Статьи / видео вы запросили еще не существует.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

您所请求的文章/视频尚不存在。

The article/video you have requested doesn't exist yet.

あなたが要求した記事/ビデオはまだ存在していません。

The article/video you have requested doesn't exist yet.

L'articolo / video che hai richiesto non esiste ancora.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

요청한 문서 / 비디오는 아직 존재하지 않습니다.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

המאמר / הסרטון שביקשת אינו קיים עדיין.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

Статьи / видео вы запросили еще не существует.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

您所请求的文章/视频尚不存在。

The article/video you have requested doesn't exist yet.

L'articolo / video che hai richiesto non esiste ancora.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

요청한 문서 / 비디오는 아직 존재하지 않습니다.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

המאמר / הסרטון שביקשת אינו קיים עדיין.

The article/video you have requested doesn't exist yet.

Muhammad: Um homem que se superou em todos os papéis (parte 1 de 2): Não para adorar, mas imitar

Classificação:
Tamanho da fonte:

Descrição: Um breve olhar na vida do profeta Muhammad, destacando sua habilidade de se superar em todos os papéis.

  • Por Aisha Stacey (© 2017 IslamReligion.com)
  • Publicado em 15 May 2017
  • Última modificação em 15 May 2017
  • Impresso: 0
  • Visualizado: 333 (média diária: 5)
  • Classificação: sem comentários
  • Classificado por: 0
  • Enviado por email: 0
  • Comentado em: 0

MuhammadExcelled1.jpgO profeta Muhammad, que a misericórdia e bênçãos de Deus estejam sobre ele, é o homem do século 7 amado por mais de 1,6 bilhões de muçulmanos no mundo hoje.   É um homem que viveu em uma época na qual os fortes dominavam os fracos, as meninas eram enterradas vivas e as mulheres eram pouco mais que possessões negociadas do pai para o marido.  Entretanto, antes de ele morrer o mundo tinha sido transformado e não mais o fraco perecia simplesmente por ser fraco, a pessoa comum passou a ter voz e as mulheres foram liberadas dos grilhões que as acorrentavam.  A Península Árabe mudou. Sua religião foi de paganismo e idolatria para adorar o Deus Único, disputas tribais deram espaço para solidariedade e coesão, e bebedeira e depravação se transformaram em sobriedade e piedade. 

Os muçulmanos ao longo dos séculos e em todo o mundo não adoram o profeta Muhammad. Entendem muito bem que ele é apenas um homem, um ser humano, como qualquer outro ser humano nessa terra.  Também entendem que é um homem que se superou em qualquer papel que lhe foi confiado.  Aproveitou todas as oportunidades para agradar a Deus.  No século 21 EC temos a vantagem de sermos capazes de olhar através do tempo e ver que homem excelente o profeta Muhammad era e compreender como até as pessoas que o odiavam, o viam como um homem de qualidades excepcionais.  Era, como o Alcorão afirmou de maneira muito eloquente, um homem de caráter excelente.

"Verdadeiramente, ó Muhammad, és de nobilíssimo caráter." (Alcorão 68:4)

Quando jovem Muhammad foi colocado em muitas situações diferentes e sempre foi bem-sucedido.  Quando menino órfão trabalhou como pastor de ovelhas e na adolescência acompanhava seu tio, um comerciante e mercador, a lugares tão distantes como o Iêmen e Síria.  Foi nessas viagens que aprendeu a ser um excelente homem de negócios, ganhou uma reputação de ser confiável e recebeu a alcunha de Al-Amin (o confiável).  Com vinte e poucos anos começou a trabalhar para, e mais tarde se casou com, uma rica mulher de negócios, Khadija.  Juntos foram bem-sucedidos em gerir um negócio próspero e criar uma família.   Mesmo antes da missão profética Muhammad era considerado um homem com altos padrões de moralidade, preferia a companhia de sua família jovem ao estilo de vida decadente e depravado que prevalecia ao seu redor. 

O profeta Muhammad se superou nos negócios, no casamento e como pai.  De fato, por alguns anos viveu um estilo de vida invejável.  Devido a sua honestidade e maneira justa com todas as pessoas, tornou-se conhecido como Al-Sadiq (o verdadeiro).  Era um homem gentil e hospitaleiro, cujas qualidades admiráveis e maneira gentil de lidar com os demais fazia as pessoas quererem se aproximar dele.   Era capaz de lidar de maneira justa e muitos iam até ele em busca de conselho, geralmente pedindo que mediasse disputas.  Quando estava com 40 anos Muhammad ficou chocado ao constatar que devia ser o profeta final de Deus. 

Depois da profecia a vida mudou para Muhammad, mas ele foi capaz de controlar sua apreensão e se superar nessa área também.  Tinha um círculo fechado de amigos e companheiros e sua maneira excelente de enfrentar os testes e tribulações que Deus colocava diante dele resultou em seus companheiros, e até aqueles na periferia de sua esfera de influência, quisessem imitá-lo.  O profeta Muhammad estava profundamente ciente da grande responsabilidade que tinha e, portanto, foi cuidadoso em ensinar a mensagem da forma como Deus havia prescrito.   Alertou seus seguidores para não o adularem da forma como Jesus, filho de Maria, foi adulado.[1] 

A Enciclopédia Britânica descreve o profeta Muhammad como uma das figuras mais influentes na história cuja vida, atos e pensamentos continuam a ser debatidos por seguidores e oponentes.  Existem, claro, muitas figuras influentes ao longo da história da humanidade. Entretanto, seria difícil encontrar muitos que se superaram em todas as facetas da vida.  Muitos especialistas em muitos campos, crentes e não crentes, consideram o profeta Muhammad um homem que fez isso, se superou em todos os aspectos de sua vida pública e privada.  

O escritor, poeta e político francês do século 19, Alphonse Marie Louis de Prat de Lamartine, disso isso a respeito do profeta Muhammad:   "Filósofo, orador, apóstolo, legislador, guerreiro, conquistador de ideias, restaurador de dogmas racionais, de um culto sem imagens, o fundador de vinte impérios terrestres e de um império espiritual, esse é Muhammad.  Com relação a todos os padrões pelos quais a grandeza humana pode ser mensurada, podemos bem perguntar: existe algum homem maior que ele?"[2]

Também no século 19, um filósofo, escritor satírico, ensaísta, historiador e professor escocês, Thomas Carlyle, ecoou a opinião de Lamantine quando ficou "simplesmente maravilhado" que "... um homem sozinho pode transformar tribos em guerra e beduínos nômades em uma das nações mais poderosas e civilizadas em menos de duas décadas."[3]

No século 20 EC, o filósofo, psicólogo, parapsicólogo, educador, professor, pesquisador e administrador indiano Koneru Ramakrishna Rao (nascido em 1932), escreveu sobre o profeta Muhammad.  No final do ensaio, disse: "A personalidade de Muhammad! É mais difícil de obter a verdade.  Só consigo um vislumbre.  Que sucessão dramática de cenas pitorescas.  Lá está Muhammad, o profeta.  Lá está Muhammad, o guerreiro; Muhammad, o homem de negócios; Muhammad, o estadista; Muhammad, o orador; Muhammad, o reformador; Muhammad, o refúgio dos órfãos; Muhammad, o protetor de escravos; Muhammad, o emancipador de mulheres; Muhammad, o juiz..."[4]

Anteriormente no mesmo século, George Bernard Shaw, dramaturgo, crítico, ativista político e cofundador da London School of Economics tinha isso a dizer sobre o caráter do profeta Muhammad.  "Os eclesiásticos medievais, por ignorância ou intolerância, pintaram o Maometismo[5] nas cores mais escuras.  Eles foram, de fato, treinados para odiar o homem Muhammad e a sua religião.  Para eles Muhammad era o Anticristo.  Eu o estudei, o homem maravilhoso, e em minha opinião longe de ser um Anticristo ele deve ser chamado de salvador da Humanidade.  Acredito que se um homem como ele assumisse a ditadura do mundo moderno, seria bem-sucedido em resolver seus problemas de uma forma que traria a paz e a felicidade muito necessárias."[6]

No artigo seguinte examinaremos e avaliaremos alguns dos papeis que o profeta Muhammad desempenhou e se superou.



Notas de rodapé:

[1] Saheeh Al-Bukhari

[2] Lamartine, Histoire de la Turquie, Paris, 1854, vol. ii, pp 276-277

[3] Carlyle Thomas, On Heroes and Hero Worship and the Heroic in History, disponível no Project Guttenberg.

[4] Mohammed The Prophet - Prof. K. S. Ramakrishna Rao, chefe do departamento de Filosofia, Government College for Women University of Mysore, Mandya-571401 (Karnatika) 1978.

[5] Esse termo era comum em uso, anteriormente. O termo Islã é usado agora.

[6] Letter to the Reverend Ensor Walters (1933), como citado em Bernard Shaw : Collected Letters, 1926-1950 (1988) - Dan H. Laurence, p. 305

Partes deste Artigo

Visualizar todas as partes juntas

Adicione um comentário

Outros Artigos na Mesma Categoria

Mais visualizados

DAILY
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
TOTAL
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)

Favorito del editor

Listar Artigos

Desde sua última visita
Esta lista no momento está vazia.
Todos por data
(Leia mais...)
(Leia mais...)

Mais Populares

Melhores classificados
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
Mais enviados por email
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
Mais impressos
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
Mais comentados
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)
(Leia mais...)

Seus Favoritos

Sua lista de favoritos está vazia.  Você pode adicionar artigos a esta lista usando as ferramentas do artigo.

Sua História

Sua história está vazia.

View Desktop Version