deus em relação ao livro da natureza, é condizente que sejamos pensativos, não em relação à glória de nossas mentes, mas ao contrário e acima de tudo, em relação à glória de Deus.” (Dan Graves, Scientists of Faith (Cientistas de Fé), p. 51)

O grande físico, William Thompson (Lorde Kelvin), que estabeleceu a termodinâmica em uma base científica formal, também era um cristão que acreditava em Deus.  Ele se opôs fortemente à teoria de evolução de Darwin e a rejeitou totalmente.  Em 1903, pouco antes de sua morte, ele fez uma afirmação inequívoca: “Com relação à origem da vida, a ciência... afirma positivamente a força criativa.” (David Darling, Deep Time, Delacorte Press, 1989, Nova Iorque.)

Um dos professores de física na Universidade de Oxford, Robert Matthews afirma o mesmo fato em seu livro publicado em 1992, no qual explica que as moléculas de DNA foram criadas por Deus.  Matthews diz que todos esses estágios prosseguem em perfeita harmonia a partir de uma única célula até formarem um bebê, então de uma criança pequena até um adolescente.  Todos esses eventos podem ser explicados somente por um milagre, assim como em todos os outros estágios de biologia.  Mattheus questiona como esse organismo perfeito e complexo pode emergir de uma célula simples e minúscula e como um humano glorioso é criado de uma célula menor que um ponto na letra “I”.  Finalmente conclui que é um tipo de milagre. (Robert Matthews, Unraveling the Mind of God (Desvendando a Mente de Deus), London Bridge, Julho, 1995, p.8)

Outros cientistas que admitem que o universo foi criado por um Criador e que são conhecidos por seus citados atributos são:

Robert Boyle (o pai da química moderna)

Iona William Petty (conhecido por seus estudos em estatística e economia moderna)

Michael Faraday (um dos maiores físicos de todos os tempos)

Gregory Mendel (o pai da genética; invalidou o Darwinismo com suas descobertas na ciência da genética)

Louis Pasteur (o maior nome em bacteriologia, declarou guerra ao Darwinismo)

John Dalton (o pai da teoria atômica)

Blaise Pascal (um dos matemáticos mais importantes)

John Ray (o nome mais importante na história natural britânica)

Nicolaus Steno (um famoso estratígrafo que investigou as camadas terrestres)

Carolus Linnaeus (o pai da classificação biológica)

Georges Cuvier (o fundador da anatomia comparativa)

Matthew Maury (o fundador da oceanografia)

Thomas Anderson (um dos pioneiros no campo da química orgânica)

< AnteriorCientistas e Religião (parte 1 de 2): Religião e Ciência estão em Conflito?  
Partes deste Artigo
Cientistas e Religião (parte 1 de 2): Religião e Ciência estão em Conflito?
Cientistas e Religião (parte 2 de 2): Cientistas Religiosos
Visualizar todas as partes juntas
Ferramentas de Artigo
PobreMelhor  Classifique este artigo Classifique
De volta ao topo De volta ao topo
Imprimir Imprimir Salve este artigo Salvar Envie este artigo por email para um amigo E-mail PDF PDF
Adicione um comentário sobre este artigo Adicione um comentário Visualizar ou ocultar comentários sobre este artigo Visualizar comentários (Sem comentários) Adicione este artigo aos seus favoritos neste site Favoritos do site Adicione este artigo aos favoritos do Explorer Favorites do Explorer
| More
Outros Artigos na Mesma Categoria
Categoria: Artigos > Evidência de que o Islã é a Verdade > A Existência de Deus
Um Sistema Planejado em Cada Detalhe
A Habilidade de Ver os Sinais de Deus
A Terra, Um Planeta Vivo
Material Comum, Projeto e Projetista
O Mundo Científico Está Se Voltando para Deus
Instinto, Ciência e Religião (parte 1 de 2): Autossacrifício em Animais
Instinto, Ciência e Religião (parte 2 de 2): Visão Islâmica
Os Sinais nos Céus e na Terra
A Existência Óbvia de Deus
O Projeto na Natureza
Físicos Contemporâneos e a Existência de Deus (parte 1 de 3): A Eternidade da Matéria
Físicos Contemporâneos e a Existência de Deus (parte 2 de 3): Uma Série de Causas
Físicos Contemporâneos e a Existência de Deus (parte 3 de 3): Espaço para Deus
Agnosticismo (parte 1 de 4): O Conceito de Agnosticismo
Agnosticismo (parte 2 de 4): Discussão sobre a Afirmação de Huxley
Agnosticismo (parte 3 de 4): Um Fruto de Religiões Falsas
Agnosticismo (parte 4 de 4): Deixando por Menos
Criacionismo, Evolução, Desenho Inteligente ou Islã?
O Registro Fóssil Refuta a Evolução
Respostas racionais para compromissosideológicos
   

Home Page Home Page

Contate-nos Contate-nos

EnglishEspañol
FrançaisDeutsch
РусскийPortuguês
中文日本語
Italian

  Ajuda Online  
Online diariamente:
De  para 
(de acordo com o horário de seu PC)

  Login  
Usuário
Senha
Lembre-se de mim
Esqueceu sua senha?
Não tem conta? Registro & Por que?

  Mais Populares  

  Listar Artigos  

  Seus Favoritos

Sua lista de favoritos está vazia.  Você pode adicionar artigos a esta lista usando as ferramentas do artigo.


  Sua História

Sua história está vazia.

Desabilitar o registro de minha história